Amnistia Internacional

Cinco mil assinaturas em defesa dos direitos das mulheres afegãs

| 8 Mar 2022

Unama/Freshta Dunia

Mulheres afegãs. Foto: Unama/Freshta Dunia

 

A Amnistia Internacional – Portugal entregou junto do Governo portugês mais de cinco mil assinaturas a pedir a salvaguarda dos direitos das mulheres afegãs, para a implementação de programas e projetos de apoio aos direitos das mulheres no Afeganistão e ainda para que a comunidade internacional coopere com as mulheres defensoras de direitos humanos e ativistas do país. 

De acordo com um comunicado divulgado esta terça-feira, 8 de março, data em que se assinalou o Dia Internacional da Mulher, a organização de defesa dos direitos humanos quis, assim, “garantir que este dia 8 de março não fica pautado pelo silêncio”, “perante a violência contra mulheres e raparigas e as incessantes violações de direitos humanos que testemunhamos todos os dias”.

“Em 2021, as mulheres e raparigas continuam a enfrentar desafios contínuos no usufruto dos seus direitos. No Afeganistão, a sua liberdade de movimento e de expressão foram severamente repreendidas desde a tomada de poder pelos talibãs. Com exceção das que são profissionais de saúde e outros casos isolados, as mulheres foram impedidas de regressar ao seu trabalho, ou deslocar-se sem o acompanhamento de um mahram – um guardião masculino. É fundamental que a comunidade internacional mantenha o seu compromisso de apoio aos direitos das mulheres no Afeganistão”, afirmou Pedro A. Neto, diretor executivo da Amnistia Internacional – Portugal, citado no referido comunicado.

A organização, que participou na Marcha do Dia Internacional da Mulher, realizada esta terça-feira em Lisboa, entregou ainda 5.506 assinaturas recolhidas em Portugal. O respeito pelos direitos das mulheres e pela igualdade de género é preocupação constante e matéria de trabalho permanente da Amnistia Internacional, aponta o texto divulgado. 

Segundo a AI, “o ano de 2021 foi pautado por graves ataques contra as mulheres e raparigas em todo o mundo, com um aumento de ameaças, desmantelamento de proteções legais e riscos sem precedentes para as mulheres defensoras de direitos humanos”. E não faltam exemplos: “Perante o retrocesso dos direitos das mulheres no Afeganistão, a violência sexual generalizada no conflito da Etiópia, a retirada da Turquia da Convenção de Istambul, e tantas outras perigosas violações destes direitos, a Amnistia Internacional reitera a necessidade e a urgência de proteger os direitos de todas as mulheres, independentemente de onde vivam.”

Depois de dois anos marcados pela pandemia da covid-19, que “afetaram desproporcionalmente as mulheres e raparigas”, a Amnistia relembra a necessidade de assinalar este dia: a pandemia fez “aumentar os casos de violência doméstica e também a insegurança laboral, prejudicando o acesso [de mulheres] a serviços de saúde sexual e reprodutiva e diminuindo a sua presença nas escolas em alguns locais”.

“Em Portugal, o número das vítimas de violência doméstica permanece elevado e continua por atualizar a definição do crime de violação com base no consentimento, tal como determinado na Convenção do Conselho da Europa para a Prevenção e o Combate à Violência Contra as Mulheres e a Violência Doméstica, comumente conhecida como Convenção de Istambul, à qual Portugal está vinculado desde 1 de agosto de 2014”, justificou ainda Pedro A. Neto. 

 

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This