Comissão Justiça e Paz quer empresas a respeitar direitos e cidadãos que recusem corrupção

| 9 Dez 19 | Éticas, Newsletter, Organizações, Sociedade - homepage, Trabalho e Economia, Últimas

Um aperto de mãos sem dinheiro no meio. Ilustração: Wikimedia Commons

 

A Comissão Nacional Justiça e Paz (CNJP) apela às empresas para que respeitem os direitos dos trabalhadores e “cuidem da comunidade envolvente”, e a todos os cidadãos para que assumam um papel de recusa de “qualquer colaboração na corrupção, de denúncia do fenómeno e, sobretudo, de difusão de uma cultura de honestidade e de serviço ao bem comum”.

Numa nota divulgada a propósito do Dia Internacional Contra a Corrupção, que se assinala nesta segunda-feira, 9 de Dezembro, aquele organismo da Igreja Católica, recorda que a data pretende “sensibilizar pessoas e governos de todo o mundo para este crime, com as suas implicações e custos”.

Calcula-se que os esquemas de corrupção custem anualmente a perda de mais de três triliões de dólares (um 3 seguido de 18 zeros, ou seja: 3 000 000 000 000 000 000), de acordo com uma estimativa divulgada em 2018 pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, na mensagem que escreveu para este dia.

Na nota, a CNJP apoia a campanha lançada pela própria ONU e apoiada em Portugal pela Associação Portuguesa de Ética Empresarial, em que se propõe às organizações que o entendam a subscrição de uma carta-tipo de apelo aos governos.

“Qualquer organização é convidada a associar-se a esta campanha preenchendo e enviando para as Nações Unidas a carta-tipo em que se dirigem cinco pedidos aos Governos”, diz a CNJP. Esses cinco pedidos sugerem o fortalecimento de “leis e mecanismos anticorrupção, o compromisso com a redução de riscos de corrupção em contratos de projectos de larga escala, a transparência pública nas compras governamentais, a maior transparência nas receitas recebidas pelos governos de empresas do sector privado e o apoio aos esforços das empresas para aperfeiçoar as medidas anticorrupção.

Neste dia 9, será iniciada a distribuição do Selo Anticorrupção que apela a uma “Sociedade Justa, Negócios Éticos”, acrescenta a nota da Comissão. O selo está em linha com o 16º Objectivo de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 das Nações Unidas: a promoção da Paz, da Justiça e de Instituições Eficazes.

 

Começa com “um jeitinho”

Na apresentação da campanha em Portugal, recorda ainda a nota da CNJP, Guilherme d´Oliveira Martins afirmava que “todos somos vulneráveis à corrupção e ninguém se pode considerar intocável”. E sublinhava a necessidade de estar “atentos, vigilantes, e apostar na transparência e partilha de boas práticas”, porque a corrupção começa normalmente com um “pequeno favor ou um jeitinho”.

“A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas é constituída por 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e foi aprovada em Setembro de 2015 por 193 membros” da ONU, lê-se na nota da CNJP. “Querem-se empresas responsáveis a nível social, ambiental e financeiro. Querem-se empresas com um ‘propósito’, que não procurem o lucro a todo o custo, que respeitam os direitos dos seus trabalhadores, que cuidem da comunidade envolvente, e que lutem por causas que edifiquem o nosso mundo.”

A CNJP recorda ainda que, na sua recente viagem do Papa Francisco a África e ao Índico, o Papa Francisco apelou aos governantes “para lutarem com determinação contra formas endémicas de corrupção e especulação que aumentam a  disparidade social e empobrecem as nações”.

Na semana passada, a associação Transparência e Integridade entregou na Assembleia da República uma petição a solicitar a adopção de uma Estratégia Nacional Contra a Corrupção. A petição, lançada a 3 de Setembro, recolheu 8.503 assinaturas de cidadãos portugueses e terá agora de ser discutida pelo Parlamento.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Centro cultural Brotéria já abriu no Bairro Alto, em Lisboa novidade

O novo centro cultural da Brotéria, revista dos jesuítas fundada em 1902 no Colégio São Fiel (Castelo Branco), abriu esta quinta-feira, em Lisboa, junto à Igreja de São Roque (Bairro Alto), mas o programa que assinala o facto prolonga-se nestes dois dias do fim-de-semana.

Vaticano ordena investigação a bispo por acusações de abuso sexual

O Vaticano ordenou uma investigação de alegações de abusos sexuais contra o bispo Brooklyn, Nicholas DiMarzio, que antes tinha sido nomeado pelo Papa Francisco para investigar a resposta da Igreja ao escândalo dos abusos sexuais cometidos por membros do clero na diocese de Buffalo.

Semana pela unidade dos cristãos com várias iniciativas

Várias iniciativas assinalam em Portugal a Semana de Oração pela Unidade os Cristãos, que se prolonga até ao próximo sábado, 25. Entre elas, uma oração ecuménica na igreja de Santo António dos Olivais decorre em Coimbra na sexta, 24, às 21h, com responsáveis de diferentes igrejas e comunidades.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Entre margens

Arte e Esperança novidade

Tenho tido a sorte de acompanhar, desde 2016, a apresentação dos Projetos Partis (Práticas Artísticas para a Inclusão Social) na Gulbenkian e em todos respiramos com emoção a frescura da criação artística onde os protagonistas são pessoas normalmente esquecidas por nós.

Cultura e artes

Cinema: À Porta da Eternidade

O realizador Julian Schnabel alterou, com este filme, alguns mitos acerca de Vincent van Gogh, considerado um dos maiores pintores de todos os tempos. Os cenários, a fotografia e a iluminação do filme produzem uma aproximação visual às telas do pintor, no período em que van Gogh parte para Arles, no sul de França, em busca da luz, seguindo todo o seu percurso até à morte, aos 37 anos de idade.

Que faz um homem com a sua consciência?

Nem toda a gente gosta deste filme. Muitos críticos não viram nele mais do que uma obra demasiado longa, demasiado maçadora, redundante e cabotina. Como o realizador é Terrence Malick não se atreveram a excomungá-lo. Mas cortaram nas estrelas. E no entanto… é um filme de uma força absolutamente extraordinária. Absolutamente raro. Como o melhor de Mallick [A Árvore da Vida].

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Jan
30
Qui
Encontros de Santa Isabel – “Jesus, as periferias e nós” @ Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa
Jan 30@21:30_23:00

Debate sobre “Aqui e agora”, com Luís Macieira Fragoso e Maria Cortez de Lobão, presidente e vice-presidente da Cáritas Diocesana de Lisboa

Jan
31
Sex
III Congresso Lusófono de Ciência das Religiões – Religião, Ecologia e Natureza (até 5 de Fevº) @ Universidade Lusófona, Templo Hindu, Mesquita Central e Centro Ismaili
Jan 31@09:30_14:00

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco