China reconhece terceiro bispo católico em pouco mais de um mês, mas perseguições continuam

| 25 Jul 20

Na cerimónia de tomada de posse, o bispo Paulo Ma Cunguo prometeu respeitar a constituição, salvaguardar a unidade do país e a harmonia social. Foto: Direitos Reservados.

 

Paulo Ma Cunguo, da diocese de Shouzhou (no norte da província de Shanxi), é o terceiro bispo clandestino a ser reconhecido pelas autoridades chinesas no espaço de pouco mais de um mês e o sexto a integrar a Associação Patriótica Católica chinesa desde o acordo assinado em 2018 entre a China e o Vaticano. Ainda este mês, deverá ter lugar em Roma uma nova ronda de conversações entre as autoridades de ambos os estados, com o objetivo de atualizar o acordo. Mas de diversas regiões da China continuam a chegar relatos de perseguições contra os cristãos.

Na cerimónia de tomada de posse, segundo noticiou esta semana a Asia News, o bispo Ma Cunguo prometeu aderir à “Santa, Única Igreja transmitida pelos Apóstolos”, ao mesmo tempo que prometia também respeitar a constituição, “salvaguardar a unidade do país e a harmonia social”. Ficam ainda por reconhecer 21 bispos clandestinos, que continuam assim particularmente vulneráveis à política de repressão do regime comunista chinês.

O South China Morning Post divulgou na segunda-feira, 20 de julho, uma análise sobre a situação atual dos católicos no país, referindo diversos exemplos de limitação da liberdade religiosa, como o facto de, nos últimos três meses, mais de 500 cruzes das igrejas e locais públicos na província de Anhui terem sido eliminadas pelo regime comunista. Outra das medidas estabelecidas pelas autoridades consistiu na proibição de assistir a eventos religiosos por menores de 18 anos.

Segundo noticiou também esta semana a agência Angelus News, as autoridades de Shanxi estão a ordenar a todos aqueles que recebem apoios do Governo que substituam os símbolos religiosos nas suas casas, incluindo imagens de Jesus, por fotos do presidente Mao e do presidente Xi Jinping. Caso não o façam, serão punidos com a retirada de todos os apoios sociais e económicos.

A análise publicada pelo South China Morning Post recorda que continua a desconhecer-se o paradeiro do bispo de Baoding (na província de Hebei), Su Zhimin, desaparecido há 17 anos, e que deveria cumprir este mês 88 anos. O artigo sublinha que, com o acordo provisório de 2018, que expira em setembro deste ano, esperava-se que o Governo partilhasse mais informação sobre este e outros casos e que houvesse mais liberdade religiosa para os católicos, o que não se verificou.

O jornal refere que “uma fonte católica, que conhece as negociações para o acordo de 2018”, afirmou que “no Vaticano sabem que o acordo não resolverá tudo” mas que “proporciona uma base para resolver um conflito religioso chave”. A mesma fonte indicou que os casos de Su Zhimin, Thaddeus Ma Daqin (bispo de Xangai em prisão domiciliária) e Augustine Cui Tai (bispo de Xuanhua, na província de Hebei, preso em junho), têm sido abordados nas conversações entre os dois estados, mas o governo chinês apresenta sempre “desculpas, como o facto de as autoridades locais não colaborarem”.

De acordo com a UCA News, as conversações deverão ser retomadas ainda este mês, em Roma, para uma renovação do acordo assinado a 22 de setembro de 2018.

 

Artigos relacionados

Abolir as armas nucleares

Abolir as armas nucleares

Dinâmicas colectivas mobilizadoras, pronunciamentos de líderes políticos, insistência nos apelos de dirigentes religiosos, são marcos que ajudam a explicar o facto de, a 7 de Julho de 2017, a Assembleia Geral da ONU ter adoptado, numa decisão histórica, o Tratado de Proibição das Armas Nucleares, votado por 122 países, com a ausência dos países detentores de armas nucleares, bem como dos membros da Aliança Atlântica.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Um debate virtual sobre A Economia de Francisco novidade

Com o objectivo de dar um contributo para a reflexão sobre o encontro A Economia de Francisco, que decorreu no final de Novembro, a Capela do Rato (Lisboa) organizou um debate, que decorrerá via Zoom, “sobre as pistas e os caminhos para uma economia mais humana e mais justa”.

Semana pela Unidade dos Cristãos: Aplicação disponibiliza orações em árabe

Pela primeira vez, os cristãos de língua árabe podem acompanhar as orações e meditações bíblicas da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (que se assinala entre 18 e 25 de janeiro) no seu próprio idioma, graças à tradução assegurada pelo Conselho Mundial de Igrejas (CMI), em parceria com o Conselho de Igrejas do Médio Oriente (MECC) e a aplicação bíblica You Version – The Bible App.

Diocese espanhola vende bens patrimoniais para ajudar os pobres

O arcebispo de Valencia (Espanha), cardeal Antonio Cañizares, anunciou a criação da fundação diocesana Pauperibus, através da qual a sua diocese irá vender bens patrimoniais próprios “para aliviar as necessidades dos mais pobres e vulneráveis”, acentuadas pela pandemia de covid-19.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Espanha: 96 jesuítas cometeram abusos sexuais entre 1927 e 2020

A Companhia de Jesus identificou 81 casos de menores de idade e 37 de adultos que foram vítimas de abusos sexuais, cometidos por 96 religiosos pertencentes à ordem, em Espanha. Os abusos registaram-se em qause 100 anos, entre 1927 e 2020 e, na sua maioria, aconteceram em colégios.

Papa abre caminho à beatificação de médico que descobriu origem da Síndrome de Down

O Papa Francisco aprovou a publicação do decreto que reconhece as “virtudes heroicas” do médico francês Jérôme Lejeune (1926-1994) que, em 1958, descobriu a origem cromossómica da Síndrome de Down, anunciou esta quinta-feira, 21, o Vaticano. Fica assim aberto o caminho para a beatificação daquele que foi o primeiro presidente da Academia Pontifícia para a Vida, então nomeado pelo Papa João Paulo II.

Bispo Manuel Martins evocado nos 94 anos do seu nascimento

Naquele que seria o dia do 94º aniversário do primeiro bispo de Setúbal, D. Manuel Martins, um grupo coordenado por Eugénio Fonseca promove uma sessão de evocação e homenagem, durante a qual intervém Manuel Malheiros, da Liga Portuguesa dos Direitos Humanos/Civitas.  

Trump aprova posto de embaixador contra o antissemitismo

Antes de sair, oficialmente, da Casa Branca, o Presidente cessante dos Estados Unidos da América, Donald Trump, aprovou um projeto de lei que eleva à categoria de embaixador pleno o cargo de enviado especial para monitorizar e combater o antissemitismo.

Entre margens

Banco de Tempo, solidariedade e o legado da minha mãe novidade

Pergunto-me ainda porque vivi quatro anos em Lisboa e não conheci um vizinho meu. Vivia num prédio com elevador, diga-se. Cruzava-me com pessoas nesse lugar, mas nunca nos falávamos, um bom dia que fosse… nunca ouvi, e nunca o disse… nunca quebrei o gelo. Tive de o quebrar, agora, dez anos depois, num prédio diferente, quando precisei que um residente em Portugal assinasse uma declaração atestando que um parente meu era seu vizinho. Para se obter um Atestado de Residência, em Portugal, é imperioso que um vizinho o ateste, antes da Junta da Freguesia.

Ihor Homenyuk, morada e conterrâneos

E para que não esqueçamos como é difícil romper a espessa camada do preconceito e da sobranceria nacionalista, não apenas em relação aos trabalhadores da construção civil como Ihor Homenyuk (onde se juntam o preconceito racial com o preconceito de classe), sir Hersch Lauterpacht, o académico de renome mundial, cavaleiro da Ordem do Império Britânico, foi eleito, em 1955, juiz do Tribunal Internacional de Justiça de Haia, “apesar da oposição de alguns que o consideravam insuficientemente britânico”.

O homem que o povo alemão pedia

Porquê escrever, a pretexto de um dia em memória das vítimas do Holocausto, sobre o homem responsável pelo maior genocídio da história? Porque também hoje pululam pequenos homens cheios de ódio, incapazes de lidar com a sua insignificância pessoal, mas cujo ego descomunal estimulado por um contexto favorável os pode transformar em caudilhos de populações exasperadas pelo abandono e pelo medo.

Cultura e artes

“Menina e Moça”, os judeus sefarditas e a emanação feminina de Deus

Gritos de espanto e assombro do poeta judeu português, Samuel Usque, face à perseguição e tragédia do seu povo. Dor que transcende o Universo. Atracou em Sepharad – nome judaico dado à Península Ibérica – nos séculos II ou III, numerosa comunidade judaica que aqui se estabeleceu: artesãos, cientistas, comerciantes, escritores, filósofos, juristas, médicos, frequentadores das cortes e conselheiros de reis.

A vida, o sofrimento e Jesus

Dois autores, ambos presbíteros com profundas experiências e preocupações pastorais – Valdés é biblista argentino, Bermejo é especialista na pastoral da saúde em Espanha – oferecem em Peregrinar a Jesus um contributo notável para aprofundar as difíceis e exigentes questões relacionadas com a saúde, o sofrimento e a relação de fé.

O olhar da raposa

Infelizmente, são ainda muitos os lugares deste mundo onde a pena de morte continua a existir e a ser praticada. Sirvam de exemplo estas notícias do Público de sexta, 11 de Dezembro e Domingo 13 de Dezembro: “Trump autoriza onda de execuções como não se via há 124 anos”; “Alfred Bourgeois é o segundo executado em dois dias pela Administração Trump”; “Irão executa jornalista por inspirar protestos de 2017 contra o regime”.

A pegada de religiosidade na obra de João Cutileiro

“Na vasta obra de João Cutileiro, há uma intermitente, mas persistente, pegada de religiosidade que deixou plasmada em poemas de pedra”, escreve o padre Mário Tavares de Oliveira, cónego da diocese de Évora, num texto que evoca a arte do escultor que morreu no passado dia 5.

Palavra e Palavras

Durante as semanas de Advento li o novo livro de Valter Hugo Mãe (VHM), Contra Mim. Trata-se de um livro que revela quem é Valter Hugo Mãe. A sua leitura literalmente me encantou e fez emergir múltiplas epifanias.  Um grande livro, um grande escritor. Uma prosa lindíssima e original. Uma profunda busca de Deus.

Sete Partidas

Angela Merkel

Partilho o último discurso de Ano Novo de Angela Merkel como chanceler alemã. A princípio não gostava muito dela, e desgostei especialmente na época da crise do euro. A rejeição era tal que, há cerca de 15 anos, os meus filhos sentiram necessidade de tomar uma importante decisão pessoal: anunciaram que gostavam muito dos avós “apesar de eles votarem na Angela Merkel”.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This