Combate às alterações climáticas será inútil sem desenvolvimento dos pobres, alerta OCDE

| 27 Set 19

A estátua da liberdade transformada em “estátua da poluição” pedindo “Fim do crime climático”: os pobres vão ficar para aumentar se não se pensar neles, avisa a OCDE. Foto © Leonhard Lenz/Wikimedia Commons

 

“O combate às alterações climáticas será inútil sem investimento no desenvolvimento dos países mais pobres,” avisa a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), num relatório apresentado durante a Cimeira do Clima, que decorreu esta semana nas Nações Unidas.

No documento, a organização avisa ainda para a possibilidade de, em 2030, haver mais de 100 milhões de novos pobres em todo o mundo. Para se conseguir limitar a temperatura global a 1,5 graus (comparando com a da era pré-industrial), será necessário investir “sete mil milhões de dólares, dois terços dos quais são precisos para os países em desenvolvimento”, conforme afirmou Jorge Moreira da Silva, diretor-geral de Desenvolvimento e Cooperação da OCDE, em declarações à Lusa, citadas no Expresso.

Moreira da Silva acrescentou que “por maior que seja a ambição dos países mais ricos com as metas para a redução do aquecimento global, não será possível combater as alterações climáticas sem dar atenção aos países em desenvolvimento.”

O documento da OCDE foi apresentado terça-feira, 24, em Nova Iorque, e pretende colocar no mesmo patamar o desenvolvimento e ação climática na mesma frente. As duas áreas não podem continuar em “caixas separadas”, disse o ex-ministro português do Ambiente e Energia, que tutelou essas pastas no anterior Governo.

Há um desfasamento entre políticas públicas e ambição climática, acrescentou Moreira da Silva. Como exemplo disso, citou: “Só 20% dos 150 mil milhões de dólares de ajuda anual aos países em desenvolvimento é que têm uma avaliação do seu impacto nas alterações climáticas.”

 

Menos glaciares

Um outro relatório divulgado na quarta-feira, 25 de setembro, do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC) da ONU, prevê um cenário de consequências dramáticas para o planeta: mais inundações costeiras, mais tempestades tropicais, menos biodiversidade, menos glaciares e milhões de pessoas que vivem em regiões costeiras a ficar em risco.

Este é o primeiro documento do IPCC dedicado apenas aos oceanos e às partes geladas do planeta. Os mares ficarão doentes, afetando toda a vida na Terra, conclui o relatório, que prevê ainda “eventos extremos de subida do mar que são historicamente raros”, pois acontecem uma vez por século no passado recente. Estes começarão a acontecer cada vez com mais regularidade, “pelo menos uma vez por ano” a partir de 2050, afetando mais as regiões tropicais, de acordo com o documento, resumido pelo jornal Público.

De acordo com estas previsões, Portugal está também entre as regiões potencialmente afetadas, sobretudo quando se registam marés altas e tempestades intensas.

Não se ficando pelo diagnóstico, o IPCC alerta que as respostas a estas previsões parecem simples: reduzir de vez as emissões de dióxido de carbono e adaptar as regiões à profecia que se vai cumprindo dia após dia; ou lidar com algumas consequências irreversíveis.

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Clubes Terra Justa: a cidadania não se confinou

Clubes Terra Justa: a cidadania não se confinou

Durante esta semana, estudantes e movimento associativo de Fafe debatem o impacto do confinamento na cidadania e na justiça. A Semana Online dos Clubes Terra Justa é assinalada em conferências, trabalhos e exposições, com transmissão exclusiva pela internet. Entre as várias iniciativas, contam-se as conversas com alunos do 7º ao 12º ano, constituídos como Clubes Terra Justa dos vários agrupamentos de escolas de Fafe.

É notícia

Entre margens

De joelhos os grandes sistemas económicos novidade

Mas – dizem –, se existem catástrofes na economia motivada por um vírus exponencial, a “mão humana” lá está para dar alento a esta tempestade. E essa tem um “confinamento” suave, porque quem sofre são os trabalhadores mais vulneráveis, os informais, os pobres, as mulheres, as pessoas de cor, os migrantes e os refugiados. A violência doméstica aumenta, os direitos humanos são atrofiados e a indústria privada farmacêutica e o seu sistema de patentes é orientada para lucros inconcebíveis, em que a defesa da dignidade das mulheres e dos homens é colocada em causa.

O poder tende a corromper e o poder absoluto corrompe absolutamente novidade

Presumir a virtude do sujeito que detém o poder é, para além de naïf, algo injusto. Expor qualquer pessoa à possibilidade do poder sem limites (ainda que entendido como serviço) é deixá-la desamparada nas múltiplas decisões que tem de tomar com repercussões não só em si mesma, mas igualmente em terceiros. E também, obviamente, muito mais vulnerável para ceder a pressões, incluindo as da sua própria fragilidade.

Economista social ou socioeconomista?

Em 2014, a revista Povos e Culturas, da Universidade Católica Portuguesa, dedicou um número especial a “Os católicos e o 25 de Abril”. Entre os vários testemunhos figura um que intitulei: “25 de Abril: Católicos nas contingências do pleno emprego”. No artigo consideram-se especialmente o dr. João Pereira de Moura e outros profissionais dos organismos por ele dirigidos; o realce do “pleno emprego”, quantitativo e qualitativo, resulta do facto de este constituir um dos grandes objetivos que os unia.

Cultura e artes

Teologia bela, à escuta do Humano novidade

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Morreu João de Almeida, renovador da arquitectura religiosa em Portugal

Em Maio de 2015, manifestava-se, em entrevista ao Expresso um homem “cem por cento contente com a vida”. O arquitecto e pintor João de Almeida, fundador do Movimento de Renovação da Arte Religiosa (MRAR) morreu na segunda-feira, em Lisboa, aos 92 anos. O seu funeral e cremação será esta quarta, 24 de Junho, às 17h, no cemitério do Alto de São João.

Aprender a falar com feijões

(Re)visto agora, a partir da janela do confinamento, este filme Uma Pastelaria em Tóquio ganha novos sabores, que é como quem diz, entranha-se em nós de uma maneira mais intensa.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco