Comentário 7M: A boa notícia ou a má notícia?

| 2 Set 19 | Cristianismo - Homepage, Destaque 2, Igreja Católica, Últimas

Com a nomeação de Tolentino Mendonça para o Colégio Cardinalício, passa a haver três cardeais portugueses que podem votar num conclave para eleger um novo Papa: além do bibliotecário do Vaticano, são eleitores o patriarca de Lisboa, Manuel Clemente, e o bispo de Leiria-Fátima, António Marto.

Quer dizer que, de repente, o catolicismo português passou a ter muita importância no Vaticano? Não, de todo. Os cardeais nomeados – nomeadamente por Francisco – são-no a título pessoal e para serem seus conselheiros e não para “representarem” uma conferência episcopal ou uma realidade católica. No caso presente, o arcebispo Tolentino chegou ao cargo de bibliotecário do Vaticano (e agora a cardeal) porque o Papa percebeu o seu valor há ano e meio.

Com o patriarca de Lisboa, pode ter pesado também a razão histórica: “manda” a tradição que o patriarca de Lisboa passa normalmente a cardeal. António Marto, bispo de Leiria, que foi surpreendido pelo anúncio da decisão do Papa quando se preparava para celebrar uma missa, foi escolhido depois da visita do Papa a Fátima – o que não pode deixar de ser visto também como uma razão a pesar na decisão.

Há outro motivo que nega qualquer importância “patriótica” do catolicismo português actual no Vaticano: a nomeação, quinta-feira passada, do novo núncio apostólico (embaixador) da Santa Sé em Lisboa, cuja escolha recaiu nada mais nada menos que no até agora representante pontifício no Chile, Ivo Scapolo.

O núncio que virá para Portugal sai do Chile com uma grande lista de questões por esclarecer, no que à grave crise dos abusos sexuais do clero católico diz respeito. Terá sido ele a omitir informação importante ao Papa, já que era a ele que competia dizer o que se passava. Isso levou Francisco a reconhecer os “graves erros de avaliação e percepção da situação, em particular pela falta de informações verdadeiras e equilibradas.”

Mas Scapolo já antes insistira em impor o nome de um bispo – Juan Barros – que muitas vítimas acusavam de ter encoberto o padre Karadima, entretanto condenado pela justiça civil e irradiado do ministério de padre.

Vítimas de abusos e destacadas personalidades católicas chilenas falam do núncio como encobridor e “nefasto”, caracterizam o seu rasto no Chile como “pobre” e “lamentável” e avisam os católicos portugueses contra este “demónio” e “malfeitor”. Exageram? Os títulos da imprensa católica chinela eram claros: “até que enfim” (que vai embora), o Chile “liberta-se de uma pessoa macabra”, “vítimas celebram saída”…

O núncio que saiu de Lisboa era mal-querido por vários bispos (que só falavam disso à boca pequena ou em declarações anónimas. Mas se muitos católicos (desde logo, padres e bispos) pensavam que a sua saída era uma boa notícia, enganaram-se redondamente. Vem aí pior, muito pior. E a má notícia fica completa com outro elemento: é que, mais uma vez, os bispos portugueses não reagirão, junto do Vaticano, a uma tal nomeação.

(Texto publicado inicialmente na edição do Público de segunda-feira, 2 de Setembro)

Artigos relacionados

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

Sophia chegou cedo. Tinha dez ou onze anos quando li O Cavaleiro da Dinamarca, cuja primeira edição data de 1964. É difícil explicar o que nos ensina cada livro que lemos. Se fechar os olhos, passados mais de 30 anos, recordo ainda que ali aprendi a condição de pe-regrino, uma qualquer deriva que não só nos conduz de Jerusalém a Veneza, como – mais profundamente – nos possibilita uma iniciação ao testemunho mudo das pedras de uma e às águas trémulas dos canais da outra, onde se refletem as leves colunas dos palácios cor-de-rosa.

Apoie o 7 Margens

Breves

Papa Francisco anuncia viagem ao Sudão do Sul em 2020 novidade

“Com a memória ainda viva do retiro espiritual para as autoridades do país, realizado no Vaticano em abril passado, desejo renovar o meu convite a todos os atores do processo político nacional para que procurem o que une e superem o que divide, em espírito de verdadeira fraternidade”, declarou o Papa Francisco, anunciando deste modo uma viagem ao Sudão do Sul no próximo ano.

Missionários constroem casa para cuidar e educar as vítimas do terramoto no Nepal

Mais de 400 crianças órfãs, pobres e com debilidades físicas vítimas do terramoto de 2015 no Nepal, residem hoje na casa de crianças Antyodaya em Parsa (centro do país). A casa, que foi construída em 13 de maio de 2017, tem o propósito “de alcançar as crianças mais desafortunadas das aldeias mais remotas, oferecendo-lhes educação e desenvolvimento pessoal”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Manuela Silva e Sophia novidade

Há coincidências de datas cuja ocorrência nos perturbam e nos sacodem o dia-a-dia do nosso viver. Foram assim os passados dias 6 e 7 do corrente mês de Novembro. A 6 celebrou-se o centenário do nascimento de Sophia e a 7 completava-se um mês sobre a partida para Deus da Manuela Silva.

“Unicamente o vento…”

Teimosamente. A obra de Sophia ecoa. Como o vento. Como o mar. Porque “o poeta escreve para salvar a vida”. Aquela que foi. Que é. A vida num ápice. Luminosa e frágil. Do nascente ao ocaso. Para lá do poente. Celeste. Na “respiração das coisas”. No imprevisível ou na impermanência. A saborear o que tem. A usufruir do que teve. Na dor e na alegria.

Cultura e artes

Trazer Sophia para o espanto da luz

Concretizar a possibilidade de uma perspectiva não necessariamente ortodoxa sobre os “lugares da interrogação de Deus” na poesia, na arte e na literatura é a ideia principal do colóquio internacional Trazida ao Espanto da Luz, que decorre esta sexta e sábado, 8 e 9 de Novembro, no polo do Porto da Universidade Católica Portuguesa (UCP).

As mulheres grávidas e o olhar feminino sobre a crise dos refugiados

Uma nova luz sobre a história dos refugiados que chegam à Europa, evitando retratá-los como “heróis ou invasores”. Francesca Trianni, realizadora do documentário Paradise Without People (Paraíso sem pessoas, em Inglês), diz que o propósito do seu filme, a exibir nesta quinta-feira, 31 de outubro, em Lisboa, era mostrar a crise dos refugiados do ponto de vista feminino.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Parceiros

Fale connosco