Filme “O Pub The Old Oak”

Como da desesperança nasce a esperança

| 27 Nov 2023

“Apesar de tudo, e não obstante tensões e confrontos, esta irrupção de novidade numa terra onde nada acontecia acaba por despertar iniciativas e redes de solidariedade que vão superando preconceitos e violências com uma atitude de respeito e compaixão que transforma as relações e reanima a esperança.” Imagem do trailer do filme

 

Com os seus 87 anos, Ken Loach está tentado a dar por concluída a carreira de realizador com esta película que representou um duro esforço ao longo de dois anos e meio. Contudo, como admite em recente entrevista (Revista do Expresso, 24 novembro), talvez o exemplo de Manoel de Oliveira o leve a prosseguir ainda. Oxalá, porque bem precisamos de obras como estas que, para além da elevada qualidade cinematográfica, nos confrontam com realidades das mais prementes do nosso tempo.

Neste caso, as dificuldades vividas numa localidade britânica onde o encerramento das minas de carvão lançou no desemprego, anos atrás, os chefes de família. O café-bar da terra é o ponto de encontro destes homens sem futuro, azedados pela sorte que lhes coube. Uma frustração que contagia as famílias e as pessoas em geral. Clima de depressão e desesperança.

A inesperada chegada de algumas famílias de refugiados sírios suscita reações de rejeição e aversão. O gestor do Bar, que vive também ele uma situação difícil, sintoniza com a precariedade dos novos vizinhos, mas precisa de manter os clientes e não pode romper com velhos amigos e conhecidos. Apesar de tudo, e não obstante tensões e confrontos, esta irrupção de novidade numa terra onde nada acontecia acaba por despertar iniciativas e redes de solidariedade que vão superando preconceitos e violências com uma atitude de respeito e compaixão que transforma as relações e reanima a esperança.

Ken Loach, que se estreou nos anos 60 com algumas produções televisivas evocando questões sociais, ao jeito do neorrealismo do após guerra, manteve-se sempre atento às situações e dificuldades dos trabalhadores da classe média baixa, evocadas com respeito e empatia, mas sem ceder a sentimentalismos, como provam também os seus dois anteriores filmes: “Eu, Daniel Blake” (2016) e “Passámos por aqui” (2019).

 

Realizador: Ken Loach.
Argumento: Paul Laverty. 
Actores: Debbie Honeywood, Dave Turner, Trevor Fox
País:  Bélgica, França, Reino Unido
Drama. 113 m
2023. Nos cinemas.

 

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This