Momento da mudança considerado inoportuno

Clero de Setúbal critica núncio por recear demora na substituição do bispo

| 23 Fev 2022

Bispo de Setúbal. José Ornelas.

D. José Ornelas tomará posse como bispo de Leiria-Fátima a 13 de Março. Foto Paulo Rocha/Agência Ecclesia.

 

Descontentamento e desagrado pela saída, receio em relação ao tempo que pode demorar a substituição com críticas ao núncio apostólico em Lisboa, sentimento de orfandade. Em Setúbal, o clima entre o clero e laicado católico da diocese é de desmoralização pela saída de D. José Ornelas, que foi nomeado como novo bispo de Leiria-Fátima, onde tomará posse no próximo dia 13 de Março.

“Quando um bispo deixa a diocese, ela fica sempre órfã, mas desta vez sentimos isso mais”, diz ao 7MARGENS o padre Casimiro Henriques, pároco de São Sebastião (Setúbal) e membro do Conselho Presbiteral. O também director da Comissão Diocesana de Arte Sacra diz que o descontentamento nasce do facto de um bispo que estava na diocese há sete anos e que tinha iniciado vários processos de reforma estar agora a chegar ao momento em que iria pôr em prática esses projectos. “Se calhar estávamos mal habituados, com os bispos anteriores, que trabalharam 14, 15 anos na diocese…”

O mesmo responsável, que é também assistente regional do Corpo Nacional de Escutas, confessa que o ambiente é comum entre vários padres e outros católicos da diocese: “O desagrado é notório, é óbvio que a diocese não esperava isto, ainda por cima porque este não era o tempo mais indicado: a Jornada Mundial da Juventude [JMJ] vem aí, está a decorrer o sínodo” convocado pelo Papa para toda a Igreja Católica. “E temos um grande receio: se o processo de substituição demora muito, tudo será mais difícil sem um bispo para liderar a estrutura.”

publicação facebook padre francisco mendes setubal

Na publicação na sua página no Facebook, Francisco Mendes, pároco da Charneca de Caparica, referia a importância de rezar para que o novo bispo seja nomeado “depressa”.

Os padres e leigos católicos ouvidos coincidem em chamar a atenção sobretudo para duas questões críticas: a oportunidade e o receio da demora na substituição.

Numa publicação na sua página no Facebook, dia 28 de Janeiro, Francisco Mendes, pároco da Charneca de Caparica, referia exactamente essas duas questões, dizendo que é importante rezar para que o novo bispo seja nomeado “depressa”. E justificava, aludindo implicitamente aos casos de Viana e Braga: “A quarta diocese do país não devia estar sem pastor os meses que infelizmente as outras que vagaram têm estado. Nenhuma deveria estar, mas esta então, pela sua dimensão e às portas das Jornadas Mundiais da Juventude, muito menos! Peçamos a Deus que – por uma vez que seja – o Núncio Apostólico, responsável pela dinamização destes procedimentos, seja célere.” Num dos comentários visíveis na página, o padre João Aguiar Campos, de Braga, ex-presidente da Rádio Renascença, escreveu: “Na minha modesta opinião, eis um texto justo, franco, e com a coragem de ver corvos e urgir decisões.”

Dois dias depois da publicação, na homilia da missa paroquial de 30 de Janeiro, Francisco Mendes repetiu as alusões e críticas ao tempo de espera para nomear novos bispos. “Disse meio a brincar que, conhecendo o procedimento do núncio, lá para o Natal, com muita sorte, haveria novo bispo”, afirma agora ao 7MARGENS, confirmando o que paroquianos seus também tinham testemunhado. Aliás, outros dois leigos católicos, que preferem não se identificar, também manifestam o mesmo descontentamento com o momento da saída e a forma como ela se processou.

“Todos aceitamos uma saída de um bispo, se é para o bem da Igreja”, diz o padre Francisco Mendes. “Mas pessoalmente, e a outros colegas que conheço e com quem falo, isto deixa-nos apreensivos: podemos ter um tempo largo sem bispo, dado o facto de o núncio ser pouco diligente na agilização das normas canónicas”, explica. O núncio, actualmente Ivo Scapolo, é o responsável por preparar os processos e sugerir nomes para bispos, que depois são escolhidos no Vaticano.

 

“Setúbal é o quê?”
se de setubal foto diocese de setubal

Sé de Setúbal. A saída do bispo nas vésperas da JMJ e a meio do processo sinodal deixou muitos párocos e leigos apreensivos. Foto © Diocese de Setúbal.

 

Francisco Mendes reitera a sua opinião sobre o momento escolhido para a saída do bispo Ornelas: “Estamos à beira da JMJ e no meio de um processo sinodal, que agora fica interrompido. Qual é a instância sinodal que se dinamiza sem ser à volta do bispo? Além de que estava também convocado um sínodo diocesano que vai ter de esperar…” E acrescenta: “Roma anda muito preocupada e fala muito de periferias, Setúbal é o quê?”

Sobre o futuro próximo, diz que o preocupa “mesmo muito a demora exacerbada na substituição” que teve de se fazer em Viana do Castelo e Braga. E “não se percebe porque é que ainda não há bispo” para Angra do Heroísmo, de onde João Lavrador foi nomeado para Viana. Com três dioceses agora à espera – Angra, Bragança, de onde o seu titular saiu para Braga, e agora Setúbal. “Vamos ver se há expediente para despachar as coisas.”

A saída do bispo José Ornelas também “foi surpresa” para o padre Rui Gouveia, reitor do seminário de Almada, que apresenta argumentos semelhantes aos dos seus colegas: “Houve um projecto que foi desenvolvido e que agora começava a dar frutos”. Por outro lado, “estando à beira da JMJ, e como ninguém preparou uma jornada, era importante ter um bispo” para coordenar esse trabalho.

O reitor acrescenta que uma diocese jovem como Setúbal – foi criada em 1975 – “não tem estruturas” para poder viver sem bispo e sem as decisões que só ele pode tomar. “O trabalho que foi feito nos últimos anos fica em suspenso”, acrescenta, citando como exemplos o lançamento do diaconato permanente e a Fundação D. Manuel Martins. “Não faço ideia de quanto tempo o processo pode demorar…”

O padre Casimiro Henriques acrescenta que a “crítica” que faz é também à “morosidade: demora-se demais a nomear um bispo”. E desabafa: “Estamos todos atolados em trabalho e não é desejável estarmos meses sem bispo, isso equivale a trair o espírito dos documentos do Concílio Vaticano II”.

A esperança do padre Casimiro? “Que a Igreja de Setúbal não tenha de aguardar muito tempo pelo novo bispo. O sentimento é mesmo este: estamos órfãos. Vamos ver por quanto tempo…”

 

 

Vai nascer uma “Aldeia da Esperança” nos Açores, inspirada em Taizé

Proposta pelo Conselho Pastoral Diocesano

Vai nascer uma “Aldeia da Esperança” nos Açores, inspirada em Taizé novidade

“Organizar uma `Aldeia da Esperança´, dirigida aos jovens, em formato de acampamento, seguindo o modelo de Taizé, a decorrer no verão, de preferência na ilha de São Jorge, no Santuário do Senhor Santo Cristo da Caldeira”: esta é uma das várias propostas feitas pelo Conselho Pastoral Diocesano de Angra – reunido em Ponta Delgada entre os dias 8 e 10 de junho – que irá passar do papel à prática.

Lembrar Aristides de Sousa Mendes, “seguir a voz da consciência” e também hoje “salvar vidas”

Comissão Justiça e Paz de Braga

Lembrar Aristides de Sousa Mendes, “seguir a voz da consciência” e também hoje “salvar vidas” novidade

A Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de Braga associa-se à comemoração do Dia da Consciência – que se celebra anualmente a 17 de junho em homenagem a Aristides de Sousa Mendes – através de uma mensagem que assinala a importância de, tal como fez o cônsul de Portugal em Bordéus no século passado, “seguir a voz da consciência” e assim contribuir, no tempo presente, para “salvar vidas”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Jornalista Zhang Zhan foi libertada pelas autoridades chinesas

Após quatro anos de detenção

Jornalista Zhang Zhan foi libertada pelas autoridades chinesas novidade

Após quatro anos de detenção, a jornalista Zhang Zhan foi libertada pelas autoridades chinesas. Numa mensagem divulgada esta terça-feira, 11 de junho, a Amnistia Internacional apela às autoridades chinesas que garantam que Zhang Zhan seja autorizada a circular livremente e a comunicar com pessoas dentro e fora da China, e ainda que ela e a sua família não fiquem sujeitas a vigilância ou assédio, devendo ter pleno acesso a tratamento médico após a sua experiência traumática.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This