Clara Bingemer, teóloga da mística de olhos abertos, no simpósio dos 50 anos da Faculdade de Teologia

| 5 Nov 19 | Cristianismo - Homepage, Cultura e artes, Igreja Católica, Newsletter, Últimas

Maria Clara Bingemer, numa recente apresentação em Espanha de um livro de sua autoria. Foto © ReligionDigital.

 

Há um mês, a teóloga brasileira Maria Clara Bingemer escrevia, no sítio digital Amai-vos, que dirige, a propósito da greve mundial pelo clima: “Em busca de um líder ao qual possam confiar seus desejos e reivindicações, [os jovens] encontrarão certamente o Papa Francisco que, em sua encíclica [Laudato Si’], apresenta ao mundo a urgência de uma conversão ecológica integral, a fim de que a criação de Deus e a vida que nela habita tenha futuro. A visão dos milhares de jovens e adolescentes manifestando e pedindo pelo planeta tinha a forma de uma grande liturgia. Ali está a utopia de sua geração, sua paixão, aquilo pelo qual estão dispostos a tudo. De seus corpos e bocas saía a expressão da verdade que denuncia a hipocrisia e a irresponsabilidade dos poderes destruidores da terra e da vida.”

Apresentando-se como carioca, mãe de três filhos e avó de quatro netos, Bingemer é professora de Teologia Fundamental na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Nesta quarta-feira, Mara Clara Bingemer estará no Porto, no centro regional da Universidade Católica, para falar sobre “Tendências teológicas na América Latina”.

Bingemer será um dos nomes que intervém no simpósio sobre “Teologia e Espaço Público”, que se inicia nesta terça-feira, 5 de Novembro, às 11h, e com o qual a Faculdade de Teologia (FT) da UCP assinala o fim das comemorações dos 50 anos da sua criação. A intervenção da teóloga brasileira é importante, tendo em conta o contexto actual, ainda mais quando acabou de se realizar o Sínodo dos Bispos sobre a Amazónia: fala-se de novas correntes da teologia da América Latina, recuperando muita da reflexão do II Concílio do Vaticano, das assembleias episcopais do continente e da Teologia da Libertação. A conferência decorre a partir das 9h30, no campus da Foz da UCP-Porto.

Casada desde 1969, Bingemer está em exclusivo na PUC-Rio desde 1982. Mas, antes de se dedicar à Teologia, formou-se em comunicação social e continua a colaborar regularmente com o Jornal do Brasil e outras publicações, além de dirigir o conteúdo e manter uma coluna no sítio digital Amai-vos.

“A Igreja na América Latina, que inventou o modelo das comunidades de base que fazia a teologia a partir da prática, foi dizimada, levou golpes muito duros e os seus mais ilustres representantes também”, dizia, em Abril de 2018, em entrevista ao Público.

Clara Bingemer tem três livros publicados em Portugal (todos na Paulinas): Viver como Crentes no Mundo em Mudança, Experiência de Deus na Contemporaneidade e Simone Weil. Neles identifica as crises contemporâneas – ética, cultural, religiosa – para dizer que é nesse contexto que “o cristianismo é chamado a encontrar e a compreender o seu rosto e a sua identidade”. Interessada no diálogo teológico com a modernidade, Bingemer propõe uma “mística de olhos abertos e ouvidos atentos ao ruído mundano” que encontre em expressões de vida como as de Simone Weil, Etty Hillesum ou Dorothy Day referências integradoras de realidades como o corpo, a estética, a atenção aos mais pobres, a espiritualidade, a sexualidade, o trabalho ou a amizade.

No simpósio da FT, intervêm ainda outros nomes importantes da Teologia contemporânea: terça, às 11h30, Julio Luis Martínez Martínez, reitor da Universidade Pontifícia Comillas (Madrid, Espanha), falará sobre “A pertinência pública do discurso teológico hoje”; e às 16h30 Lieven Boeve, da Faculdade de Teologia e Estudos Religiosos da Universidade Católica de Leuven (Lovaina flamenga) desenvolve o tema “A teologia no mundo universitário”.

Quarta, dia 6, às 15h, o tema do impacto da cultura (pós)secular na transformação do discurso teológico será desenvolvido por Pierangelo Sequeri, presidente do Instituto João Paulo II, de Roma. O programa completa-se com dois painéis temáticos sobre “A pluralidade das teologias” e “Caminhos da interdisciplinaridade”, cujos intervenientes podem ser conferidos no programa completo.

Artigos relacionados

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

Sophia chegou cedo. Tinha dez ou onze anos quando li O Cavaleiro da Dinamarca, cuja primeira edição data de 1964. É difícil explicar o que nos ensina cada livro que lemos. Se fechar os olhos, passados mais de 30 anos, recordo ainda que ali aprendi a condição de pe-regrino, uma qualquer deriva que não só nos conduz de Jerusalém a Veneza, como – mais profundamente – nos possibilita uma iniciação ao testemunho mudo das pedras de uma e às águas trémulas dos canais da outra, onde se refletem as leves colunas dos palácios cor-de-rosa.

Apoie o 7 Margens

Breves

Papa Francisco anuncia viagem ao Sudão do Sul em 2020

“Com a memória ainda viva do retiro espiritual para as autoridades do país, realizado no Vaticano em abril passado, desejo renovar o meu convite a todos os atores do processo político nacional para que procurem o que une e superem o que divide, em espírito de verdadeira fraternidade”, declarou o Papa Francisco, anunciando deste modo uma viagem ao Sudão do Sul no próximo ano.

Missionários constroem casa para cuidar e educar as vítimas do terramoto no Nepal

Mais de 400 crianças órfãs, pobres e com debilidades físicas vítimas do terramoto de 2015 no Nepal, residem hoje na casa de crianças Antyodaya em Parsa (centro do país). A casa, que foi construída em 13 de maio de 2017, tem o propósito “de alcançar as crianças mais desafortunadas das aldeias mais remotas, oferecendo-lhes educação e desenvolvimento pessoal”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

O regresso da eutanásia: humanidade e legalidade novidade

As Perguntas e Respostas sobre a Eutanásia, da Conferência Episcopal Portuguesa, foram resumidas num folheto sem data, distribuído há vários meses. Uma iniciativa muito positiva. Dele fiz cuidadosa leitura, cujas anotações aqui são desenvolvidas. O grande motivo da minha reflexão é verificar como é difícil, nomeadamente ao clero católico, ser fiel ao rigor “filosófico” da linguagem, mas fugindo ao «estilo eclesiástico» para saber explorar “linguagem franca”. Sobretudo quando o tema é conflituoso…

Manuela Silva e Sophia

Há coincidências de datas cuja ocorrência nos perturbam e nos sacodem o dia-a-dia do nosso viver. Foram assim os passados dias 6 e 7 do corrente mês de Novembro. A 6 celebrou-se o centenário do nascimento de Sophia e a 7 completava-se um mês sobre a partida para Deus da Manuela Silva.

O barulho não faz bem

Nos últimos tempos, por razões diversas, algumas conversas têm-se dirigido maioritariamente para o facto de se habitar na cidade, suas comodidades e seus incómodos.

Cultura e artes

Trazer Sophia para o espanto da luz

Concretizar a possibilidade de uma perspectiva não necessariamente ortodoxa sobre os “lugares da interrogação de Deus” na poesia, na arte e na literatura é a ideia principal do colóquio internacional Trazida ao Espanto da Luz, que decorre esta sexta e sábado, 8 e 9 de Novembro, no polo do Porto da Universidade Católica Portuguesa (UCP).

As mulheres grávidas e o olhar feminino sobre a crise dos refugiados

Uma nova luz sobre a história dos refugiados que chegam à Europa, evitando retratá-los como “heróis ou invasores”. Francesca Trianni, realizadora do documentário Paradise Without People (Paraíso sem pessoas, em Inglês), diz que o propósito do seu filme, a exibir nesta quinta-feira, 31 de outubro, em Lisboa, era mostrar a crise dos refugiados do ponto de vista feminino.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Parceiros

Fale connosco