Iniciativa de comunidade judaica

Centenas foram aos hospitais no Natal para dizer “obrigado”

| 29 Dez 2022

iniciativa solidaria da comunidade judaica de Leeds, Natal 2022, foto c Albert Chait

Os voluntários distribuíram bouquets de chocolates em 125 instituições de Leeds. No hospital pediátrico (em cima à esquerda), houve direito a consolas e tablets. Fotos © A Time to Say Thank You.

 

No dia de Natal, às 9h45 da manhã, quando a maioria das pessoas estava a dormir, abrir prendas, ou comer o resto dos doces da consoada, a comunidade judaica de Leeds (Inglaterra) estava em frente à sinagoga da cidade, a preparar-se para ir visitar aqueles que, apesar de ser Natal, tinham de estar a trabalhar para o bem de todos.

Foram perto de 600 os elementos da comunidade que aderiram à iniciativa do rabino local, Albert Chait, e que se dividiram para ir aos hospitais, quartéis de bombeiros, esquadras de polícia, farmácias, lares, e até um restaurante indiano que preparava refeições para os sem-abrigo, num total de 125 instituições, onde a cada profissional e, em alguns casos, também aos utentes, entregavam um bouquet de chocolates.

Intitulada “Time to say thank you” (em português, “Tempo de agradecer”), a iniciativa já tinha sido pensada pelo rabino Chait em 2018, mas devido à pandemia acabou por só se concretizar este ano. Juntamente com a sua equipa, Chait passou os últimos meses a confirmar que instituições da cidade estariam abertas no dia de Natal e a angariar patrocínios e donativos para que pudessem ser entregues presentes a cada uma delas e aos seus profissionais.

“Liguei para o hospital local e perguntei se precisavam de alguma coisa para a unidade de crianças e adolescentes”, conta o rabino, citado pelo jornal Jewish News. “Eles disseram que estavam desesperados por uma Play Station 5 para os adolescentes. No final, tínhamos tanto dinheiro que conseguimos levar duas Play Stations e iPads, além de outros equipamentos de jogos. As enfermeiras quase choraram.”

A iniciativa envolveu perto de 600 voluntários e, em 2023, quer estender-se a outras cidades. Foto © A Time to Say Thank You.

 

A iniciativa “enviou uma mensagem tão importante da nossa comunidade, de que não nos importamos apenas uns com os outros, mas importamo-nos com todos”, sublinha o mentor da iniciativa, acrescentando que todos os voluntários tiveram “uma receção muito calorosa” pelos locais onde passaram e que esta “foi uma mensagem de união da comunidade judaica para a comunidade em geral”.

Recorde-se que, por estes dias, os judeus não celebram o Natal, mas sim a festa de Hannukah (ou Hanucá), uma das principais festas judaicas, celebrada entre os dias 25 do mês de Kislev e 3 de Tevet, segundo o calendário hebraico. [ver 7MARGENS].

No próximo ano, o objetivo é “estender a iniciativa [A Time to Say Thank You] a outras comunidades judaicas – Manchester, Glasgow e Londres”, partilha o rabino Chait. E (porque não?) a outros países também.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro

Frade morreu aos 85 anos

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro novidade

O último alarme chegou-me no dia 10 de Fevereiro. No dia seguinte, pude vê-lo no IPO do Porto, em cuidados continuados. As memórias que tinha desse lugar não eram as melhores. Ali tinha assistido à morte de um meu irmão, a despedir-se da vida aos 50 anos… O padre Morgado, como o conheci, em Lisboa, há 47 anos, estava ali, preso a uma cama, incrivelmente curvado, cara de sofrimento, a dar sinais de conhecer-me. Foram 20 minutos de silêncios longos.

Mata-me, mãe

Mata-me, mãe novidade

Tiago adorava a adrenalina de ser atropelado pelas ondas espumosas dos mares de bandeira vermelha. Poucos entenderão isto, à excepção dos surfistas. Como explicar a alguém a sensação de ser totalmente abalroado para um lugar centrífugo e sem ar, no qual os segundos parecem anos onde os pontos cardeais se invalidam? Como explicar a alguém que o limiar da morte é o lugar mais vital dos amantes de adrenalina, essa droga que brota das entranhas? É ao espreitar a morte que se descobre a vida.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This