Como árvores desfolhadas

| 3 Out 2022

árvores, natureza, pessoas, sombras

Foto © Masha Raymers/Pexels

Um dia destes, alguém chamou a minha atenção para as duas árvores defronte à minha casa. Duas árvores da mesma natureza; mas enquanto uma delas estava coberta de folhas, a outra estava desfolhada.

A segunda, já sem folhas, estava mais exposta, mais vulnerável, mais triste, mas apesar de tudo, viam-se pequenos e viçosos rebentos verdes a brotar nela.

Além das mudanças a que as árvores ficam sujeitas ao atravessarem as quatro estações do ano, era notório que esta árvore tinha passado por algo que a deixou doente, quase à morte.

Este cenário levou-me às muitas mães que neste momento estão a ver os seus filhos a serem levados para a frente do conflito entre a Rússia e a Ucrânia, servindo eles de “carne para canhão”, como se diz.

Mas não só estas mães inundaram o meu pensamento. Também aquelas que no Paquistão viram as suas crianças sucumbindo nas grandes cheias provocadas pelas monções e as que sobreviveram a esta catástrofe agora morrem de malária.

Ainda pensei nas muitas mães cristãs que tanto são esquecidas e que, em países onde há perseguição religiosa, veem os seus filhos a serem mortos ou arrancados dos seus braços para não serem educados nos princípios cristãos.

Como árvores desfolhadas são todas estas mães. Mães desfilhadas! Certamente as suas almas ficam expostas e vulneráveis pelo sofrimento; um vazio profundo abate-se sobre elas, os seus rostos são tristes, e os corações doentes e toldados pela sombra da morte e da lembrança da despedida angustiante em que viram pela última vez os seus filhos.

Ousaria dizer que muitos de nós, neste momento, ao tomarmos conhecimento destas histórias, enquadrámo-nos na primeira árvore que não está desfolhada. Mas é tão importante não esquecermos o nosso próximo que está bem ao nosso lado! Semelhante a nós, da mesma natureza, mas sujeito a circunstâncias penosas, sofre a perda dos seus mais queridos. Hoje, são estas mães, amanhã poderemos ser nós, e certamente não gostaríamos de ser esquecidos. Quando não esquecemos somos impelidos a fazer alguma coisa, e quando não conseguimos chegar perto delas, o cristão tem algo poderoso e eficaz, algo que não tem barreiras nem medidas: a oração. Oração por conforto e consolo divino para estas mães desfilhadas. Oração dirigida ao Pai do Céu que tem o consolo certo porque também conheceu a mesma dor quando o Seu Filho Jesus Cristo morreu numa cruz.

Acredito e desejo profundamente que à semelhança daqueles pequenos e viçosos rebentos que brotam da árvore que recupera de uma grande perda, um dia, pouco a pouco, na vida destas mulheres e mães surja um novo tempo, uma nova estação, uma nova roupagem que revelará que se reergueram mais fortes, mais sábias e mais belas.

Porque há esperança para a árvore, pois, mesmo cortada, ainda se renovará, e não cessarão os seus rebentos.” (Bíblia, Livro de Job 14: 7))

 

Isabel Ricardo Pereira é missionária evangélica; contacto: isabeljose@sapo.pt

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

ONG israelita já salvou a vida a 3.000 crianças palestinianas

Uma forma de "construir pontes"

ONG israelita já salvou a vida a 3.000 crianças palestinianas novidade

Amir tem cinco anos e, até agora, não podia correr nem brincar como a maioria das crianças da sua idade. Quando tinha apenas 24 meses, apanhou um vírus que resultou no bloqueio de uma das suas artérias coronárias, pelo que qualquer esforço físico passou a ser potencialmente fatal. Mas, muito em breve, este menino palestiniano poderá recuperar o tempo perdido. Com o apoio da organização humanitária israelita Save a Child’s Heart, Amir acaba de ser operado num hospital em Tel Aviv e está fora de perigo.

Francisco contra o divisionismo e a ordenação de mulheres

Entrevista à revista America

Francisco contra o divisionismo e a ordenação de mulheres novidade

“O divisionismo não é católico. Um católico não pode pensar ‘ou, ou’ e reduzir tudo a posições irreconciliáveis. A essência do católico é “e, e”. O católico une o bem e o não tão bom. O povo de Deus é um” – afirmou o Papa Francisco, a propósito das divisões na Igreja americana, na entrevista concedida no dia 22 de novembro a um conjunto de editores jesuítas e publicada na edição da revista America – The Jesuit Review desta segunda-feira, 28 de novembro.

Terra de pobreza e de milagres

[Crónicas da Guiné – 1]

Terra de pobreza e de milagres novidade

A Guiné-Bissau, como país, é um bom exportador de más notícias. E quando se chega ao território, o que imediato se faz notar é a pobreza e o lixo. Mas quando nos dizem “Tenho orgulho em Bissau ser uma cidade limpa… em comparação com outras capitais desta região de África”, percebemos que tudo é relativo – relativo aos padrões que adoptamos. Ou às notícias que procuramos. Porque há notícias que vêm ter connosco, pois sabem que serão bem acolhidas, e outras que se deixam ficar no seu cantinho, silenciosas, porque se reconhecem sem interesse.

Nasce uma nova rede eclesial para o cuidado da casa comum

América Latina

Nasce uma nova rede eclesial para o cuidado da casa comum novidade

Depois da Rede Eclesial Pan-Amazónica (REPAM) e da Rede Eclesial Ecológica Mesoamericana (REGCHAG), nasce agora a Rede Eclesial Gran Chaco e Aquífero Guarani (REGCHAG), com o objetivo de proteger os territórios que lhe dão nome e as respetivas comunidades, face a ameaças como o desmatamento, a contaminação e o desrespeito pelos modos de vida.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This