Pedro Strecht coordena

Comissão de estudo dos abusos apresenta-se e anuncia contactos para vítimas

| 9 Jan 2022

Pedro Strecht apresentará a sua equipa de trabalho na Gulbenkian. Foto © Direitos reservados

 

A nova Comissão Independente para Estudo dos Abusos de Menores na Igreja (CIEAMI) apresenta-se publicamente na tarde desta segunda-feira, 10 de Janeiro, em conferência de imprensa a realizar na Fundação Gulbenkian, em Lisboa, a partir das 17 horas. Será o primeiro passo para um primeiro relatório que o seu coordenador, o médico pedopsiquiatra Pedro Strecht, espera ter concluído até final deste ano. Um telefone e endereço electrónico de contacto, para eventuais queixas de vítimas, serão divulgados na ocasião.

Na sessão, estarão presentes todos os seis membros da comissão – três homens e três mulheres. Além de se apresentarem pessoalmente, os seus membros falarão sobre os objectivos e métodos de trabalho do organismo, os tempos e modos de “recolha e tratamento de depoimentos, informação documental e outros dados de relevo”.

Criada por vontade dos bispos, mas com total autonomia de funcionamento, promete o responsável da CIEAMI e o presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) e bispo de Setúbal, José Ornelas, a comissão inclui, além de Strecht, o antigo ministro Laborinho Lúcio, a socióloga Ana Nunes de Almeida, o psiquiatra Daniel Sampaio, a terapeuta familiar Filipa Tavares e a cineasta Catarina Vasconcelos.

No dia 2 de Dezembro, quando foi apresentado como responsável da CIEAMI, Pedro Strecht garantiu que não espera entraves ao trabalho do grupo: “É óbvia e genuína a vontade” da hierarquia em “conhecer e saber o que aconteceu”, disse na ocasião, como relatou o 7MARGENS.

“Contamos com a total disponibilidade e interesse da própria Igreja em conhecer a verdade e chegar onde chegarmos”, acrescentou.

 

Falar “sem medo” dos “crimes hediondos”

 

O grupo de trabalho garante total independência da hierarquia da Igreja Católica. Foto © Alexas_Fotos | Pixabay

 

Com alguns contornos do seu trabalho ainda por esclarecer – e que deverão ficar hoje clarificados, como prometeu Pedro Strecht –, a comissão será “autónoma e independente” da Igreja Católica, e pretende que as vítimas de abusos sexuais por parte de membros do clero venham relatar “finalmente e sem medo” os “crimes hediondos” que sofreram, disse Pedro Strecht. Não lhe cabendo fazer investigação criminal – que estará a cargo das autoridades judiciais –, a CIEAMI abordará também os casos de encobrimento, que terão levado “ao silenciamento de todos estes casos”.

“Dar voz ao silêncio” foi, aliás, o título que Pedro Strecht deu à sua comunicação de apresentação, em Dezembro, passando em revista o que tem sido o escondimento social destes casos e o modo como a Igreja Católica te lidado com o tema.

O grupo trabalhará num apartamento descaracterizado em Lisboa, para poder acolher eventuais vítimas e trabalhar sem constrangimentos. O trabalho financiado pela própria CEP, que promete todos os meios necessários para o trabalho. “Se me sentir coagido, seria o primeiro a dizer ‘paro por aqui’”, garantiu Pedro Strecht em Dezembro.

Na mesma ocasião, o presidente da CEP, afirmou que os bispos são “os primeiros interessados em fazer luz” sobre os casos que tenham acontecido em Portugal. “Que surja o mais realisticamente possível a nossa realidade”, afirmou, numa intervenção em que destacou o trajecto de Pedro Strecht como “fundamento da confiança” que os bispos depositam no coordenador e restantes membros da comissão.

Pedro Strecht citou o Papa Francisco, para referir que é preciso “o fim de uma cultura de morte e silenciamento cúmplice” praticado durante décadas por pessoas da própria Igreja, nem que seja “impelidos pela dor e pela vergonha de não terem sido boas guardiãs dos menores que nos foram confiados”.

E concluiu: “Foi isso que aconteceu durante muito tempo: a Igreja protegeu, o Estado escondeu, as pessoas comuns não valorizavam nem sequer estavam atentas nem sequer imaginavam as repercussões que isto poderia ter em crianças e adolescentes que passavam por este género de situações. Felizmente que as mentalidades mudaram e que hoje podemos olhar para todas estas questões na Igreja e noutras franjas da sociedade de forma nova, aberta e verdadeira.”

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This