Dia 5 de maio, no Funchal

Escolas católicas promovem formação para proteger contra abusos na escola

| 3 Mai 2023

“Sensibilizar as escolas para a temática da proteção e do cuidado das crianças que lhes estão confiadas.” Ilustração do artista TVBoy, sobre os abusos sexuais. Foto: Direitos reservados

 

Educar bem, proteger e cuidar na minha escola é o lema de uma ação de formação presencial, aberta e gratuita que a Associação Portuguesa de Escolas Católicas promove na tarde (14h00-18h00) do dia 5 de maio no Auditório da Escola da APEL, no Funchal.

Os formadores Sofia Marques e Rodrigo Queiroz e Melo abordarão com os participantes os alertas para identificar os maus-tratos e os abusos, desenhando um mapa de riscos, e o código de conduta para enquadrar a interação dos adultos com a criança e o jovem.  Num terceiro momento darão indicações sobre como agir a partir do enquadramento legal existente em caso de suspeitas e de denúncias.

Sensibilizar as escolas para a temática da proteção e do cuidado das crianças que lhes estão confiadas e para a importância de promover um clima organizacional de cuidado e bom trato, dentro e fora de sala de aula, garantindo que os alunos estão bem e são protegidos contra qualquer espécie de abuso é o objetivo geral desta ação de formação.

A participação é gratuita, está sujeita a inscrição que pode ser feita através do preenchimento do formulário e destina-se a todos aqueles que, em contexto educativo, interagem com crianças e jovens, sejam dirigentes, educadores docentes, educadores não docentes, colaboradores ou voluntários.

Mais informações sobre esta ação podem ser obtidas neste endereço: cuidar.cepcep@gmail.com

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Irritações e sol na cara

Irritações e sol na cara novidade

“Todos os dias têm muito para correr mal, sim. Mas pode-se passar pela vida irritado? Apitos e palavras desagradáveis, respirações impacientes, sempre com o “não posso mais” na boca.” – A crónica de Inês Patrício, a partir de Berlim

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This