[O flagelo que não acaba – XI]

Chantagem!

| 21 Set 2023

Abusos Na Igreja

“As pessoas LGTBIQ+ não escapam à realidade dos abusos, mas, como muitas vezes acontece, a Lei de Murphy cumpre-se mais uma vez e, aos abusos “habituais”, acrescenta-se outro com as mesmas consequências nefastas: a chantagem.” Ilustração © Catarina Soares Barbosa

 

Durante a última JMJ ficou evidente que as pessoas LGTBIQ+ continuam a ser alvo de alguns grupos, cuja alegada e exibida “pureza religiosa” contrastou fortemente com a clareza com que Francisco disse que na Igreja cabem todos, todos, todos!!

Creio que a maioria de nós partilha o que disse Francisco, porque não se pode falar de comunhão se todos aqueles que querem estar na Igreja, porque se sentem e são Igreja, não o podem fazer.

As pessoas LGTBIQ+ não escapam à realidade dos abusos, mas, como muitas vezes acontece, a Lei de Murphy cumpre-se mais uma vez e, aos abusos “habituais”, acrescenta-se outro com as mesmas consequências nefastas: a chantagem.

Ao dar um passo tão decisivo na vida como decidir para onde dirigi-la, ou como viver aquilo a que nos sentimos chamados, iniciar esse processo com uma mentira não é uma boa ideia. Mas isso é o que muitos homossexuais se veem obrigados a fazer se quiserem ser aceites, sobretudo nos seminários. É certo que em alguns seminários – pelo menos – são admitidos, mas também não se faz publicidade disso. Pode igualmente acontecer nas congregações religiosas. As masculinas já deram passos para ir superando essas barreiras estabelecidas; as femininas, praticamente em todo o mundo, caminham mais devagar a esse respeito.

Alguém consegue imaginar como é viver escondendo uma mentira a vida toda? E, o que é pior, podemos imaginar o que é viver com medo de ser descoberto e, neste caso concreto, de ser chantageado?

Deveria fazer-nos pensar muito sobre aquilo que deriva de certas proibições que condenam a viver um inferno em vida e que, em alguns casos, resulta em suicídios de sacerdotes que, pelo menos na Europa, são tratados como mortes “naturais”, embora o contexto em que ocorrem não sustente o que aconteceu. Qualquer explicação que não fosse a verdade levaria a encarar o problema real.

Um suicídio não tem nada de natural e ocultá-lo apenas serve para reforçar negativamente a autoestima dos homossexuais que já formam parte, embora quase de forma clandestina, de alguma estrutura da Igreja.

Quando a chantagem ocorre e conduz ao suicídio, deveria ser analisada uma questão fundamental sobre a qual nunca se insiste o suficiente: o acompanhamento. Como foi acompanhada essa pessoa?

Não podemos olhar para o outro lado porque a vida de muitas pessoas está em perigo. Não quero dizer que todos se suicidem, mas sim que todos sofram espiritual e psicologicamente durante a sua vida.

Esse sofrimento, que raramente se sentirão com a confiança de partilhar, terá também repercussões no seu ambiente pastoral. Algumas vezes julgamos de forma inflexível o comportamento de alguns sacerdotes em relação a alguns temas que expõem em diversas situações, sem ter consciência de que todos temos uma história que, mais ou menos, condiciona a nossa vida. Porquê essa reação? De onde vem esse comentário? Como é que mudou tanto se antes não pensava assim?

Quando analisamos com calma muitos acontecimentos que sucedem diariamente na Igreja, percebemos que, no final, é como uma corrente cujos elos não podem ser separados e alguns desses elos, além de estarem unidos, chegam a fundir-se uns com os outros, fazendo com que a mobilidade da corrente – que já condiciona bastante a vida – seja impossível. Assim, aparece um elemento rígido que condena as pessoas.

Muitas pessoas, muitos sacerdotes, não são rígidos, o que acontece é que se veem obrigados a manifestar-se assim, condicionados por um modo de ser que não escolheram, que os molda como pessoas, e que lhes causa um grande medo que seja conhecido.

Tentemos mudar a nossa forma de perceber a realidade que vemos. O que vemos e o que olhamos nem sempre coincide. Por trás das reações das pessoas, geralmente existe uma causa. Também não esperemos que as pessoas nos contem tudo; no entanto, seria bom se ouvíssemos o que elas nos dizem sem falar.

Por enquanto, pensemos que a lista de abusos que vão completando este flagelo que não acaba, irá aumentando se não decidirmos limpá-lo completamente.

Quando escrevo estas linhas, acaba de se tornar público que seis bispos suíços são acusados de ocultar abusos… Até quando?

 

Cristina Inogés Sanz é teóloga e integra a comissão metodológica do Sínodo da Igreja Católica. Tradução de Júlio Martin.

 

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças

Este fim de semana, em Roma

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças novidade

Foi há pouco mais de cinco meses que, para surpresa de todos, o Papa anunciou a realização da I Jornada Mundial das Crianças. E talvez nem ele imaginasse que, neste curto espaço de tempo, tantos grupos e famílias conseguissem mobilizar-se para participar na iniciativa, que decorre já este fim de semana de 25 e 26 de maio, em Roma. Entre eles, estão alguns portugueses.

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral”

Susana Réfega, do Movimento Laudato Si'

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral” novidade

A encíclica Laudato Si’ foi “determinante para o compromisso e envolvimento de muitas organizações”, católicas e não só, no cuidado da Casa Comum. Quem o garante é Susana Réfega, portuguesa que desde janeiro deste ano assumiu o cargo de diretora-executiva do Movimento Laudato Si’ a nível internacional. Mas, apesar de esta encíclica ter sido publicada pelo Papa Francisco há precisamente nove anos (a 24 de maio de 2015), “continua a haver muito trabalho por fazer” e até “algumas resistências à sua mensagem”, mesmo dentro da Igreja, alerta a responsável.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja”

Terminou a visita “ad limina” dos bispos portugueses

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja” novidade

“Penso que estamos a mudar o paradigma da Igreja”, disse esta sexta-feira, 24 de maio, o bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), numa conversa com alguns jornalistas, em plena Praça de S. Pedro, no Vaticano, em comentário ao que tinha acabado de se passar no encontro com o Papa Francisco e às visitas que os bispos lusos fizeram a vários dicastérios da Cúria Romana, no final de uma semana de visita ad limina.

O mundo precisa

O mundo precisa novidade

O mundo precisa, digo eu, de pessoas felizes para que possam dar o melhor de si mesmas aos outros. O mundo precisa de gente grande que não se empoleira em deslumbrados holofotes, mas constrói o próprio mérito na forma como, concretamente, dá e se dá. O mundo precisa de humanos que queiram, com lealdade e algum altruísmo, o bem de cada outro. – A reflexão da psicóloga Margarida Cordo, para ler no 7MARGENS.

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Testemunho de uma judia-americana que abandonou Biden

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Esta é a história-testemunho da jovem Lily Greenberg Call, uma judia americana que exercia funções na Administração Biden que se tornou há escassos dias a primeira figura de nomeação política a demitir-se de funções, em aberta discordância com a política do governo norte-americano relativamente a Gaza. Em declarações à comunicação social, conta como foi o seu processo interior e sublinha como os valores do judaísmo, em que cresceu, foram vitais para a decisão que tomou.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This