Inquérito sobre a Laudato Si’

Como foi preparado o que o Vaticano considera “um trabalho pioneiro”

| 25 Mai 21

O padre Joshtrom Isaac Kureethadam é o responsável pela Ecologia e Criação do Dicastério para o Desenvolvimento Humano e Integral. Foto Direitos Reservados

 

O inquérito elaborado pelo 7MARGENS e pela Família Cristã é um “trabalho pioneiro”, considerou o padre Joshtrom Isaac Kureethadam, coordenador do sector Ecologia e Criação no Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, do Vaticano, que na manhã desta terça-feira, 25, será um dos intervenientes na conferência de imprensa de apresentação da Plataforma de Acção Laudato Si’, em Roma.

“A Plataforma não é apenas para propor objectivos, mas antes um caminho de espiritualidade. Para cada um dos sete objetivos, encontrámos, com a ajuda de 91 pessoas, uma lista de coisas a fazer”, explica o padre Joshtrom. A adesão será voluntária, mas, no caso português, a realização do inquérito 7MARGENS/Família Cristã pode ser um estímulo para muitas instituições católicas, considera. “Talvez quem se tenha saído melhor no vosso inquérito, e que já faz coisas, possa aderir no primeiro ano à Plataforma, fazendo com que outros se sintam motivados para ir aderindo nos anos seguintes”, diz, em conversa com o 7MARGENS e a FC.

Este trabalho começou por envolver vários membros e responsáveis da rede Cuidar da Casa Comum (CCC), a quem foi pedido que, de cada um dos capítulos da encíclica Laudato Si’ registasse todas as sugestões concretas ou ideias inspiradoras feitas pelo Papa no documento.

(Os números iniciais referem-se aos parágrafos da encíclica nos quais se baseia a pergunta.)

Só cinco não responderam

Com base nesse levantamento, o 7MARGENS e a Família Cristã elaboraram um questionário que, após formulações mais extensas, acabou com 34 perguntas. Estas incluem questões muito concretas como a reciclagem, separação de lixos ou acolhimento de refugiados, bem como questões mais vastas e abertas. Como por exemplo a primeira: “A diocese/congregação/movimento/instituição tem definidas metas ecológicas, traçadas a partir da Laudato si? Se sim, quais são e qual o calendário para a sua concretização?”

No caso das 21 dioceses, foi pedido que a resposta tivesse em conta apenas as estruturas diocesanas (cúrias, casas de retiro, seminários…) e não todas as instituições católicas existentes no respectivo território.

Além das dioceses, o inquérito foi enviado para sete congregações religiosas: Irmãs Doroteias, Servas de Nossa Senhora de Fátima, Religiosas do Sagrado Coração de Maria, Maristas, Jesuítas, Missionários da Consolata e Salesianos. Faziam parte da lista ainda nove movimentos e instituições: Santuário de Fátima, Universidade Católica Portuguesa, Rádio Renascença, Fundação Fé e Cooperação, Movimento dos Focolares, Opus Dei, Leigos para o Desenvolvimento, Corpo Nacional de Escutas e Movimento Apostólico de Schoenstatt.

Dos 37 inquéritos enviados, só cinco não foram devolvidos, como ficou dito no texto onde se apresentam as conclusões principais. Os padres jesuítas pediram e coligiram respostas de todas as instituições da Companhia de Jesus em Portugal e as Doroteias enviaram respostas de quatro das suas escolas. Uma vez coligidas as respostas, pedimos uma análise dos dados e um comentário a três especialistas, ao presidente da Conferência Episcopal Portuguesa e ao padre Johstrom, enquanto responsável por esta área no Vaticano.

(O número inicial refere-se ao parágrafo da encíclica no qual se baseia a pergunta.)

Uma sugestão para os bispos portugueses

A falta de metas ecológicas não é um exclusivo português, de acordo com o padre Joshtrom. Essa, aliás, foi uma das razões que levou o Papa a proclamar o Ano Laudato Si’, que agora terminou. “Percebemos que houve um entusiasmo muito grande na altura” da publicação da encíclica. Mas esse arrebatamento inicial passou. “Achámos que era preciso voltar a falar do tema. O Papa disse que o grito da Terra e dos pobres estava a ficar cada vez mais alto e era preciso voltar a falar da encíclica”, explica.

Comentando os dados recolhidos, Joshtrom Kureethadam valoriza o retrato obtido. “Os mínimos estão lá, não são tudo más notícias. A maioria das respostas são na casa dos 50%, e é preciso construir a partir daí”, sugere, indicando duas áreas que lhe parecem prioritárias: dar “mais protagonismo aos jovens”, pois isso pode “até pode ser uma forma de os fazer regressar à Igreja”; e, por outro lado, ter “estratégias globais, porque fazer acções individuais não será suficiente”.

“Precisamos de uma conversão ecológica em acção, mas com uma estratégia definida: ter uma paróquia que se transforma neutra em carbono em sete anos, mas que, ao mesmo tempo, consegue aumentar a espiritualidade, colocar os pobres no centro, mudar estilos de vida…”, indica o responsável do Vaticano, de origem indiana, da diocese de Kerala.

Tudo isto, organizado e promovido pela “equipa de ecologia da Conferência Episcopal”, sugere ainda. Mas essa não existe em Portugal, esclarecem os jornalistas. “Bom, talvez depois do vosso artigo se possa criar uma”, conclui o padre Joshtrom, com um sorriso.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Derrota no estádio, pancada em casa

[Os Dias da Semana]

Derrota no estádio, pancada em casa

A condescendência perante o machismo ou, pelo menos, perante as suas manifestações mais degradantes – dir-se-ia – acabou. Mas continua a haver demasiadas notícias que revelam existir ainda uma injustificada complacência perante a agressividade contra as mulheres e também contra os que, de algum modo, são mais vulneráveis.

Breves

Música, património e natureza

Festival Terras sem Sombra revisita herança judaica em Castelo de Vide novidade

O Festival Terras sem Sombra apresenta, na Igreja Matriz de Santa Maria da Devesa (31 de Julho, 21h30), o concerto pelo reputado Utopia Ensemble, que interpreta obras da polifonia europeia. O festival junta as memórias judaicas de Castelo de Vide, revisitadas na acção de património (31 de Julho, 15h), e as deslumbrantes paisagens da Serra de S. Mamede (1 de Agosto, 9h30), com a rica biodiversidade deste território por horizonte.

Responsável também pelas obras no Mar da Palha

José Sá Fernandes preside a Grupo de acompanhamento da JMJ 2023 novidade

O governo português anunciou a criação de um Grupo de Projeto com vista a acompanhar e agilizar todas as questões relacionadas com o “acompanhamento, em termos operacionais, dos trabalhos de preparação deste evento”. “Considerando a diversidade, a complexidade, a natureza e a dimensão das ações a desenvolver no âmbito da preparação da JMJ 2023, o Governo, através Resolução do Conselho de Ministros n.º 45/2021, criou um Grupo de Projeto para assegurar o acompanhamento”, pode ler-se no comunicado de imprensa a que o 7Margens teve acesso.

Cidadãos vítimas de spyware

Amnistia exige resposta do governo húngaro ao escândalo Pegasus

Uma investigação publicada esta terça-feira, 20 de julho, pelo Direkt36 (órgão de comunicação húngaro sem fins lucrativos) revelou que os telefones de mais de 300 cidadãos daquele país foram identificados como possíveis alvos do software de vigilância Pegasus, comercializado pela empresa israelita NSO Group. Peritos da Amnistia Internacional (AI) confirmaram que, em inúmeros casos, este software tinha, de facto, sido instalado, e a organização exige agora uma reação da parte das autoridades húngaras.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

As jovens cristãs que enfrentam a discriminação e perseguição

Paquistão

As jovens cristãs que enfrentam a discriminação e perseguição

“Quando fui para a universidade sofri muitos actos de discriminação por parte dos meus professores e colegas, a tal ponto que não conseguia concentrar-me nos meus estudos”, conta Ashia, 17 anos, cristã paquistanesa. Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) desenvolve programa para capacitar mulheres em situações particularmente difíceis.

É notícia

Sínodo dos Bispos 2023

Quem é quem nas comissões preparatórias

Estão constituídas as três comissões preparatórias do Sínodo dos Bispos católicos de 2023, cujo início será já no próximo mês de outubro, em todas as dioceses do mundo. As pessoas escolhidas indiciam a vontade de mudança introduzida pelo Papa Francisco, conforme o 7MARGENS explica noutro texto. Fica a seguir a lista completa.

Entre margens

Jesus Cristo tinha uma agenda liberal?

Dizer apenas que todas as vidas são importantes é uma tirada lapalissiana. É óbvio que sim, mas o problema é que nem todas as vidas estão em risco devido a fenómenos sociais como o racismo, a xenofobia, a violência sobre mulheres e crianças, o abuso sexual e o tráfico de pessoas, já para não falar nesta economia que mata, no dizer do Papa Francisco.

Mulheres, aptas para o ministério sacerdotal

No ano de 2020, na Igreja de Inglaterra (Comunhão Anglicana), das 591 pessoas recomendadas para a formação ao ministério ordenado e assumirem funções ministeriais a tempo inteiro, a maioria dos candidatos são do género feminino.

Como regressar à vida?

Num recente inquérito à opinião pública, as pessoas consideram que as medidas contra a Covid-19 foram positivas, mas queixam-se que a democracia se viu limitada. É um julgamento natural. Importa, porém, compreender que fomos surpreendidos por uma enfermidade que continuamos a desconhecer.

Cultura e artes

Monumento e jardim aberto ao público

Capela dos Coimbras, aberta ao público, quer ser “ex-líbris” de Braga novidade

A capela privada mais antiga de Braga, localizada no centro histórico da cidade e que está classificada como monumento nacional, abriu ao público esta quarta-feira, 28 de julho. Os seus proprietários querem torná-la um ponto de paragem obrigatório de Braga, “quer pelo valor patrimonial e artístico que encerra, quer pelo seu jardim com esplanada, onde a partir de agora é possível usufruir do espaço, assistir a concertos e outras iniciativas culturais ou tomar alguma refeição ligeira.

Lançamento

Um livro para entender o imaginário católico de Sting

Evyatar Marienberg, historiador da religião na Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill, escreveu um livro sobre a imaginação católica de Sting e de como ela alimentou a sua criatividade. Antes de ser quem é na cena do rock internacional como o principal compositor e vocalista do Police, Sting (nascido Gordon Sumner em 1951) cresceu na cidade de Wallsend, Inglaterra, e frequentou escolas católicas. Recebeu o Crisma aos 14 anos e casou-se com sua primeira esposa na Igreja Católica aos 25 anos.

Sete Partidas

Aquele que habita os céus sorri

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This