Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos

| 14 Mai 19

Este filme é muito mais que um filme: pelo modo como foi construído e realizado e por tudo o que congregou à sua volta, ajudando-nos a ver uma situação que é actual e premente – os índios ameaçados no Brasil [para além do filme, estão patentes, em Guimarães, quatro exposições dedicadas ao pensamento ameríndio, depois de já ter havido mostras de cinema em Lisboa e em Guimarães]. Tudo com o objectivo de nos levar a olhar e a ouvir os índios.

No entanto, não se trata de um documentário sobre os índios krahô, mas de uma ficção com os índios krahô, partindo da sua cultura e do seu dia-a-dia, na Aldeia de Pedra Branca, Estado de Tocantins, Norte do Brasil.

No centro do filme está um jovem índio que não quer ser o novo xamã da aldeia, porque isso lhe alteraria os planos que tem para a sua vida. É casado, tem um filho, e vive com uma grande inquietação: o seu pai já morreu, mas ainda falta fazer a festa que marca o fim do luto, que permitirá ao espírito do seu pai ir para a aldeia dos mortos e ficar em paz a ‘aldeia dos vivos’. E assim a vida seguirá com toda a normalidade ao ritmo das estações, das festas e das colheitas.

Os krahô não prestam culto aos mortos, despedem-se deles, da sua lembrança e saudade, e cada um segue ‘a sua vida’. Que bem nos faria parar um pouco a contemplar esta sabedoria ancestral, a nós que tantas vezes ‘carregamos’ os que morreram como fantasmas, e andamos como loucos a correr atrás do tempo e das coisas.

«Porventura não é a vida mais do que o alimento, e o corpo mais do que o vestido?Olhai as aves do céu… Olhai como crescem os lírios do campo… Não vos preocupeis, portanto, com o dia de amanhã, pois o dia de amanhã já terá as suas preocupações. Basta a cada dia o seu problema.»

O filme que acompanha Henrique Ihjãc Krahô, desde aquele momento inicial em que ele vai até à cascata para comunicar com o espírito do seu pai defunto, mostra principalmente a sua ‘fuga’ da aldeia para escapar ao chamamento a ser xamã, refugiando-se num centro de apoio aos índios, situado na cidade mais próxima. Ele quer ficar lá mais tempo, mas não lhe é permitido. A própria esposa vai lá tentar convencê-lo a regressar. Henrique acaba por voltar sozinho e a pé para fazer a festa que falta fazer, para viver a vida que é preciso viver. E para aceitar ser xamã?

O que é interessante neste filme que quase parece um documentário é ver como, apesar da contaminação por parte da ‘sociedade branca’, presente de várias maneiras (vernizes, flippers, rádio), a cultura índia luta para se manter neste tempo tão ameaçador e nos dá um testemunho daquilo que o Papa Francisco chama a ecologia integral. “Estando um em desequilíbrio, toda a comunidade está e esse é o princípio da ecologia. Daí que o desequilíbrio que Ihjãc sente por não conseguir fechar o luto pelo pai seja um problema que toda a comunidade se junta para ultrapassar” (Ípsilon, 8 de Março. Este suplemento do Público trouxe um belo dossier a propósito do filme, de como foi feito, e do que ele significa).

E termino com palavras dos realizadores, Renée Nader Messora e João Salaviza, o casal de cineastas que viveu em Aldeia Branca para fazer o filme: “É impossível não sentir uma enorme simpatia por um povo que, hoje, em 2019, num mundo que sabemos como está, não contribuiu nem para a pobreza, nem para a fome, nem para a miséria, nem para a destruição do planeta. Isto tem muito a ver com a construção da identidade e, se calhar, a ocidental precisa da anulação do outro. Vemos isso com os refugiados, os negros, os imigrantes. Enquanto a identidade dos povos ameríndios, pelo contrário, precisa de se alimentar do outro” (Ípsilon).

Não, não vamos ser todos índios, mas temos muito a aprender com eles. Por isso, Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortosé muito mais que um filme.

 

Manuel Mendes é padre católico e pároco de Matosinhos; o texto foi inicialmente publicado na revista Mensageiro de Santo António, de Janeiro de 2019.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Doentes de covid-19 mantêm “direito e acesso à assistência espiritual e religiosa” nos hospitais

A Coordenação Nacional das Capelanias Hospitalares emitiu um comunicado esta quarta-feira, dia 1, para esclarecer que “os capelães não estão impedidos de prestar assistência espiritual e religiosa”. Têm, isso sim, de cumprir “medidas de contingência existentes nos hospitais”, como todos os profissionais, por forma a minimizar os “riscos de contágio, quer dos capelães quer dos próprios doentes e dos profissionais”, sublinha o documento.

Cardeal Tagle propõe eliminar a dívida dos países pobres

O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, propôs a criação de um Jubileu especial em que os países ricos perdoem a dívida dos países pobres aos quais concederam empréstimos, de forma a que estes tenham condições para combater a pandemia de covid-19.

Oxfam pede “um Plano Marshall de Saúde” para o mundo

A Oxfam, ONG de luta contra a pobreza sediada no Quénia e presente em mais de 90 países, pediu esta segunda-feira, 30, “um plano de emergência para a saúde pública” com a mobilização de 160 biliões de dólares. Este valor permitiria duplicar os gastos com a saúde nos 85 países mais pobres, onde vive quase metade da população mundial.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Costurar máscaras cirúrgicas em vez de vestes litúrgicas, ou como combater a pandemia no convento

Costurar máscaras cirúrgicas em vez de vestes litúrgicas, ou como combater a pandemia no convento

À medida que a pandemia alastrava, a angústia crescia no pequeno mosteiro do sul de França onde vivem as Irmãs da Consolação do Sagrado Coração e da Santa Face. As 25 religiosas queriam fazer mais do que rezar. Diante da imagem de Nossa Senhora do Povo, que acreditam ter salvo a sua região da peste em 1524, pediram lhes fosse dada uma tarefa: queriam colaborar com a virgem no combate a esta nova pandemia. No dia seguinte, receberam uma chamada do bispo da diocese e outra do presidente da câmara: ambos lhes pediam para fabricar máscaras.

É notícia

Entre margens

Deus sem máscaras novidade

Assisti à cerimónia da consagração ao coração de Jesus e ao coração de Maria, proposta pelos bispos de Portugal, Espanha e outros países. Um ponto de partida para reflectir sobre oração e rito.

A ilusão do super-homem

As últimas semanas em Portugal, e há já antes noutros cantos do mundo, um ser, apenas visível a microscópio, mudou por completo as nossas vidas. Na altura em que julgávamos ter atingido o auge da evolução e desenvolvimento técnico e científico, surge um vírus.

Cultura e artes

Tagore: Em busca de Deus novidade

Rabindranath Tagore (1861-1941), Nobel de Literatura em 1913, é um grande poeta universal. Indiano, de família principesca, estudou Direito e Literatura, em Inglaterra, em 1877, não chegando a acabar o curso devido à secura do ensino superior ministrado. Tal como o seu amigo Gandhi, que sabia de cor e recitava todos os dias as Bem-aventuranças, foi atraído pelo cristianismo e

Editora francesa oferece “panfletos” sobre a crise

Sendo certo que as doações essenciais neste período de pandemia dizem respeito a tudo o que nos pode tratar da saúde física, não há razão para negligenciar outras dádivas. É o caso de uma das mais famosas editoras francesas, a Gallimard, que diariamente oferece textos que pretendem ser uma terceira via entre a solenidade da escrita de um livro e o anódino da informação de um ecrã.

Sete Partidas

A doença do coronavírus serve de desculpa para tudo? novidade

À boleia da pandemia que nos aflige, vejo coisas a acontecer que não podem deixar de me espantar, pela sua aberração e desfaçatez de quem as pratica. Em meados de fevereiro, em Mullaithivu, no norte do Sri Lanka, foi descoberta uma vala comum enquanto se procedia às escavações para as fundações duma extensão do Hospital de Mankulam. Segundo os médicos legistas, os restos mortais encontrados têm mais de 20 anos.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco