Clarice Lispector e Deus

| 8 Mar 19

Clarice Lispector, numa imagem captada do ecrã, durante a sua última entrevista, à TV Cultura, do Brasil, em Janeiro de 1977, meses antes de morrer

Clarice Lispector, grande escritora brasileira, nascida de uma família que teve de abandonar a Ucrânia devido às perseguições aos judeus, é considerada uma das grandes escritoras do século XX, a maior escritora judia depois de Kafka.

Escreve o seu primeiro livro, “Perto do Coração Selvagem”, aos 24 anos. Para ela “escrever é uma indagação”. Não a podemos confinar a um único género literário, “não caibo em nenhum género”, afirma ela, mas tem consciência da importância da sua escrita: “Eu já nasci incumbida!” e afirmava: “Eu quero atingir o mais íntimo segredo daquilo que existe. Estou em plena comunhão com o mundo” (…) “O milagre é a simplicidade última de existir”. Confrontamo-nos aqui com a profunda espiritualidade de Clarice.

A sua obra tem carácter universal, carregada de complexidade, numa escrita “no feminino”. Escreve sobre o trivial, o quotidiano, levando a descrição de um determinado momento ao detalhe: a barata; o ovo a ser estrelado; o saco de compras. Clarice não olha. Contempla. É “a epifania das personagens comuns em momentos do quotidiano”, segundo um dos seus críticos. Tinha uma vocação solar: “Vamos não morrer como desafio?”, afirmou.

A sua relação com Deus é complexa e contraditória. Clarice era uma inquieta de Deus: “Sou um objeto querido por Deus. E isso me faz nascerem flores no peito (…) É por isso que me dou à morte todos os dias. Morro e renasço”.  A forma como escreve, a atenção ao quotidiano, o sentido de contemplação tornam-na uma mística: a procura de Deus estava no cerne da sua existência. “A escrita humanizou-me”, dizia.

Clarice vai dando visibilidade a um outro mundo possível. Afirma a escritora e ativista brasileira Rosiska Darcy de Oliveira: “A vida não enganava Clarice: por baixo dos factos, do enredo, borbulha a matéria misteriosa de que é feita a existência e é ela que emerge fulgurante em sua literatura vinda de atrás do pensamento”.

Para Clarice, escrever “é uma maldição… que salva”. “Eu escrevo como se fosse para salvar a vida de alguém. Provavelmente a minha própria vida. Viver é uma espécie de loucura que a morte faz. Vivam os mortos porque neles vivemos”… Define Deus como “uma coisa que se respira”. Por outro lado, mais adiante, exprime a sua inquietação: “Eu não tenho fé em Deus. A sorte é às vezes não ter fé. Pois assim poderá ter a Grande Surpresa dos que não esperam milagres”.

O movimento da sua vida “enquanto escritora e enquanto mística é em direção a Deus”, afirma o seu biógrafo, Benjamim Moser. Clarice afirma, no final da sua vida: “Eu não sou senão um estado potencial, sentindo que há em mim água fresca, mas sem descobrir onde é a sua fonte”. A Fonte que é Deus, sempre num além inominável.

Já muito doente – morreu prematuramente com um cancro aos 56 anos de idade – escreve na sua caligrafia já trémula: “Eu sei que Deus existe”. E adiante: “Quando acabardes este livro chorai por mim mais um aleluia (…) No entanto eu já estou no futuro”.

Este último desejo – “Eu quero simplesmente isto: o impossível. Ver Deus! ouço o barulho do vento nas folhas e respondo: sim!” – lembra que Clarice buscou um “Deus caminhando na brisa da tarde” do livro do Génesis.

A mística busca do transcendente coloca Clarice Lispector perto  do Castelo Interior de Teresa de Ávila. O desejo da fusão. Até sempre, Clarice, no futuro!

Teresa Vasconcelos é professora do ensino superior e membro do Movimento Graal de mulheres católicas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Artigos relacionados

Breves

Boas notícias

Clubes Terra Justa: a cidadania não se confinou

Clubes Terra Justa: a cidadania não se confinou

Durante esta semana, estudantes e movimento associativo de Fafe debatem o impacto do confinamento na cidadania e na justiça. A Semana Online dos Clubes Terra Justa é assinalada em conferências, trabalhos e exposições, com transmissão exclusiva pela internet. Entre as várias iniciativas, contam-se as conversas com alunos do 7º ao 12º ano, constituídos como Clubes Terra Justa dos vários agrupamentos de escolas de Fafe.

É notícia 

Entre margens

De joelhos os grandes sistemas económicos novidade

Mas – dizem –, se existem catástrofes na economia motivada por um vírus exponencial, a “mão humana” lá está para dar alento a esta tempestade. E essa tem um “confinamento” suave, porque quem sofre são os trabalhadores mais vulneráveis, os informais, os pobres, as mulheres, as pessoas de cor, os migrantes e os refugiados. A violência doméstica aumenta, os direitos humanos são atrofiados e a indústria privada farmacêutica e o seu sistema de patentes é orientada para lucros inconcebíveis, em que a defesa da dignidade das mulheres e dos homens é colocada em causa.

O poder tende a corromper e o poder absoluto corrompe absolutamente novidade

Presumir a virtude do sujeito que detém o poder é, para além de naïf, algo injusto. Expor qualquer pessoa à possibilidade do poder sem limites (ainda que entendido como serviço) é deixá-la desamparada nas múltiplas decisões que tem de tomar com repercussões não só em si mesma, mas igualmente em terceiros. E também, obviamente, muito mais vulnerável para ceder a pressões, incluindo as da sua própria fragilidade.

Economista social ou socioeconomista?

Em 2014, a revista Povos e Culturas, da Universidade Católica Portuguesa, dedicou um número especial a “Os católicos e o 25 de Abril”. Entre os vários testemunhos figura um que intitulei: “25 de Abril: Católicos nas contingências do pleno emprego”. No artigo consideram-se especialmente o dr. João Pereira de Moura e outros profissionais dos organismos por ele dirigidos; o realce do “pleno emprego”, quantitativo e qualitativo, resulta do facto de este constituir um dos grandes objetivos que os unia.

Cultura e artes

Teologia bela, à escuta do Humano novidade

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Arte, literatura e renovação cristã

Se falo de um renovador da arte a partir de uma perspetiva cristã, devo recordar o exemplo de Graham Greene (que o arquiteto João de Almeida bem conhecia e admirava). E dou o exemplo de Monsignor Quixote (1982, tradução portuguesa: Europa-América, 1984), o relato de uma viagem à Espanha pós-franquista, num tempo de diálogo com o comunismo e de renovação do catolicismo pós-conciliar.

Aos 101 números, “Le Monde des Religions” deixa de se editar em papel

“Nas nossas sociedades em que o religioso é constantemente tema de debate, em que a busca de sentido se torna cada dia mais premente, Le Monde des Religions propõe uma descodificação das religiões, espiritualidades e sabedorias da humanidade, numa abordagem laica e não confessional”. A constância e a premência referidos no início do texto agora em destaque no site da revista francesa poderiam indiciar um reforço do trabalho editorial, mas na realidade anunciam apenas o fim da publicação da revista em papel.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Fale connosco