Liberdade Religiosa

Comissão da Liberdade Religiosa com nova configuração

| 15 Abr 21

José Vera Jardim. Foto Agência Ecclesia_MC

José Vera Jardim foi, enquanto ministro da Justiça, o responsável pela promulgação da Lei da Liberdade Religiosa, de 2001. Foto © Agência Ecclesia/MC.

 

A ministra da Justiça, Francisca van Dunem, divulgou esta quinta-feira em Diário da República o despacho com a constituição da Comissão da Liberdade Religiosa (CLR), depois de o Conselho de Ministros ter reconduzido José Vera Jardim na presidência, há já mais de um ano (final de Janeiro de 2020).

Como elementos designados pela Conferência Episcopal Portuguesa, entra de novo o juiz e presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz Pedro Vaz Patto, enquanto o antropólogo e professora da Universidade Católica Alfredo Teixeira continua.

Com mandatos renovados permanecem também Esther Mucznik, indicada pela Comunidade Israelita de Lisboa e investigadora de temas judaicos, o advogado Fernando Manuel Soares Loja, pela Aliança Evangélica Portuguesa, e Mahomed Iqbal, pela Comunidade Islâmica de Lisboa.

De acordo com a Lei de Liberdade Religiosa, que a criou, a CLR é um órgão consultivo da Assembleia da República e do Governo e deve integrar ainda “cinco pessoas de reconhecida competência científica nas áreas relativas às funções da Comissão designadas pelo membro do Governo competente na área da Justiça, de modo a assegurar o pluralismo e a neutralidade do Estado em matéria religiosa”.

Neste caso, a ministra Van Dunem renovou os mandatos de Huzur Rahim Firozali, presidente do Conselho Nacional da Comunidade Ismaili (muçulmana), o hindu Alpesh Kumar Ranchordas, o budista Luciano José dos Santos Cruz, e ainda os especialistas em Ciências Jurídico-Políticas, Miguel Assis Raimundo e Eduardo André Folque Ferreira.

José Eduardo Vera Jardim, reconduzido na presidência da Comissão da Liberdade Religiosa em Janeiro de 2020, ocupa o cargo desde Setembro de 2016, depois de ter sido ministro da Justiça nos governos liderados por António Guterres e, nessa qualidade, o responsável moral pela promulgação da Lei da Liberdade Religiosa, de 2001.

 

Jorge Sampaio, um laico cristão

Jorge Sampaio, um laico cristão novidade

Já tudo, ou quase tudo, foi dito e escrito sobre a figura do Jorge Sampaio. Assinalando a sua morte, foram, por muitos e de múltiplas formas, sublinhadas as diversas facetas definidoras da sua personalidade nos mais diversos aspetos. Permitam-me a ousadia de voltar a este tema, para sublinhar um aspeto que não vi, falha minha porventura, sublinhado como considero ser merecido.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja

Inquérito sobre o Sínodo

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja novidade

O Papa observava, no encontro sinodal com a sua diocese de Roma, no último sábado, 18, que escutar não é inquirir nem recolher opiniões. Mas nada impede que se consultem os cristãos sobre as “caraterísticas e âmbito” que “entendem dever ter a escuta que as igrejas diocesanas são chamadas a realizar, desde 17 de outubro próximo até ao fim de março-abril de 2022. Era esse o terceiro ponto da consulta feita pelo 7Margens, cujas respostas damos hoje a conhecer.

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro

União Europeia

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro novidade

A União Europeia (UE) deverá divulgar, no próximo mês de outubro, uma “nova estratégia de combate ao antissemitismo e promoção da vida judaica”. A iniciativa surge na sequência da disseminação do racismo antissemita em inúmeros países da Europa, associada a teorias da conspiração que culpabilizam os judeus pela propagação da covid-19, avançou esta quarta-feira, 22, o Jewish News.

Livrai-nos do Astérix, Senhor!

Livrai-nos do Astérix, Senhor! novidade

A malfadada filosofia do politicamente correcto já vai no ponto de apedrejar a cultura e diabolizar a memória. A liberdade do saber e do saber com prazer está cada vez mais ameaçada. Algumas escolas católicas do Canadá retiraram cerca de cinco mil títulos do seu acervo por considerarem que continham matéria ofensiva para com os povos indígenas.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This