Pandemia

Chile celebra “Dia da Condolência e do Adeus”

| 5 Set 21

A imagem oficial deste dia no Chile. Foto: Direitos reservados.


“Que a dor não nos seja indiferente”. Com este mote, milhares de chilenos vão evocar este domingo os mais de 40 mil mortos que a pandemia provocou no país numa jornada com o título “Dia da condolência e do adeus”.

A iniciativa surgiu em julho último de um grupo de psicoterapeutas que lançaram um apelo nacional a autarquias, meios de comunicação social, instituições de ensino e outras instituições, para que aderissem e organizassem as iniciativas que entendessem mais adequadas. Um site foi também aberto para apoiar e inspirar a jornada.

O programa inclui um assim chamado “ Memorial da Audiência”, que consiste em micro-gravações de familiares e amigos que evocam o nome e traços da vida de alguém próximo que partiu. Esse ato demora 60 minutos e ocorre através de uma rede de rádios locais. Inclui, a seguir, uma vigília, para a qual todos os cidadãos são convidados. Para isso devem sair para a frente de suas casas, colocar uma vela evocativa e observar um minuto de silêncio (no caso de apartamentos, deverão iluminar os seus smartphones durante esse minuto de silêncio).

Mas há outro tipo de manifestações que foram anunciadas. A Universidade do Chile, por exemplo, vai criar um bosque de espécies arbóreas autóctones com a designação da jornada, numa primeira etapa com 200 árvores, como forma mais perene de recordar os membros da comunidade universitária que faleceram, bem como os da comunidade onde o campus está inserido.

Numa outra instituição universitária, a Universidade Central, os seus membros são convidados a participar num ato simbólico de reconhecimento social e condolências, traduzido numa galeria com fotografias e mensagens de despedida, que serão também disponibilizadas no site da instituição.

Recorde-se que também em Portugal está prevista uma jornada de natureza similar, designada “Memória e Esperança”, que se realizará em 22, 23 e 24 de outubro, com o patrocínio do Presidente da República. 

Os dias não têm 24 horas

Os dias não têm 24 horas novidade

E se de repente nos viessem dizer que cada dia passaria a ter apenas 16 ou 17 horas? Com a falta de tempo de que sempre nos queixamos iríamos, decerto, apanhar um susto. Não saberíamos como resolver tamanho corte e, com imensa probabilidade, entraríamos em stresse, esse companheiro que nos boicota a vida num padrão que, como alguém disse, se traduz por excesso de presente.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Árvores, vigílias, música, humor… e o Presidente

Jornada Memória e Esperança de 22 a 24

Árvores, vigílias, música, humor… e o Presidente novidade

Uma exposição de cartoons, uma música para ser cantada por toda a gente, plantação de árvores a recordar as vítimas da pandemia ou a manifestar a esperança numa sociedade mais justa e solidária, vigílias cívicas ou religiosas, murais em escolas ou espaços públicos, bandas no coreto ou em praças públicas e ainda uma evocação que contará com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. Estas são algumas das dezenas de iniciativas já previstas no âmbito da jornada Memória e Esperança, que decorrerá em todo o país, no próximo fim-de-semana.

Escutar sem filtros insatisfações e expectativas do mundo sobre a Igreja

Dioceses portuguesas abriram Sínodo

Escutar sem filtros insatisfações e expectativas do mundo sobre a Igreja novidade

Na Arquidiocese de Braga não haverá assembleias sinodais, mas, em contrapartida, haverá uma forte aposta na multiplicação de pequenos grupos nas paróquias, comunidades e movimentos, com a tarefa de “escutarem o que o Espírito Santo diz à Igreja” através dos seus membros e, também através daqueles que andam longe ou nas suas margens. O Sínodo da Igreja Católica foi aberto solenemente em todas as dioceses do mundo, também em Portugal.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This