Em Ferreira do Alentejo

Começa a 18ª edição do Festival Terras Sem Sombra

| 1 Abr 2022

Trio Klavis grupo austria festival terras sem sombra

O concerto de abertura está a cargo do agrupamento de câmara austríaco Trio Klavis, que interpretará música para violino, saxofone e piano tendo como pano de fundo o Lagar do Marmelo. Foto: Direitos reservados.

 

Arranca este sábado, 2 de abril, em Ferreira do Alentejo, a 18.ª temporada do Festival Terras sem Sombra. O concerto de abertura está a cargo do agrupamento de câmara austríaco Trio Klavis, que interpretará música para violino, saxofone e piano tendo como pano de fundo o Lagar do Marmelo. Do programa em Ferreira do Alentejo consta ainda uma visita ao património cultural da aldeia de Peroguarda e uma ação de biodiversidade que incidirá sobre as ervas comestíveis, aromáticas e medicinais.

A nova temporada do festival estende-se de abril a outubro e vai percorrer onze concelhos, entre os quais os estreantes Mourão e Montemor-o-Novo, e contará com participantes de vários países convidados (Áustria, Bélgica, Eslováquia, Hungria, Polónia, República Checa e Espanha).

Criado em 2003 no âmbito da Diocese de Beja e tendo-se depois autonomizado, o Festival Terras sem Sombra é uma iniciativa da sociedade civil que pretende dar a conhecer a um público alargado o território do Alentejo, destacando os seus valores ambientais, culturais e paisagísticos. A comemorar 18 anos de existência, o Festival mantém-se “fiel aos valores e à missão que o guiam desde a sua génese, privilegiando o carácter itinerante, a tónica na descentralização cultural, a formação de novos públicos, a inclusão e a sustentabilidade”, informa uma nota enviada à imprensa.

O programa, aos fins-de-semana e de acesso gratuito, inclui concertos de música erudita, visitas ao património cultural e ações de salvaguarda da biodiversidade.

O destino seguinte do Terras Sem Sombra é a Vidigueira (14 e 15 de maio), onde terá lugar um concerto pelo destacado ensemble vocal português Cupertinos, uma visita ao património cultural que incidirá sobre o vinho de talha e uma ação em prol da salvaguarda da biodiversidade na Serra do Mendro.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This