Cinema: “Invisível herói” ganha prémio Árvore da Vida no IndieLisboa

| 12 Mai 19 | Cinema, televisão e média, Cultura e artes, Igreja Católica, Newsletter, Últimas

(Texto de Rui Jorge Martins/Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura)

Imagem do filme “Invisível Herói”, de Cristèle Alves Meira, vencedor do prémio Árvore da Vida no festival IndieLisboa 2019. Foto: Doreiros reservados

 

O filme Invisível Herói, da realizadora Cristèle Alves Meira, ganhou este sábado [11 de maio] o prémio Árvore da Vida, atribuído pelo Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, a uma obra selecionada para a Competição Nacional do festival de cinema IndieLisboa.

O júri destacou a «forma comovedora e corajosa como o protagonista concretiza a vida que pensou, sem abdicar da sua dimensão de sonho», mostrando «que é na procura que se dá o encontro com o outro, acompanhado pela dimensão musical da vida».

Resultado de uma produção luso-francesa de 2019, Invisível Herói (27 minutos) narra o percurso de Duarte, de 50 anos, invisual, que pelas ruas de Lisboa procura Leandro, um amigo cabo-verdiano desaparecido sem deixar rasto, a quem quer entregar uma música que compôs, refere a sinopse.

«Apesar do calor do verão de Lisboa, Duarte caminha quilómetros na sua vizinhança, mas ninguém parece tê-lo visto, nem se lembra dele. A sua busca acabará por levá-lo ao coração da noite e a revelar o seu segredo», assinala o texto de apresentação.

A «história de perseverança e disponibilidade, entre o facto e a ficção», interpretada por Duarte Pina e Lucília Raimundo, vai estar também presente na Semana da Crítica do prestigiado Festival de Cannes.

Nascida em 1983 em França, onde está agora em gravações, a luso-descendente Cristéle Alves Meira assinou dois documentários, Som & Morabeza (2010) e Nascido em Luanda (2013), ambos sobre a imigração, e duas curtas-metragens rodadas em Portugal, Sol Branco (2014) e Campo de Víboras (2016).

O prémio Árvore da Vida, de dois mil euros, concedido a um filme que privilegia valores espirituais e humanistas, a par das qualidades cinematográficas, teve este ano como jurados Inês Gil, cineasta e docente de Cinema, Inês Espada Vieira, professora e investigadora de Estudos de Cultura da Universidade Católica, e padre Vítor Gonçalves, referente da Pastoral da Cultura do Patriarcado de Lisboa.

O júri atribuiu também uma menção honrosa a A Minha Avó Trelototó, de Catarina Ruivo, «documentário com sabor a ficção, que aborda questões universais como a memória, o envelhecimento, as relações familiares, a partir de uma história profundamente pessoal», indica a declaração justificativa.

«Como filmar uma ausência? Este é um filme feito de muitos tempos e registos que constroem um universo onde cartas, fotografias, memórias e os vídeos de telemóvel dão corpo a um fantasma doce», lê-se no resumo da obra de 173 minutos, produzida em 2018 e interpretada por Rita Durão, Júlio Ruivo, Ausenda Vital, José Coelho e Graça Bastos, que conquistou igualmente o prémio Allianz para melhor longa metragem portuguesa.

Catarina Ruivo (n. 1971) assinou a montagem e argumento de vários filmes, tendo realizado Uma Cerveja no InvernoAndré Valente, Daqui P’rá Frente e Em Segunda Mão.

O anúncio dos distinguidos de todos os prémios do IndieLisboa decorreu na noite deste sábado, na Culturgest.

Artigos relacionados

Breves

Encontro de artistas portugueses com músicas do grupo Gen Verde

Um encontro de artistas de várias áreas, que sejam sensíveis às dimensões do Sagrado, da Beleza e do Bem Comum, está convocado para a tarde deste sábado, 18 de Maio, entre as 16h30 e as 18h, no Auditório da Igreja São Tomás de Aquino (Laranjeiras), em Lisboa.

Bolsonaro contestado por cortes na Educação

As ruas de mais de duas centenas de municípios em 26 estados brasileiros foram tomadas esta quarta-feira, 15 de maio, por manifestações que registaram a participação de centenas de milhares de estudantes e professores.

Televisão: Fátima vence Cristina

As cerimónias da peregrinação de 13 de maio a Fátima, transmitidas pela RTP1, conquistaram 381 mil espectadores, deixando o programa Cristina, da SIC, a grande distância (317 mil).

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Vemos, ouvimos e lemos…

O centenário de Sophia de Mello Breyner Andresen é especial, muito para além de mera comemoração. O exemplo de cidadania, de talento, de ligação natural entre a ética e estética é fundamental. De facto, estamos perante uma personalidade extraordinária que é lembrada como referência única, como um exemplo que fica, que persiste.

Europeias 2019: Não nos tires as tentações

Estamos em crise, sim. Que bom. Porque é tempo de escolher e definir caminhos. Ao que parece, a última braçada de bruços perdeu balanço e é a nossa vez de dar o próximo impulso. Com a liberdade de questionar o inquestionável, herdámos o peso da responsabilidade. Mas desde quando desligar o automático é mau?

Cultura e artes

Coro do Trinity College de Dublin em Lisboa para concerto e eucaristia

Neste sábado e domingo, 18 e 19 de Maio, Lisboa acolhe dois concertos do Coro da Capela do Trinity College de Dublin (Irlanda). Às 17 horas de sábado, o coro dará um concerto de música sacra na Sé de Lisboa; no domingo, participa na eucaristia dominical na Catedral Lusitana de S. Paulo em Lisboa (Comunhão Anglicana), com início às 11h00 (Rua das Janelas Verdes).

Teatro: À espera de um jogo de espelhos em Goga

Entra-se e estão as 23 personagens no palco. Em rigor, esse número inclui as personagens e os seus espelhos. Estão fixas, rígidas. São um quadro que se deve olhar, de modo a reparar em todos os pormenores. Porque está o corcunda Teobald de livro na mão? Porque há um homem e uma mulher com malas?

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

Uma criação musical para Quinta-Feira santa: O Senhor mostrou o poder do seu amor, de Rui Miguel Fernandes, SJ

Agenda

Mai
20
Seg
Conferências de Maio – “Os jovens chamados a transformar” – III – A justiça e a equidade, e a solidariedade entre as gerações @ Centro Nacional de Cultura
Mai 20@18:30_20:00

Participam Alice Vieira, escritora e jornalista; Carla Ganito, docente em Ciências da Comunicação na Universidade Católica Portuguesa; e Ana Barata; jovem licenciada em serviço social.

Mai
27
Seg
Conferências de Maio – “Os jovens chamados a transformar” – IV – “Os jovens descobrem Deus” @ Centro Nacional de Cultura
Mai 27@18:30_20:00

Participam Alfredo Teixeira, antropólogo e compositor, autor de Religião na Sociedade Portuguesa, Américo Aguiar, bispo auxiliar de Lisboa, e João Valério, arquitecto e músico.

Ver todas as datas

Fale connosco