Diocese de Leiria-Fátima

Centro de Formação Cristã inaugura disciplina sobre ecologia integral

| 26 Jan 2022

formação ecologia foto robert kneschke (1200 × 900 px)

Serão constituídos pequenos grupos, de entre 5 a 10 pessoas, que terão como missão fomentar uma conversão ecológica no seio da respetiva comunidade. Foto © Robert Kneschke.

 

 

A partir do próximo dia 8 de fevereiro, a Escola Diocesana Razões da Esperança (EDRE), do Centro de Cultura e Formação Cristã da Diocese de Leiria-Fátima, contará com uma novidade na sua oferta formativa: pela primeira vez e de forma mais sistematizada, será dada atenção às questões ambientais e ecológicas, na linha do que o Papa Francisco propõe na Encíclica Laudato Si’. A disciplina terá a designação de “Cuidar da Terra, cuidar dos outros” e será lecionada por elementos da Rede Cuidar da Casa Comum, noticia a diocese no seu site.

A disciplina incluirá “uma abordagem de um ponto de vista mais teológico da encíclica e das questões que esta levanta” e “uma reflexão mais pastoral”, em que se pretende passar à prática através dos “focos de conversão ecológica”.

Estes focos são pequenos grupos, de entre cinco a 10 pessoas, constituídos para fomentar uma conversão ecológica no seio da respetiva comunidade. “Têm por missão escutar o grito da nossa Casa Comum ‘contra o mal que lhe provocamos’, identificar, na vida quotidiana, ‘o uso irresponsável’ dos bens da Terra, criar no seio das respetivas comunidades pontes de diálogo com vista à construção de uma ecologia integral, tanto no plano dos comportamentos individuais com nas opções e práticas das comunidades da sua área de influência”, pode ler-se na página da diocese de Leiria-Fátima.

As matrículas devem ser feitas até oito dias antes através do site da escola.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição” novidade

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Humanizar não é isolar

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This