Relatório da ONU

China terá cometido “crimes contra a humanidade” em Xinjiang

| 1 Set 2022

michelle bachelet foto twitter

O relatório foi publicado poucos minutos antes do fim do mandato da comissária Michelle Bachelet. Foto © UN Human Rights.

 

A China cometeu “graves violações de direitos humanos” contra muçulmanos uigures na região noroeste de Xinjiang, que poderão ser considerados “crimes contra a humanidade”, de acordo com um relatório divulgado esta quarta-feira, 31 de agosto, pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos.

O relatório, publicado poucos minutos antes do fim do mandato da comissária Michelle Bachelet, à meia-noite (hora de Genebra), foi repetidamente adiado, e a sua divulgação veementemente contestada pela China, refere a CNN. Chega a público quatro anos depois de um comité de especialistas da ONU ter chamado a atenção, em agosto de 2018, para “relatos confiáveis” de que mais de 1 milhão de uigures e outros povos de minorias muçulmanas haviam sido internados coercivamente em campos extrajudiciais em Xinjiang para “reeducação” e doutrinação.

O relatório refere-se a “detenções arbitrárias” e “padrões relacionados de abuso” dentro do que as autoridades de Pequim afirmam serem “centros de educação e treino vocacional”, entre os anos 2017 e 2019. Com base na análise de documentos públicos e informações recolhidas em entrevistas com 40 pessoas de etnias uigures, cazaques e quirguizes, conclui que as detenções durante esse período “foram marcadas por padrões de tortura ou outras formas de tratamento ou punição cruel, desumano ou degradante”.

“A extensão da detenção arbitrária e discriminatória de membros da comunidade uigur e outros grupos predominantemente muçulmanos pode constituir crimes internacionais, em particular crimes contra a humanidade”, lê-se no relatório.

O documento inclui descrições feitas pelos entrevistados, que referem a administração regular de injeções ou comprimidos que provocavam sonolência e “várias formas de violência sexual”, incluindo alguns casos de violação e nudez forçada.

O governo chinês, que repetidamente se opôs à divulgação do relatório, respondeu com um documento de 131 páginas – quase três vezes o tamanho do relatório da ONU, com 45 – no qual condena as descobertas como sendo “baseadas na desinformação e mentiras fabricadas por forças anti-China.” “Xinjiang tomou medidas para combater o terrorismo e o extremismo de acordo com a lei, efetivamente restringindo as ocorrências frequentes de atividades terroristas. Atualmente, Xinjiang desfruta de estabilidade social, desenvolvimento económico, prosperidade cultural e harmonia religiosa.”, assegura Pequim.

Omer Kanat, diretor executivo do Uyghur Human Rights Project, considera que este relatório poderá ser “revolucionário para a resposta internacional à crise uigur”. “Apesar das negações vigorosas do governo chinês, a ONU agora reconheceu oficialmente que crimes horríveis estão a acontecer”, destacou em comunicado assinado por um grupo de 60 organizações uigures de 20 países.

No passado mês de julho, a Amnistia Internacional denunciou a ocorrência de 48 novos casos de prisões arbitrárias entre as minorias muçulmanas na região de Xinjiang.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

ONG israelita já salvou a vida a 3.000 crianças palestinianas

Uma forma de "construir pontes"

ONG israelita já salvou a vida a 3.000 crianças palestinianas novidade

Amir tem cinco anos e, até agora, não podia correr nem brincar como a maioria das crianças da sua idade. Quando tinha apenas 24 meses, apanhou um vírus que resultou no bloqueio de uma das suas artérias coronárias, pelo que qualquer esforço físico passou a ser potencialmente fatal. Mas, muito em breve, este menino palestiniano poderá recuperar o tempo perdido. Com o apoio da organização humanitária israelita Save a Child’s Heart, Amir acaba de ser operado num hospital em Tel Aviv e está fora de perigo.

Francisco contra o divisionismo e a ordenação de mulheres

Entrevista à revista America

Francisco contra o divisionismo e a ordenação de mulheres novidade

“O divisionismo não é católico. Um católico não pode pensar ‘ou, ou’ e reduzir tudo a posições irreconciliáveis. A essência do católico é “e, e”. O católico une o bem e o não tão bom. O povo de Deus é um” – afirmou o Papa Francisco, a propósito das divisões na Igreja americana, na entrevista concedida no dia 22 de novembro a um conjunto de editores jesuítas e publicada na edição da revista America – The Jesuit Review desta segunda-feira, 28 de novembro.

Terra de pobreza e de milagres

[Crónicas da Guiné – 1]

Terra de pobreza e de milagres novidade

A Guiné-Bissau, como país, é um bom exportador de más notícias. E quando se chega ao território, o que imediato se faz notar é a pobreza e o lixo. Mas quando nos dizem “Tenho orgulho em Bissau ser uma cidade limpa… em comparação com outras capitais desta região de África”, percebemos que tudo é relativo – relativo aos padrões que adoptamos. Ou às notícias que procuramos. Porque há notícias que vêm ter connosco, pois sabem que serão bem acolhidas, e outras que se deixam ficar no seu cantinho, silenciosas, porque se reconhecem sem interesse.

Nasce uma nova rede eclesial para o cuidado da casa comum

América Latina

Nasce uma nova rede eclesial para o cuidado da casa comum novidade

Depois da Rede Eclesial Pan-Amazónica (REPAM) e da Rede Eclesial Ecológica Mesoamericana (REGCHAG), nasce agora a Rede Eclesial Gran Chaco e Aquífero Guarani (REGCHAG), com o objetivo de proteger os territórios que lhe dão nome e as respetivas comunidades, face a ameaças como o desmatamento, a contaminação e o desrespeito pelos modos de vida.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This