Para promover inclusão

Chamamento muçulmano à oração já pode soar livremente em Nova Iorque

| 30 Ago 2023

Centro Cultural Islâmico de Nova Iorque. Foto © Sousi4, via Wikimedia Commons.

Centro Cultural Islâmico de Nova Iorque, onde se encontra a maior mesquita da cidade. Foto © Sousi4, via Wikimedia Commons.

 

A partir desta sexta-feira, 1 de setembro, as mesquitas de Nova Iorque (EUA) já não vão precisar de uma autorização especial para fazer soar publicamente o azan (ou adhan) – chamamento islâmico à oração. A medida foi implementada pelo prefeito Eric Adams e visa, segundo ele, promover um espírito de inclusão.

“Durante muito tempo, houve um sentimento de que as nossas comunidades não tinham permissão para amplificar os seus apelos à oração”, afirmou Adams, citado pela agência AP. “Hoje, estamos a reduzir a burocracia e a dizer claramente que as mesquitas e locais de culto são livres de amplificar o seu apelo à oração às sextas-feiras e durante o Ramadão, sem necessidade de autorização”, acrescentou.

Ladeado por vários líderes muçulmanos numa conferência de imprensa realizada esta terça-feira, 29, na Câmara Municipal, Adams disse que os nova-iorquinos muçulmanos “não viverão nas sombras do sonho americano” enquanto ele for presidente da cidade.

“O som do adhan não é apenas um chamamento à oração; é um apelo à unidade, à reflexão e à comunidade”, observou por seu lado Afaf Nasher, diretor executivo da secção de Nova Iorque do Conselho de Relações Americano-Islâmicas, num comunicado. “Acreditamos que esta ação contribuirá para uma maior compreensão e valorização dos valores e tradições da comunidade muçulmana.”

Somaia Ferozi, diretora da Escola Islâmica Ideal no Queens, considera que as novas regras da cidade de Nova Iorque enviam uma mensagem positiva aos seus alunos. “Os nossos filhos lembram-se de quem são quando ouvem o adhan”, afirmou Ferozi, que participou na conferência de imprensa. “Escutar esse eco num bairro de Nova Iorque fará com que eles se sintam parte de uma comunidade que os reconhece”.

Eric Adams, que se assume como cristão, tem mantido relações estreitas com líderes religiosos de várias tradições e promovido o papel da religião na vida pública.

No passado mês de abril, a cidade de Minneapolis, capital do Estado do Minesota, tornou-se na primeira grande urbe americana em que se ouvem todas as cinco chamadas diárias para a oração muçulmana [ver 7MARGENS].

Há menos países a aplicar a pena de morte, mas número de execuções foi o mais elevado em quase uma década

Relatório 2023

Há menos países a aplicar a pena de morte, mas número de execuções foi o mais elevado em quase uma década novidade

A Amnistia Internacional (AI) divulgou na madrugada desta quarta-feira, 29 de maio, o seu relatório anual sobre a aplicação da pena de morte a nível mundial, que mostra que em 2023 “ocorreram 1.153 execuções, o que representa um aumento de mais de 30 por cento em relação a 2022”, sendo que “este valor não tem em conta os milhares de execuções que se crê terem sido realizados na China”. Este “foi o valor mais alto registado” pela organização “desde 2015, ano em que houve 1.634 pessoas executadas”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Há uma “nova vaga de terror contra os cristãos” no Paquistão

Ataques sucedem-se

Há uma “nova vaga de terror contra os cristãos” no Paquistão novidade

O recente ataque a um cristão falsamente acusado de ter queimado páginas do Corão, por uma multidão muçulmana enfurecida, no Paquistão, desencadeou “uma nova vaga de terror” contra a minoria religiosa no país. Depois deste incidente, que aconteceu no passado sábado, 25 de maio, já foram registados outros dois ataques devido a alegados atos de “blasfémia” por parte de cristãos.

A memória presente em pequenas tábuas

Museu Abade de Baçal

A memória presente em pequenas tábuas novidade

“Segundo uma Promessa” é o título da exposição inaugurada a 18 de maio no Museu Abade de Baçal, em Bragança, e composta por uma centena de pequenos ex-votos, registados em tábuas, que descrevem o autor e o recetor de vários milagres, ao longo dos séculos XVIII e XIX. “O museu tem a obrigação de divulgar e de mostrar ao público algum do património que está disperso pela diocese de Bragança-Miranda”, disse ao 7MONTES Jorge Costa, diretor do museu.

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This