Comissão Justiça e Paz de Coimbra critica Governo por não assinar Tratado contra Armas Nucleares

| 26 Jan 2021

Armas nucleares, guerra, bomba

“Banir a boma”, pede o cartaz. A Comissão Justiça e Paz de Coimbra queria que Portugal respondesse positivamente ao apelo. Foto: Direitos reservados (Pax Christi International)

 

“É um começo de caminho, mas é, simultaneamente, um passo gigantesco para a Humanidade”, diz a Comissão Diocesana Justiça e Paz (CDJP), de Coimbra, a propósito da entrada em vigor do Tratado de Proibição das Armas Nucleares, que se assinalou sexta-feira passada, dia 22 de Janeiro, e pela qual manifesta o seu “júbilo” e, ao mesmo tempo, a “profunda desaprovação” da posição de Portugal, que não subscreveu o documento.

Citando as declarações do ministro Santos Silva na entrevista ao 7MARGENS, a Comissão recorda que o Governo português considera que o documento “não responde à necessidade de desarmamento e não observa as preocupações de segurança de muitos países”.

“Não compete ao nosso país assumir a defesa, ou a subserviência, perante interesses de terceiros, mas sim assumir o que lhe é imposto pela procura da Justiça e da Paz”, comenta a CDJP, de Coimbra, registando que a posição portuguesa foi no sentido oposto do que fizeram outros países lusófonos: Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor Leste.

Numa nota enviada ao 7MARGENS, aquele organismo católico de Coimbra diz que o tratado que agora entrou em vigor “culmina um movimento mundial de consciencialização” sobre a catástrofe que serão as “consequências do uso das armas nucleares com a potencial aniquilação” da humanidade.

“Num momento em que a sociedade global necessita de uma nova Esperança, o Tratado constitui inspiração na criação de condições de Paz e Justiça”, diz o texto. “Representa um tributo às vítimas das explosões e testes nucleares, ao longo dos últimos setenta e cinco anos, as quais lhe dão a força moral fundamental.” E cita a seguir o Papa Francisco para dizer que importa agora ter a “determinação para promover as condições necessárias a um mundo sem armas nucleares, contribuindo para o avanço da paz e da cooperação multilateral, de que a humanidade tanto precisa hoje em dia”.

O Tratado de Proibição das Armas Nucleares foi já ratificado por 50 dos 86 que o assinaram e dos 122 que o aprovaram nas Nações Unidas, o que permitiu que entrasse em vigor na sexta-feira. Ao mesmo tempo, ele traduz décadas de trabalho de múltiplas organizações e personalidades, como também recordava Luís Moita, num texto publicado há dias pelo 7MARGENS.

A CDJP lembra ainda que o Tratado culmina cinco anos de trabalho na ONU e que representa o “primeiro instrumento multilateral juridicamente vinculante para o desarmamento nuclear”.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro

Frade morreu aos 85 anos

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro novidade

O último alarme chegou-me no dia 10 de Fevereiro. No dia seguinte, pude vê-lo no IPO do Porto, em cuidados continuados. As memórias que tinha desse lugar não eram as melhores. Ali tinha assistido à morte de um meu irmão, a despedir-se da vida aos 50 anos… O padre Morgado, como o conheci, em Lisboa, há 47 anos, estava ali, preso a uma cama, incrivelmente curvado, cara de sofrimento, a dar sinais de conhecer-me. Foram 20 minutos de silêncios longos.

Mata-me, mãe

Mata-me, mãe novidade

Tiago adorava a adrenalina de ser atropelado pelas ondas espumosas dos mares de bandeira vermelha. Poucos entenderão isto, à excepção dos surfistas. Como explicar a alguém a sensação de ser totalmente abalroado para um lugar centrífugo e sem ar, no qual os segundos parecem anos onde os pontos cardeais se invalidam? Como explicar a alguém que o limiar da morte é o lugar mais vital dos amantes de adrenalina, essa droga que brota das entranhas? É ao espreitar a morte que se descobre a vida.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This