O apelo de um grupo de leigos católicos

“Como cristãos, não podemos demitir-nos da política. Votem, votem, votem!”

| 6 Mar 2024

Mulher a votar. Foto Pixelshot

Todos os cristãos são “chamados a participar” na política e a resposta a esse chamamento passa por votar, mesmo “naquilo que não é perfeito”, defende um grupo de leigos católicos do patriarcado de Lisboa. Foto © Pixelshot

 

Há quem lhe chame “manifesto” e tenha querido assinar por baixo, outros reconheceram o seu valor, mas preferiram não se associar por discordarem de um ou mais dos seus pontos-chave. Falamos de “Oito Princípios e um Mandamento – Votar com Discernimento”: um texto que nasceu da reflexão de uma equipa de casais de Nossa Senhora, em Lisboa, a propósito das eleições de 10 de março. O grupo de leigos católicos quis “ir mais além” e desafiar também outros cristãos a refletir sobre a importância de votar… e a não se demitirem da política. Por isso, ao longo dos últimos dias, esta proposta de reflexão foi divulgada online, partilhada nas redes sociais e distribuída à saída da missa em várias paróquias do patriarcado. E não ficará por aqui.

“O nosso primeiro objetivo com este texto foi chamar toda a gente a votar”, explica aquela que foi uma das principais mentoras da iniciativa, Ana Crespo de Carvalho, em declarações ao 7MARGENS. “Muitas vezes, dizemos que, entre as pessoas que conhecemos, toda a gente vota. Mas se tem havido sempre uma percentagem tão grande de abstencionistas é porque todos conhecemos, no nosso pequeno mundo, alguém que não vota… Portanto, o nosso primeiro objetivo é dizer-lhes: votem, votem, votem!”.

Recorrendo a citações dos quatro últimos Papas para reforçar a ideia de que todos são “chamados a participar” na política, o texto – cuja primeira base foi escrita por Ana e pelo marido e contou depois com o contributo dos restantes casais da equipa e de outros leigos católicos com quem o partilharam – assinala que a resposta a esse chamamento passa por votar, mesmo “naquilo que não é perfeito”.

Mas votar, no caso dos cristãos, implica ter em consideração alguns princípios, assinala o texto, nomeadamente que “não há um partido dos cristãos” e que é preciso: “defender o direito à vida, do primeiro momento em que ela se manifesta até ao último sopro de vida terrena”; assegurar “a preferência pelos pobres”; exigir a “honestidade fiscal”; lutar pela paz, sem “ceder à tentação de ir pelo caminho do apoio a políticas baseadas na força e no poder militar, quando ainda não se esgotaram alternativas para estimular a confiança e a proximidade entre os povos”; fugir à “tentação do culto pessoal”, pois “não há líderes messiânicos que resolvam todos os nossos problemas”; preocupar-se “com as pessoas e problemas concretos e o combate férreo às novas censuras”; e ainda “acolher bem quem chega a Portugal em busca de melhores condições de vida, como tantos portugueses fazem quando emigram para outros países”.

“A nossa intenção – esclarece Ana Crespo de Carvalho – não é influenciar o voto, nem facilitar o voto…  Aliás, mais do que uma pessoa nos disse, depois de ler o texto, que sendo assim não podia votar em ninguém!”, refere a paroquiana de Telheiras. “O que quisemos foi espevitar as pessoas, confrontá-las com a dicotomia que existe entre o que nos é pedido enquanto cristãos e a nossa demissão da política… Até porque há pessoas contentes com esta demissão, por acharem que a política é uma coisa suja… e os jovens ainda mais: pelo que têm visto desde que nasceram, devem achar que a política é uma associação de malfeitores!”, acrescenta.

Mãe de três filhos com idades compreendidas entre os 25 e os 30 anos, Ana, de 59, sublinha que os mais jovens eram um dos principais públicos-alvo desta mensagem. “É muito importante que eles compreendam que, se não se envolverem, deixam um espaço vazio, e os espaços vazios são rapidamente ocupados, sobretudo na política, e a consequência disso é que os cristãos vão ficando progressivamente sem voz”.

Recordando que, já na sua geração, a maioria dos cristãos não se envolveu tanto na política como as gerações anteriores, esta consultora fiscal de profissão considera que a  consequência é “grave”. “Apesar de haver cristãos em todos os partidos, é nítido que essas vozes estão cada vez menos audíveis”, lamenta.

Defende, por isso, que este texto nascido de um encontro da sua equipa de casais possa ser “o principio de um caminho de renovação deste tipo de mensagens, que fazem apelo à coragem e à missão dos cristãos na defesa daquilo que é o melhor que pode nortear a politica: a Doutrina Social da Igreja”.

E reconhecendo que ele “não é perfeito” e que lhe faltam alguns elementos (como por exemplo a referência à importância do cuidado da Casa Comum), assegura: “este manifesto terá naturalmente um seguimento, tentaremos fazer um desenvolvimento disto… vamos ver em que sentido. Porque há mais eleições e há mais política depois do dia 10 de março. E nós, como cristãos, não podemos continuar a demitir-nos”.

 

Apelos ao voto, pelos vulneráveis e contra os populismos

Iniciativa Tenho voto na matéria 2021, crianças e jovens do Grupo Consultivo da UNICEF Portugal foram recebidos em audiência na Assembleia da República pelos Deputados da Comissão Parlamentar

Iniciativa “Tenho voto na matéria”, com jovens do Grupo Consultivo da Unicef Portugal no Parlamento, em dezembro 2022: um tempo para colocar o “bem comum” no centro. Foto © Unicef Portugal.

 

O manifesto deste grupo surge numa campanha eleitoral que, seguramente, foi uma das – ou mesmo aquela que – mais textos de intervenção viu surgir, da parte de instituições e grupos cristãos de diferentes matizes. Como elemento comum, todos apelavam ao voto. Conforme o 7MARGENS foi noticiando, a Conferência Episcopal Portuguesa publicou uma nota, em 20 de fevereiro, em que chamava a atenção para a responsabilidade “acrescida” dos cristãos, que devem “participar na vida política e na edificação da comunidade” sempre “à luz do Evangelho e da Doutrina Social da Igreja”.

No dia seguinte, a Aliança Evangélica Portuguesa veio reafirmar a sua neutralidade, tendo em conta algumas notícias que têm surgido a tentar “colar” os evangélicos a uma corrente determinada; mais dois dias e outra instituição católica, a Comissão Nacional Justiça e Paz, sublinhava que “este é o tempo propício para desenhar soluções e abrir caminhos com visão de longo prazo que coloquem o bem comum e a dignidade da pessoa humana no centro das preocupações, olhando com particular atenção para os mais vulneráveis”.

O Conselho Português de Igrejas Cristãs (que reúne metodistas, presbiterianos e anglicanos) lembrou, no dia 26, que o voto é uma “forma de participação cívica e de salvaguarda das conquistas e desenvolvimentos alcançados ao longo de 50 anos de democracia”, aludindo ao 50º aniversário do 25 de Abril que este ano se assinala, e acrescentando a rejeição de “discursos políticos autoritários e a manipulação falsa de notícias e factos, que visam a desinformação e o ocultamento da verdade e da transparência que deve reger a informação e o debate de ideias e projetos sociais”.

Finalmente, no dia 28, a Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de Braga considerava imperativo “que se comece a configurar uma reforma do sistema político”, de modo a que a política corresponda “ao desafio de merecer a confiança dos cidadãos”, para que o “descontentamento dos eleitores em relação aos eleitos” não seja capitalizado por “‘populistas’ ou por outras manifestações de rejeição da política”.

 

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja

A um mês da ordenação de dois bispos

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja novidade

O patriarca de Lisboa, Rui Valério, escreveu uma carta a convocar “todos – sacerdotes, diáconos, religiosos, religiosas e fiéis leigos” da diocese para estarem presentes naquele que será o “momento raro da ordenação episcopal de dois presbíteros”. A ordenação dos novos bispos auxiliares de Lisboa, Nuno Isidro e Alexandre Palma, está marcada para o próximo dia 21 de julho, às 16 horas, na Igreja de Santa Maria de Belém (Mosteiro dos Jerónimos).

O exemplo de Maria João Sande Lemos

O exemplo de Maria João Sande Lemos novidade

Se há exemplo de ativismo religioso e cívico enquanto impulso permanente em prol da solidariedade, da dignidade humana e das boas causas é o de Maria João Sande Lemos (1938-2024), que há pouco nos deixou. Conheci-a, por razões familiares, antes de nos encontrarmos no então PPD, sempre com o mesmo espírito de entrega total. [Texto de Guilherme d’Oliveira Martins]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Sempre pensei envelhecer como queria viver”

Modos de envelhecer (19)

“Sempre pensei envelhecer como queria viver” novidade

O 7MARGENS iniciou a publicação de depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Publicamos hoje o décimo nono depoimento do total de vinte e cinco. Informamos que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

“O 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba”

“O 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba” novidade

O último dia de “Reflexos e Reflexões” prometia uma tarde bem preenchida: o debate sobre “o 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba”, e a peça de teatro “House”, de Amos Gitai, pelo teatro La Colline. Aqui deixo uma síntese do debate, que tentei fazer com a maior fidedignidade possível, a partir dos apontamentos que fui tomando (era proibido tirar fotografias ou fazer gravações, para garantir que todos se sentiam mais livres para falar). [Texto de Helena Araújo]

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This