Cinema: À Porta da Eternidade

| 20 Jan 20

Van Gogh, Velho a sofrer (No limiar da eternidade)

 

O realizador Julian Schnabel alterou, com este filme, alguns mitos acerca de Vincent van Gogh, considerado um dos maiores pintores de todos os tempos. Os cenários, a fotografia e a iluminação do filme produzem uma aproximação visual às telas do pintor, no período em que van Gogh parte para Arles, no sul de França, em busca da luz, seguindo todo o seu percurso até à morte, aos 37 anos de idade.

A sua biografia e as 800 cartas que escreveu – a Theo, seu irmão, 652; o resto, a amigos – ajudam a apreciar a sua pintura, constituída por mais de duas mil obras.

Vincent van Gogh nasce numa família da burguesia holandesa, em 1853, cujas ocupações tradicionais eram as de pastor protestante e negociante de quadros. Vincent, desde jovem, inclina-se para ser um homem de Deus. Estuda, chumba duas vezes em Teologia, mas segue a via de pregador leigo. Estabelece-se junto de uma comunidade de mineiros e é muito bem acolhido pela população. Vive pobremente, como eles, quase despojado de tudo, o que não agrada aos dignitários religiosos, devido ao “excesso de zelo”.

Retoma outro rumo, mas Jesus Cristo continua a ser a personificação da sua visão do mundo, baseada no paradoxo do sofrimento redentor. Desenha, frequenta aulas e instituições de Arte. Frequenta os meios artísticos parisienses, mas não o atrai esse ambiente.

– “Pinto o Sol», responde ele a um companheiro, no Asilo de Saint-Rémy, na Provence. Mas é também aí, em liberdade, caminhando pelas planícies e escarpas rochosas, irradiadas de luz, que ele encontra a eternidade. A alegria mística dos pigmentos coloridos, em turbilhão nas telas; as formas retorcidas e em espiral, azuis e amarelos fundindo-se em visões oníricas, fealdade e beleza misturadas. Uma explosão, uma epifania pictórica. Estão ali impressos o coração e a sua alma: “Eu sou os meus quadros. Pinto para não pensar”: na criação, une-se a tudo, ao mundo, ao universo. “Num quadro, quero consolar, como uma música, homens e mulheres, com algo de eterno.”

Mas van Gogh é um visionário e por isso é incompreendido nos meios artísticos. Vendeu um só quadro, durante a sua vida. No ambiente estreito e provinciano, odeiam-no. A sua liberdade mete medo às mentalidades estreitas. O pintor Paul Gauguin vai ter com ele a Arles, mas logo surgem conflitos entre os dois. Nessa altura, Gaugin considera van Gogh um pintor menor e dá-lhe conselhos. Sente-se mal, naquele meio fechado e abandona van Gogh, que irrompe numa crise. É belíssimo, esse cenário: um antigo cemitério cheio de pedras tumulares, num tom azulado, quase branco. Vincent chora a partida do amigo. A angústia irrompe do corpo e da alma.

O seu irmão Theo é como um anjo protector que o acompanha. Embala-o suavemente, como uma criança. Ajuda-o monetariamente; soluciona as suas crises de angústia. Vincent parte depois para Anvers-sur-Oise, outro ponto da Provence e encontra um amigo no dr. Gachet, médico e amante de arte. Continua a pintar. Ele sabe que “a vida é para semear, a colheita não se faz aqui”. Escreve ao irmão: “Receio andar a causar-te muita ansiedade por ser um peso para ti.” Theo tem uma família para sustentar e o negócio não corre bem e comenta: “Será que tenho de viver sem pensar no dia de amanhã?”

Para van Gogh, comentam Ingo Walther e R. Metzger (in Van Gogh, Obra Completa de Pintura; ed. Tashen), “o preço da fama era a morte. O seu suicídio foi uma maneira de expressar o desejo de trabalhar em conjunto com o irmão”.

As últimas palavras do filme: “Deus, aceitas este filho?

 

À Porta da Eternidade, de Julian Schnabel

Título original: At Eternity’s Gate

Com: Willem Dafoe, Rupert Friend, Oscar Isaac.

EUA/GB/Irl/Fra; 2018; 111 min; disponível em DVD

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Anselmo Borges e a eutanásia: “Quem mata?”

“Se algum dia se avançasse por esta via da legalização da eutanásia, o Estado ficaria com mais uma obrigação: satisfazer o direito ao pedido da eutanásia e seria confrontado com esta pergunta terrível: quem mata?”, escreve Anselmo Borges, professor de filosofia e padre, na sua última crónica no Diário de Notícias.

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Maria e Marta – como compreender dois nomes num congresso mundial novidade

Foi nesse congresso que, pela primeira vez, tive a explicação relativa a dois nomes, Maria e Marta, cujo significado fiquei de procurar, desde 1983, ano no qual nasceram as minhas primas Maria e Marta. O facto é que, quando elas nasceram, o meu avô materno, impôs que fossem chamadas por esses nomes. Despertou-me curiosidade a insistência, uma vez que já as chamávamos por outros nomes.

Sempre mais sós (Debate Eutanásia)

Reli várias vezes o artigo de opinião de Nuno Caiado publicado no 7MARGENS. Aprendi alguns aspetos novos das questões que a descriminalização da eutanásia ativa envolve. Mas essa aprendizagem não me fez mudar de opinião. Ao contrário do autor, não creio que a questão central da eutanásia agora em discussão seja a do sofrimento do doente em situação terminal. A questão central é a da nossa resposta ao seu pedido para que o ajudemos a morrer.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco