Começou a distribuição de vacinas aos países mais pobres através da OMS

| 24 Fev 21

As vacinas contra a covid-19 começaram a chegar nesta quarta-feira ao Gana, que se torna o primeiro entre os 100 países mais pobres do mundo a receber doses de imunização contra a doença, fornecidas pela iniciativa Covax. Enquanto isso, o Vaticano e outras entidades relgiiosas pedem a libertação das patentes, para que as vacinas sejam produzidas em maior quantidade e cheguem mais rápido aos países mais pobres. 

unicef, covax, vacina, covid-19

As primeiras vacinas contra a covid-19 chegaram ao Gana pela Iniciativa Covax. Foto © Unicef.

 

Quarta-feira, 24 de fevereiro, ficará para a história como o dia em que as primeiras vacinas adquiridas através do sistema Covax chegaram às autoridades de saúde de um país que faz parte da lista dos 100 mais pobres do planeta. As 600 mil doses da vacina AstraZeneca/Oxford que entraram no Gana foram – de acordo com comunicado conjunto da Organização Mundial de Saúde (OMS) e da UNICEF – produzidas pelo Instituto Serum, em Bombaim, sob licença daquele consórcio.

A iniciativa Covax é uma plataforma de colaboração internacional laçada em meados de 2020, liderada pela OMS, pela GAVI e pelo CEPI para impedir que os países mais ricos monopolizem a produção e aquisição de vacinas contra o vírus SARS-CoV-2 e tem como objetivo imunizar até ao final deste ano dois mil milhões de pessoas de maior risco nos países mais pobres do mundo.

A vacinação da população dos países que não dispõem de recursos para produzir ou comprar vacinas tem sido objeto de vários pronunciamentos políticos e numerosas chamadas de atenção. No final da primeira reunião deste ano do G-7, a 19 de fevereiro, os líderes das sete maiores economias do mundo ocidental garantiram ter acordado um montante de 7,5 mil milhões de dólares para apoiar a OMS na aquisição e distribuição de vacinas nos países de economias mais frágeis. Mas nenhum compromisso foi comunicado quanto ao calendário, ou ao número de doses a serem entregues.

Pelo contrário, vários dos líderes presentes na cimeira procuraram assegurar as suas opiniões públicas nacionais de que aquela decisão não iria abrandar o ritmo de vacinação no país. Angela Merkel, alvo de fortes críticas vindas de todos os sectores políticos, incluindo o SPD, seu parceiro de Governo, pela lentidão com que a população alemã vem sendo vacinada, foi particularmente taxativa: “Nenhuma fase da vacinação alemã será retardada” pelo compromisso de ajuda aos países mais necessitados, que a chanceler classificou de “uma questão de elementar justiça.”

A decisão do G-7 surgiu por pressão da administração Biden, que na véspera da cimeira divulgou ter acionado a autorização dada pelo Congresso em dezembro ao seu antecessor Donald Trump para comprometer quatro mil milhões de dólares na ajuda à vacinação da população dos países mais pobres. Entretanto, Trump promovera a saída dos EUA da OMS, decisão que Joe Biden revogou logo após ter tomado posse, tendo em fevereiro decidido que essa ajuda seria destinada a suportar financeiramente a iniciativa Covax.

De acordo com as melhores estatísticas, no dia 19 de fevereiro, a Alemanha tinha vacinado 5,6% da sua população, enquanto o Reino Unido vacinara 25,4%, os EUA 17,4%, os Emirados Árabes Unidos 54,3% e Israel 81,8 por cento da sua população. A rapidez e a percentagem de população vacinada têm correspondido, em termos aproximados, à riqueza de cada país, sendo que tal não acontece na União Europeia por esta ter adotado um sistema comum e centralizado de aquisição e de distribuição de vacinas.

 

Saúde, riqueza e geopolítica
Vacina, Covid,

Além das razões humanitárias, a imunização da população mundial garante aos países ricos a sua proteção contra o contágio vindo do exterior. Foto: Lisa Ferdinando/Wikimedia Commons

 

Várias organizações e líderes religiosos têm sublinhado a necessidade de garantir vacinas para todos. No campo católico destaca-se, na primeira semana de fevereiro, a tomada de posição da Caritas Internacionalis apelando à realização de uma reunião especial do Conselho de Segurança da ONU para assegurar o acesso de todos os países às vacinas contra o vírus da covid-19 e iniciar rapidamente o processo da transformação da dívida externa dos países mais pobres em fundos disponíveis para que estes possam modernizar os seus sistemas de saúde.

Na terça-feira, dia 23 de fevereiro, na sequência de sucessivas declarações do Papa Francisco a favor do acesso sem discriminações à vacinação, o observador permanente da Santa Sé junto das Nações Unidas, em Genebra, Ivan Jurkovič, solicitou, de acordo com o Vatican News, a suspensão de “algumas restrições relativas à propriedade intelectual, que impedem o acesso universal às vacinas contra a covid-19”. Segundo Jurkovič, “em muitos países existem inúmeros laboratórios capazes de produzir vacinas de forma segura e eficaz, e que não podem fazê-lo precisamente em função das restrições de propriedade intelectual”.

Além das motivações humanitárias, a imunização da população mundial é uma forma de os países ricos garantirem a sua proteção contra riscos de contágio vindo do exterior. A OMS calcula que para erradicar a covid-19 será preciso imunizar 70% da população mundial (5,5 mil milhões de doses), mas que vacinando dois mil milhões de pessoas de acordo com escolhas criteriosas será possível proteger o pessoal de saúde, os mais velhos e os mais vulneráveis, reduzindo de forma muito significativa a mortalidade causada pelo vírus SARS-CoV-2.

Por outro lado, a inação do Ocidente no apoio aos países mais pobres para combaterem a pandemia tem também permitido o estreitar dos laços entre a Rússia e a China e aqueles países, nomeadamente em África, continente a que Moscovo, imitando as autoridades de Pequim, já decidiu entregar, até ao final de maio, 300 milhões de doses da sua vacina Sputnik V.

 

A iniciativa Covax
vacina. covid-19

A vacinação pode ajudar reduzir os impactes das perdas de vidas e na economia mundial. Foto: Direitos reservados.

 

Mais do que em operações bilaterais, o G-7 decidiu investir na organização desenhada pela OMS, a iniciativa Covax, em que participam também a GAVI e o CEPI.  A plataforma estima que a pandemia faça perder à economia mundial 375 mil milhões de dólares por mês e propõe-se reduzir este impacte, bem como o número de vítimas, através de um acesso planeado e justo à vacinação, dando prioridade ao pessoal de saúde e aos mais vulneráveis, independentemente do país do mundo em que se encontrem.

A GAVI (Aliança Global para as Vacinas) é uma organização que ganhou expressão no combate para vacinar as crianças dos países mais pobres graças a uma primeira doação de 750 milhões de dólares da Fundação Bill & Melinda Gates no final da década de noventa do século passado. É dirigida por um conselho de 32 pessoas: 18 representantes dos Estados que contribuem financeiramente para o seu desenvolvimento, da indústria farmacêutica e de outros parceiros; nove peritos de renome internacional; quatro membros designados pela OMS, UNICEF, Banco Mundial e Fundação Gates; e o presidente executivo. Até hoje, a Fundação Bill & Melinda Gates já entregou à GAVI 4 mil milhões de dólares.

Por seu turno, a CEPI (Coligação para Inovações de Preparação para Epidemias) é uma organização filantrópica lançada em 2017 para financiar projetos de investigação independentes com o objetivo de desenvolver vacinas contra epidemias causadas por agentes infeciosos emergentes. Atualmente a sua ação está muito centrada no apoio à investigação das vacinas anti-SARS-CoV-2.

 

AstraZeneca: fundos públicos financiaram vacina em 97%?

AstraZeneca: fundos públicos financiaram vacina em 97%?

Fundos públicos com diversas origens financiaram pelo menos 97% dos custos de investigação e desenvolvimento que permitiram a criação e o lançamento da vacina anti-covid-19 do grupo Oxford/AstraZeneca. A conclusão faz parte de um estudo, publicado a 10 de abril, por investigadores da Universities Allied for Essential Medicines, ainda não sujeito a qualquer revisão por outros cientistas.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Mãos à obra (6) – Ferraria de São João: Fazer acontecer

Mãos à obra (6) – Ferraria de São João: Fazer acontecer

Desta vez, pela mão de Ana Sofia Soeiro, fomos até à aldeia de Ferraria de São João, concelho de Penela. Inserida na rede de “Aldeias do Xisto”, com uma população residente de cerca de 50 pessoas, alguns adolescentes e crianças, as gentes da terra, com o apoio da Associação de Moradores, decidiram fazer acontecer. E agora, outras gentes em outros lugares, lhes seguem as pisadas. Assim se exerce a cidadania.

Breves

Seminário de Coimbra assinala Dia Internacional dos Monumentos e Sítios com direto na cúpula da igreja novidade

Uma conversa em cima do andaime montado na cúpula da igreja do Seminário Maior de Coimbra irá juntar, no próximo dia 19 de abril, pelas 18h, o padre Nuno Santos, reitor da instituição, e Luís Aguiar Campos, coordenador do projeto de conservação e restauro do seminário. A iniciativa pretende assinalar o Dia Mundial dos Monumentos e Sítios (que se celebra domingo, 18) e será transmitida em direto no Facebook.

Vaticano saúda muçulmanos no Ramadão novidade

O Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso, da Santa Sé, enviou uma mensagem aos muçulmanos de todo o mundo, por ocasião do início do Ramadão, convidando todos os crentes a serem “construtores e reparadores” da esperança.

China quer que clérigos tenham amor pelo Partido Comunista

Novo decreto governamental é “mais uma medida totalitária para limitar a liberdade religiosa”, acusa organização de direitos humanso. O decreto aplica-se a todas as religiões, ou seja, lamas budistas, clérigos cristãos, imãs muçulmanos e outros líderes religiosos.

Aumentar valor das prestações sociais, sugere Pedroso nos 25 anos do RSI

O valor das prestações sociais como o Rendimento Social de Inserção (RSI) deveria aumentar, pois já não responde às necessidades das pessoas mais vulneráveis. A ideia é defendida por Paulo Pedroso, que foi o principal responsável pela comissão que estudou o modelo de criação do então Rendimento Mínimo Garantido (RMN).

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Quebra de receitas da principal Igreja financiadora do Vaticano

A Igreja Católica alemã, que é líder no contributo que dá habitualmente para as despesas da Santa Sé (juntamente com a dos EUA), teve “um verdadeiro colapso” nas receitas, em 2020, segundo dados divulgados pelo jornal Rheinische Post, citados por Il Messaggero.

Francisco corta 10% nos salários dos cardeais

O Papa Francisco emitiu um decreto determinando um corte de 10% nos salários dos cardeais, bem como a redução de pagamento a outros religiosos que trabalham na Santa Sé, com efeitos a partir de 1 de abril, divulgou o Vaticano esta quarta-feira, 24 de março. A medida, que não afeta os funcionários com salários mais reduzidos, visa salvar os empregos no Vaticano, apesar da forte redução das receitas da Santa Sé, devido à pandemia de covid-19.

Espanha: Consignações do IRS entregam 300 milhões à Igreja Católica

Os contribuintes espanhóis entregaram 301,07 milhões de euros à Igreja Católica ao preencherem a seu favor a opção de doarem 0,7% do seu IRPF (equivalente espanhol ao IRS português). Este valor, relativo aos rendimentos de 2019, supera em 16,6 milhões o montante do ano anterior e constitui um novo máximo histórico.

Entre margens

Leprosários novidade

A mais recente Responsum ad dubium[1] da Congregação para a Doutrina da Fé relativa à bênção de uniões homossexuais tem feito correr rios de tinta. Se, por um lado, haja quem veja um retrocesso no caminho de inclusão delineado pelo Papa Francisco, outros encaram esta resposta como um travão necessário à prática de bênçãos a casais homossexuais, em total coerência com a linha da doutrina moral da Igreja.

Para condenar não me chamem

Após vinte e dois anos de trabalho dentro de uma prisão ainda me pergunto: que falta faz um padre na prisão? Talvez seja necessário responder antes a uma outra: para que serve a prisão? O sistema prisional devia ter dois objetivos fundamentais: proteger a sociedade de condutas criminosas e proporcionar aos reclusos uma hipótese de reabilitar as suas vidas.

Embriaguez sem vinho

A juventude é a embriaguez sem vinho, dizia Goethe, mas quando o vinho está azedo a embriaguez passa a doença. A recorrência das crises, os surtos pandémicos e a falta de horizontes podem estar a criar uma geração perdida. Mas não terá sido quase sempre assim?

Cultura e artes

A torrente musical de “Spem in Alium”, de Thomas Tallis

Uma “torrente musical verdadeiramente arrasadora”, de esperança pascal, diz o padre Arlindo Magalhães, comentador musical, padre da diocese do Porto e responsável da comunidade da Serra do Pilar (Gaia), a propósito da obra de Thomas Tallis Spem in Alium (algo que se pode traduzir como “esperança para lá de todas as ameaças”).

A Páscoa é sempre “pagã”

A Páscoa é sempre pagã / Porque nasce com a força da primavera / Entre as flores que nos cativam com promessas de frutos. / Porque cheira ao sol que brilha na chuva / E transforma a terra em páginas cultivadas / Donde nascem os grandes livros, os pensamentos / E as cidades que se firmam em pactos de paz.

50 Vozes para Daniel Faria

Daniel Faria o último grande poeta português do século XX, morreu há pouco mais de vinte anos. No sábado, dia 10, assinala-se o 50.º aniversário do seu nascimento. A Associação Casa Daniel assinala a efeméride com a iniciativa “50 Vozes para Daniel Faria” para evocar os poemas e a memória do poeta.

“Sequência da Páscoa: uma das mais belas histórias do mundo”

Sem poder ir ao cinema para poder falar de um novo filme que, entretanto, tivesse estreado, porque estamos em tempo de Páscoa e porque temos ainda viva diante dos olhos a profética peregrinação do Papa Francisco ao Iraque – que não pode ser esquecida, mas sempre lembrada e posta em prática – resolvi escrever (para mim, a primeira vez neste lugar) sobre um filme profundamente pascal e actual: Dos Homens e dos Deuses (é quase pecado não ter experimentado a comoção de vê-lo). E não fui o único a fazê-lo por estes dias.

Sete Partidas

É o vírus, estúpido!

No princípio da semana (22 março),  Angela Merkel reuniu com os ministros-presidentes dos estados alemães para tomar decisões sobre o que fazer perante o actual descontrolo da situação na Alemanha. As hesitações dos políticos e os truques que alguns responsáveis regionais arranjaram para iludir as regras combinadas por todos foram fatais para a luta contra a mutação inglesa. Esta terceira vaga está a ser ainda mais rápida e avassaladora do que já se temia.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This