Clubes Terra Justa: a cidadania não se confinou

| 24 Jun 20

Fafe. Terra Justa. Encontro 2016. Refugiados

Um teatro de rua sobre o tema dis refugiados no Encontro Terra Justa de 2016, em Fafe. Foto © Manuel Meira

 

Numa das conversas, um estudante do 12º ano diz que conseguiu atenuar as distâncias com recurso às ferramentas digitais. Mas reconhece, agora mais do que nunca, que “o cara-a-cara faz-nos falta”. Outra, mais nova, do 7º ano, conta que perdeu a vontade de tocar guitarra, porque a música “não é para ficar entre as quatro paredes” do seu quarto. Mas também há quem tenha experimentado, pela primeira vez, o gosto pela culinária.

 

Durante esta semana, estudantes e movimento associativo de Fafe debatem o impacto do confinamento na cidadania e na justiça. A Semana Online dos Clubes Terra Justa é assinalada em conferências, trabalhos e exposições, com transmissão exclusiva pela internet. Entre as várias iniciativas, contam-se as conversas com alunos do 7º ao 12º ano, constituídos como Clubes Terra Justa dos vários agrupamentos de escolas de Fafe.

A distância física dos amigos, a falta da escola, da prática desportiva ou de atividades lúdicas como a música, são as referências negativas apontadas pelos jovens, que realçam, como aspeto positivo, a possibilidade que tiveram de experimentar outras atividades mais domésticas e necessariamente criativas para atenuar o isolamento, como a leitura, a atenção à informação jornalística na televisão ou a confraternização familiar. E contam episódios com irmãos e pais que traduzem como que a própria redescoberta.

 

Revelam-se “sem medos” e com “vitalidade”, diz o jornalista Joaquim Franco, um dos dinamizadores dos Clubes Terra Justa. “Para estes jovens, o tempo confinado não foi um tempo perdido, mas de oportunidades, descobertas e revisões.”

 

Numa outra conversa, os jovens foram desafiados a propor uma palavra para definir a fase de desconfinamento. Desafio, receio, aflição, esperança, liberdade, saudade, medo, reviver, solitário, insegurança, confusão, novidade, recomeço, nervosismo, curiosidade e tempo, foram as palavras selecionadas. “Quase fazemos um tratado de filosofia para os dias que estamos a viver”, sugere Paulo Mendes Pinto, professor de Ciência das Religiões na Universidade Lusófona. E os jovens revelam mesmo que a sua cidadania não se confinou e traduzem antes uma “grande preocupação com os sinais de desleixo e irresponsabilidade” na atual fase de retoma.

Num ensaio de escrita partilhada, uma das turmas do ensino secundário constituída como Clube Terra Justa, lançou nesta semana um livro eletrónico com o título A saga de um vírus que pintou o mundo a preto e branco.

Noutra proposta de debate, juntaram-se quatro profissionais da imagem de Fafe, que retrataram e filmaram a cidade vazia e confinada. Ivo Borges, fotojornalista, apresentou cinco fotos sobre o drama da morte “à distância”, num trabalho que considerou quase um “ato de clandestinidade”, como referência ao que sentiu enquanto acompanhava funerais sem familiares, ruas vazias de gente e os “heróis anónimos” que nunca pararam, como bombeiros ou profissionais dos lares.

 

Organizado desde 2015 em abril de cada ano, o Terra Justa – Encontro Internacional de Causas e Valores da Humanidade viu a edição deste ano cancelada por causa da covid-19, mas os Clubes Terra Justa, que estavam já em fase adiantada de elaboração dos projetos para participarem ativamente no encontro, não pararam e adaptaram o trabalho ao formato digital. É esse trabalho que apresentam ao longo desta semana, na expectativa da participação presencial no Terra Justa, que, assegura a autarquia, se realizará logo que estejam reunidas as adequadas condições sanitárias e de segurança para a respetiva logística.

Com o empenho de professores(as) e animadores associativos, acolhem e relatam as respetivas atividades. A intervenção dos clubes é diária, com conteúdos gravados ou em direto, difundidos na página dos Clubes Terra Justa na rede social Facebook, na Fafe TV e na página da Câmara Municipal de Fafe.

Os Clubes Terra Justa resultam de um protocolo, assinado durante o Terra Justa 2019, entre a Câmara Municipal de Fafe e a área de Ciência das Religiões da Universidade Lusófona, integrando escolas e associações locais, como a Cruz Vermelha, o Rotary Clube, a Igreja Católica ou a Igreja Evangélica, para reforçar o dinamismo do Encontro Internacional. O 7MARGENS foi um dos média parceiros da edição 2019 do Terra Justa.

 

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

Pode parecer estranho, mas é verdade: muitas pessoas na Alemanha, em particular as mais jovens, nunca conheceram judeus, a não ser pelos livros de História. Para aumentar a exposição e o contacto com esta comunidade, que atualmente corresponde a menos de 0,2% da população daquele país, o Conselho Central de Judeus lançou o projeto “Conhece um Judeu”, que vai apresentar judeus a não judeus e pô-los a conversar.

É notícia

Entre margens

De joelhos os grandes sistemas económicos novidade

Mas – dizem –, se existem catástrofes na economia motivada por um vírus exponencial, a “mão humana” lá está para dar alento a esta tempestade. E essa tem um “confinamento” suave, porque quem sofre são os trabalhadores mais vulneráveis, os informais, os pobres, as mulheres, as pessoas de cor, os migrantes e os refugiados. A violência doméstica aumenta, os direitos humanos são atrofiados e a indústria privada farmacêutica e o seu sistema de patentes é orientada para lucros inconcebíveis, em que a defesa da dignidade das mulheres e dos homens é colocada em causa.

O poder tende a corromper e o poder absoluto corrompe absolutamente

Presumir a virtude do sujeito que detém o poder é, para além de naïf, algo injusto. Expor qualquer pessoa à possibilidade do poder sem limites (ainda que entendido como serviço) é deixá-la desamparada nas múltiplas decisões que tem de tomar com repercussões não só em si mesma, mas igualmente em terceiros. E também, obviamente, muito mais vulnerável para ceder a pressões, incluindo as da sua própria fragilidade.

Economista social ou socioeconomista?

Em 2014, a revista Povos e Culturas, da Universidade Católica Portuguesa, dedicou um número especial a “Os católicos e o 25 de Abril”. Entre os vários testemunhos figura um que intitulei: “25 de Abril: Católicos nas contingências do pleno emprego”. No artigo consideram-se especialmente o dr. João Pereira de Moura e outros profissionais dos organismos por ele dirigidos; o realce do “pleno emprego”, quantitativo e qualitativo, resulta do facto de este constituir um dos grandes objetivos que os unia.

Cultura e artes

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir” novidade

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Teologia bela, à escuta do Humano novidade

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Morreu João de Almeida, renovador da arquitectura religiosa em Portugal

Em Maio de 2015, manifestava-se, em entrevista ao Expresso um homem “cem por cento contente com a vida”. O arquitecto e pintor João de Almeida, fundador do Movimento de Renovação da Arte Religiosa (MRAR) morreu na segunda-feira, em Lisboa, aos 92 anos. O seu funeral e cremação será esta quarta, 24 de Junho, às 17h, no cemitério do Alto de São João.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco