Comissão Justiça e Paz de Coimbra critica Governo por não assinar Tratado contra Armas Nucleares

| 26 Jan 2021

Armas nucleares, guerra, bomba

“Banir a boma”, pede o cartaz. A Comissão Justiça e Paz de Coimbra queria que Portugal respondesse positivamente ao apelo. Foto: Direitos reservados (Pax Christi International)

 

“É um começo de caminho, mas é, simultaneamente, um passo gigantesco para a Humanidade”, diz a Comissão Diocesana Justiça e Paz (CDJP), de Coimbra, a propósito da entrada em vigor do Tratado de Proibição das Armas Nucleares, que se assinalou sexta-feira passada, dia 22 de Janeiro, e pela qual manifesta o seu “júbilo” e, ao mesmo tempo, a “profunda desaprovação” da posição de Portugal, que não subscreveu o documento.

Citando as declarações do ministro Santos Silva na entrevista ao 7MARGENS, a Comissão recorda que o Governo português considera que o documento “não responde à necessidade de desarmamento e não observa as preocupações de segurança de muitos países”.

“Não compete ao nosso país assumir a defesa, ou a subserviência, perante interesses de terceiros, mas sim assumir o que lhe é imposto pela procura da Justiça e da Paz”, comenta a CDJP, de Coimbra, registando que a posição portuguesa foi no sentido oposto do que fizeram outros países lusófonos: Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor Leste.

Numa nota enviada ao 7MARGENS, aquele organismo católico de Coimbra diz que o tratado que agora entrou em vigor “culmina um movimento mundial de consciencialização” sobre a catástrofe que serão as “consequências do uso das armas nucleares com a potencial aniquilação” da humanidade.

“Num momento em que a sociedade global necessita de uma nova Esperança, o Tratado constitui inspiração na criação de condições de Paz e Justiça”, diz o texto. “Representa um tributo às vítimas das explosões e testes nucleares, ao longo dos últimos setenta e cinco anos, as quais lhe dão a força moral fundamental.” E cita a seguir o Papa Francisco para dizer que importa agora ter a “determinação para promover as condições necessárias a um mundo sem armas nucleares, contribuindo para o avanço da paz e da cooperação multilateral, de que a humanidade tanto precisa hoje em dia”.

O Tratado de Proibição das Armas Nucleares foi já ratificado por 50 dos 86 que o assinaram e dos 122 que o aprovaram nas Nações Unidas, o que permitiu que entrasse em vigor na sexta-feira. Ao mesmo tempo, ele traduz décadas de trabalho de múltiplas organizações e personalidades, como também recordava Luís Moita, num texto publicado há dias pelo 7MARGENS.

A CDJP lembra ainda que o Tratado culmina cinco anos de trabalho na ONU e que representa o “primeiro instrumento multilateral juridicamente vinculante para o desarmamento nuclear”.

 

Autonomia, protagonismo e concorrência

[Debate 7M: A Igreja e os média–7]

Autonomia, protagonismo e concorrência novidade

É evidente que nem sempre a relação entre a hierarquia católica e os jornalistas leva em consideração o papel fundamental que estes profissionais desempenham no atual contexto de desinformação em massa. Isso não invalida que se reconheça uma melhoria na forma de projetar a comunicação, com maior profissionalismo nas estruturas católicas, apesar da sistemática dispersão de recursos e ausência de sinergias significativas.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bispo impedido de entrar na Cúria da sua diocese, na Nicarágua

Pressões para calar Igreja

Bispo impedido de entrar na Cúria da sua diocese, na Nicarágua novidade

O bispo de Matagalpa, Nicarágua, Rolando Alvarez, que se tinha refugiado numa paróquia dos arredores de Manágua, no dia 19 de maio, devido a perseguição de forças policiais e que, nos dias seguintes, foi impedido de entrar na Cúria da sua diocese, reatou já a atividade pastoral normal. O bispo conseguiu sair na última segunda-feira, 23, para a sua diocese na parte noroeste do país, mas deparou com a sede da Cúria diocesana bloqueada, pelo que foi obrigado a alojar-se no seminário local.

Os jacarandás já estão em flor

[Nas margens da filosofia – XLV]

Os jacarandás já estão em flor novidade

Nos noticiários que diariamente nos informam da guerra não vemos campos de trigo nem flores – vemos feridos, famílias destroçadas, crianças e adolescentes que viajam sozinhos. Um dos meus netos que foi à Ucrânia buscar refugiados levou-os à praia, quando chegaram a Portugal. Vou sugerir que os leve a ver os jacarandás em flor pois, como diz o poeta (que traduzo livremente), “tudo quanto é belo é uma fonte perene de alegria.”

Tríptico e eco

Tríptico e eco novidade

É nesse momento de suspensão, de silêncio, em que deixamos de procurar activamente, entrando delicadamente no espaço-sem-espaço e no tempo-atemporal, que “mergulhamos com ele até ao fundo” e nos aproximamos do clarão do farol que dissolve as trevas ao varrer a noite [não fosse este jogo de escondidas e pensaríamos nós um dia ter já um domínio total e um conhecimento perfeito daquele que nos procura] para que, pelos vislumbres da beleza da sua presença, nos sintamos chamados a ir procurando mais e sempre de modo renovado.

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This