Como o “bicho” mexe com a prática religiosa

| 24 Fev 21

A pandemia alterou a nossa vida de cima a baixo em todos os sentidos, tanto na vertente individual como na colectiva. Isso inclui o fenómeno religioso, embora ainda não saibamos em que medida o influencia.

Missa Papa Cristo-Rei- Entrega dos símbolos da JMJ a Lisboa.

“Curiosamente, as gerações mais novas apresentaram mais dificuldades na substituição das celebrações presenciais pelas online, eventualmente devido a uma maior necessidade gregária.” (Entrega dos símbolos da JMJ a Lisboa. Foto © Tony Neves)

 

Um estudo recente da Barna (criada em 1984, pesquisa tendências culturais relacionadas com valores, crenças, atitudes e comportamentos), a partir de dados recolhidos entre Abril e Maio de 2020, permite algumas conclusões sobre a frequência dos serviços religiosos nos EUA face à covid-19.

Dos que se identificam como cristãos praticantes, que consideram a fé importante na sua vida, e que frequentavam as celebrações da sua comunidade de fé, antes da covid-19, mais de metade (53%) afirmam ter assistido regularmente ao culto online. Outros 34 por cento admitem ter feito streaming de um serviço religioso diferente. Mas cerca de um terço dos cristãos praticantes (32%) diz não ter assistido a qualquer serviço religioso durante o confinamento. Embora parte desses fiéis integrassem uma minoria de congregações que ainda reuniam presencialmente, parece que representam um grupo que abandonou a sua comunidade pelo menos transitoriamente.

Embora alguns respondentes tenham declarado assistir ao culto online tanto da sua comunidade como de outras, a maioria permaneceu ligada à sua igreja original. Os que frequentavam regularmente a mesma comunidade de fé antes da pandemia são significativamente mais propensos à fidelização do que aqueles que mudavam regularmente de igreja (81% para 65%). Muito poucos mudaram de igreja durante a pandemia (14%). É mais provável terem suspendido a frequência por completo durante este período (32%).

A pesquisa permite verificar um padrão geracional muito claro nos grupos de frequentadores de serviços religiosos na internet. Metade da geração dos millenials deixou de os frequentar (50%), assim como 35% da geração X e 26% dos boomers. Note-se que os grupos dos idosos e dos boomers em conjunto representam mais da metade da população cristã praticante nos Estados Unidos (56%). Embora as gerações jovens estejam mais adaptadas às rotinas e inovações digitais, a sua fraca relação com as instituições parece confirmar-se durante a era da igreja digital.

O estudo conclui que entre os cristãos praticantes que diminuíram ou interromperam completamente a frequência digital ao culto, o florescimento individual é mais limitado e carregam mais cargas emocionais. Quem manteve a ligação online à sua comunidade durante a pandemia tem mais probabilidades de concordar com a afirmação “Não estou ansioso com a minha vida, porque tenho a paz interior de Deus” (87%), contra 76% dos que interromperam. Já os cristãos praticantes que pararam de frequentar a igreja são mais propensos do que os outros a dizer que se sentem constantemente entediados (17% contra 6%) ou que se sentiam inseguros (11% contra 7%).

Todavia, a maioria dos fiéis, mesmo os que suspenderam a assistência regular aos cultos durante a pandemia, desejam o apoio de uma comunidade de fé. Por todo o país os cristãos praticantes buscam “oração e apoio emocional” (68% dos que mudaram de igreja durante a pandemia e 52% dos que permaneceram na mesma igreja) e “uma mensagem de esperança e encorajamento centrada na Bíblia” por parte da sua igreja (44% dos que permaneceram na mesma igreja, 35% todos os outros cristãos praticantes). Os investigadores detectaram ainda o grupo dos que antes da covid-19 não frequentavam a igreja e o fazem agora via online, durante a pandemia, mas não o consideraram estatisticamente significativo.

A verdade é que um de cada três cristãos praticantes americanos parou de frequentar a igreja com a pandemia, apesar da evidência de que a comunidade de fé exerce um efeito integrativo do ponto de vista social, de estabilização emocional e promove o encorajamento e a esperança dos indivíduos. Curiosamente, as gerações mais novas apresentaram mais dificuldades na substituição das celebrações presenciais pelas online, eventualmente devido a uma maior necessidade gregária.

Está em curso um estudo semelhante sobre a realidade portuguesa, mas uma das evidências verificadas desde já é que os serviços religiosos na internet alcançam um auditório muito mais vasto do que as reuniões físicas alguma vez conseguiriam. E provavelmente isso contribui para contornar o velho preconceito de ser visto a entrar numa igreja não católica, que ainda pesa na mentalidade portuguesa e inibe muitos de se disporem a tal, embora não o confessem e apesar da sociedade portuguesa caminhar para uma maior heterodoxia religiosa, de acordo com os estudos já disponíveis.

 

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona, coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo e director da revista teológica Ad Aeternum; texto publicado também na página digital da revista Visão.

 

Jorge Sampaio, um laico cristão

Jorge Sampaio, um laico cristão novidade

Já tudo, ou quase tudo, foi dito e escrito sobre a figura do Jorge Sampaio. Assinalando a sua morte, foram, por muitos e de múltiplas formas, sublinhadas as diversas facetas definidoras da sua personalidade nos mais diversos aspetos. Permitam-me a ousadia de voltar a este tema, para sublinhar um aspeto que não vi, falha minha porventura, sublinhado como considero ser merecido.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja

Inquérito sobre o Sínodo

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja novidade

O Papa observava, no encontro sinodal com a sua diocese de Roma, no último sábado, 18, que escutar não é inquirir nem recolher opiniões. Mas nada impede que se consultem os cristãos sobre as “caraterísticas e âmbito” que “entendem dever ter a escuta que as igrejas diocesanas são chamadas a realizar, desde 17 de outubro próximo até ao fim de março-abril de 2022. Era esse o terceiro ponto da consulta feita pelo 7Margens, cujas respostas damos hoje a conhecer.

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro

União Europeia

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro novidade

A União Europeia (UE) deverá divulgar, no próximo mês de outubro, uma “nova estratégia de combate ao antissemitismo e promoção da vida judaica”. A iniciativa surge na sequência da disseminação do racismo antissemita em inúmeros países da Europa, associada a teorias da conspiração que culpabilizam os judeus pela propagação da covid-19, avançou esta quarta-feira, 22, o Jewish News.

Livrai-nos do Astérix, Senhor!

Livrai-nos do Astérix, Senhor! novidade

A malfadada filosofia do politicamente correcto já vai no ponto de apedrejar a cultura e diabolizar a memória. A liberdade do saber e do saber com prazer está cada vez mais ameaçada. Algumas escolas católicas do Canadá retiraram cerca de cinco mil títulos do seu acervo por considerarem que continham matéria ofensiva para com os povos indígenas.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This