Clarice há 50 anos

| 18 Jan 19 | Literatura e Poesia, Últimas

É uma experiência extraordinária, que ocorre no interior da igreja de Santa Teresinha, no Rio de Janeiro, aquela que Clarice Lispector relata no dia 18 de Janeiro de 1969 (faz hoje mesmo 50 anos) num texto publicado no Jornal do Brasil. É aí que a escritora decide procurar refúgio quando circulava de táxi. Manda-o parar e entra “na penumbra fresca da igreja”. Clarice Lispector sente, primeiro, o cheiro de flores sufocando-a brandamente. Depois: “Pouco a pouco meu tumulto interior foi se transformando numa resignação melancólica: eu dava minha alma em troca de nada.”

Repara nos santos, ao mesmo tempo esquece a sua dor. Sobre eles, escreve: “Todos tinham desistido de uma vida maior em prol de uma vida mais profunda e mais machucada. Todos não tinham ‘aproveitado’ da vida única que nós temos. Todos tinham sido tolos, no sentido mais puro da palavra. E todos haviam sido perpetuados para sempre, para o nosso coração sedento de misericórdia.” As reflexões conduzem-na a algumas perguntas, que a levam a uma observação: Santa Teresinha, com os pés cobertos de flores, deitada num caixão colocado no centro da nave principal.

Clarice Lispector olha com atenção sem conseguir identificar o material da imagem. Percebeu logo que não seria de porcelana. Admitiu que fosse de cera, mas descartou rapidamente a hipótese. Só tocando na santa, ficaria a saber de que era feita. Estando a igreja deserta, fez avançar a mão para resolver a dúvida. Fê-lo no mesmíssimo instante em que duas moças se encaminharam para o caixão. Deteve-se a tempo e escutou uma delas: “Afinal de contas quando é que vem todo o mundo para o enterro de vovó? Ela não pode ficar morando na igreja!”

O resto do texto narra a recomposição do susto – de um quase desmaio, quando percebeu que quase tocou numa pessoa morta – até à saída da igreja: “Na rua fiquei de pé muito tempo aspirando o cheiro que estar vivo tem. É uma mistura de carne, de corpo com gasolina, com vento de mar, com suor de axilas: o cheiro do que ainda não morreu.” Por fim, seguiu de táxi de novo.

O texto encontra-se em Todas as Crónicas, que colige a colaboração da escritora brasileira em jornais e revistas entre os anos 40 e 70 do século XX. O Jornal do Brasil é aquele em que Clarice Lispector mais publica. Fá-lo entre 1967 e 1973. Marina Colasanti, a secretária do Caderno B do Jornal do Brasil, escreve o prefácio da colectânea que serve para recordar os momentos em que recebia as crónicas da escritora, no início, pessoalmente, a seguir, por interposta pessoa. A recomendação de cuidado com os textos porque não havia deles cópia e a escritora pretendia reavê-los manteve-se invariável. Constante era também o pedido para que não lhe tocassem nas vírgulas. Marina Colasanti recorda o que, em diversas ocasiões, lhe dissera Clarice Lispector: “Minha pontuação é a minha respiração.”

Todas as Crónicas foi editado no passado mês de Dezembro pela Relógio d’Água, que publicara já Todos os Contos (2016), além de várias outras obras de Clarice Lispector.

Os primeiros textos de imprensa da escritora datam de 1946 e foram publicados em O Jornal. Os derradeiros encontram-se em Última Hora e são datados de 1977.

 

Clarice Lispector – Todas as Crónicas

Prefácio de Marina Colasanti, organização e prefácio de Pedro Karp Vasquez, pesquisa textual de Larissa Vaz.

Lisboa: Relógio d’Água, 2018

Breves

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Cultura e artes

Sophia lida pelos mais novos (5) – A Árvore

Uma árvore de que as pessoas gostam, que se transforma em sombra demasiada, que é cortada e partilhada, que se transforma em memória e cantiga, num barco grande ou em cerejeiras… A Árvore, um dos contos infantis de Sophia de Mello Breyner, é hoje aqui recontada com textos e ilustrações de alunos do 4º ano, turma C, da Escola Básica Bom Pastor (Porto). 

Como a luz de Lisboa fez a foto de Greta na capa da “Time”

Greta Thunberg, a jovem activista sueca que tem mobilizado milhões de pessoas em todo o mundo contra as alterações climáticas, foi a personalidade do ano escolhida pela Time. À notícia, conhecida nesta quarta-feira, 11 de Dezembro, acrescenta-se o pormenor de que a foto da capa, realizada pela russa Evgenia Arbugaeva, foi feita na costa atlântica entre Lisboa e Cascais.

Sophia lida pelos mais novos (5) – A Árvore

Uma árvore de que as pessoas gostam, que se transforma em sombra demasiada, que é cortada e partilhada, que se transforma em memória e cantiga, num barco grande ou em cerejeiras… A Árvore, um dos contos infantis de Sophia de Mello Breyner, é hoje aqui recontada com textos e ilustrações de alunos do 4º ano, turma C, da Escola Básica Bom Pastor (Porto). 

Pessoas

Abiy Ahmed Ali, o Nobel da Paz para um cristão pentecostal

Abiy Ahmed Ali, o Nobel da Paz para um cristão pentecostal

O primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed Ali, receberá nesta terça-feira o Nobel da Paz de 2019, numa cerimónia em Oslo. O Comité Nobel não o disse, mas várias das atitudes e propostas do mais jovem líder da África, com 43 anos, radicam na sua fé cristã de matriz pentecostal.

Sete Partidas

Dos imigrantes europeus ao P. Joaquim Alves Correia, uma universidade nos EUA

A história desta Universidade americana faz-nos recuar ao fim do século XIX. Nada melhor que percorrer o seu vastíssimo campus para saber quando tudo começou. Uma enorme placa à entrada da Reitoria explica que foi fundada pelos Missionários do Espírito Santo em 1878, incorporada no Pittsburg Catholic College em 1882 e chamada ‘Duquesne University’ em 1911. A poucos metros, mesmo na entrada da Igreja da Universidade, está a estátua do seu fundador: o padre Joseph Strub, missionário alemão.

Visto e Ouvido

Agenda

Dez
16
Seg
Cristianismo e islão: as possibilidades do diálogo – Conversa com o padre Joaquim Cerqueira Gonçalves, OFM @ Biblioteca Vítor de Sá (Sala Bib.2.7) - Universidade Lusófona
Dez 16@18:00_19:30

Encontro a pretexto dos 800 anos do encontro entre São Francisco de Assis e o Sultão Al-Kamil (1219-2019)

Dez
18
Qua
Inauguração do Memorial evocativo de Sophia de Mello Breyner Andresen, com azulejos de Menez @ Estação Marítima de Belém
Dez 18@12:00_13:00
Jan
3
Sex
Conferência sobre frei Agostinho da Cruz (1540 – 1619), pelo cardeal José Tolentino Mendonça @ Salão Nobre da Câmara Municipal de Setúbal
Jan 3@16:30_17:30

Ver todas as datas

Entre margens

Porque quererá alguém estudar teologia?

O livro que estamos aqui a apresentar comemora os 50 anos de uma Faculdade de Teologia, e da única que existe em Portugal. Quando li o livro achei que era uma óptima oportunidade para tornar explícitas várias perguntas. São perguntas que me parecem importantes, nomeadamente: para que serve estudar teologia? E, o que é exactamente estudar teologia? Não é preciso ser-se professor de teologia para achar estas perguntas difíceis, e aproveitar e agradecer a oportunidade de lhes tentar responder em público.

O terror nazi: “Todos devem saber tudo”

Uma notícia que li esta semana no Der Spiegel descreve cenas de puro horror. Mas o mundo não pode esquecer o que aconteceu há 75 anos num dos países mais evoluídos do mundo. Temos de saber, temos de estar bem conscientes daquilo de que podemos ser capazes quando atribuímos a pessoas de certos grupos categorias que lhes sonegam a dignidade dos humanos.

Teocracia? Não, obrigado!

Ainda estamos a tempo de aprender que nenhuma teocracia é melhor do que a outra. Não importa se é islâmica, judaica, cristã ou outra qualquer. Definitivamente, não.

Fale connosco