Como poderei suportar o que vi…?

| 13 Jul 2023

Campo de Verão para 90 jovens no Líbano apoiado pela AIS, Agosto de 2022. Foto © ACN/AIS

 

Uma suspeita que tenho, a partir da observação reflexiva que vou fazendo sobre as diversas comunidades cristãs que conheço, é que muitas delas parece apresentarem sintomas inquietantes de linfedema litúrgico, caracterizado por edemas rituais, inchaços devocionais e protuberâncias cultuais, junto com a prática de um sacramentalismo consumista e, em situações mais graves, uma procura imparável de revelações privadas, teorias da conspiração, fenómenos extravagantes e milagres mirabolantes.

Realmente, algumas paróquias não passam de empresas fornecedoras de cultos e festas sacramentais, ou têm vindo a ser transformadas em firmas especializadas em organização de eventos identitários ou de animação, como são jornadas, acampamentos, peregrinações. À primeira vista, nada disto se me afigura errado, pois olhando somente a Igreja enquanto estrutura religiosa, parece ser essa a sua função: se tenho necessidade de um serviço religioso sei onde me dirigir para o contratar, podendo ser um baptismo, um casamento, um funeral, uma primeira comunhão, um crisma ou umas missas pelos defuntos. Em troca, contribuo para as despesas do culto e a sustentação do clero.

No entanto, conseguirão estas estruturas responder ainda aos desafios do Evangelho? Será que estarão suficientemente impregnadas do espírito evangélico?

Quando a mim próprio, que frequento e colaboro nestas estruturas, não andarei a alimentar a prática de cultos com um pendor mágico, com a intenção, consciente ou inconsciente, de levar a Divindade a fazer por mim aquilo que é da minha responsabilidade? Não andarei a tomar Deus como uma causa segunda, manipulável, repetindo rezas, chantageando-O para que faça a minha vontade? Não haverá em mim uma propensão a viver tranquilamente uma esquizofrenia espiritual em que o que celebro na liturgia nada ou pouco tem a ver com a minha vida, os meus valores, as minhas opções de vida, o sentido das minhas acções e das minhas escolhas?

Há quem tente curar esta paranoia mental, sonhando com “novas” éticas, e há quem a vá vivendo em forma de ateísmo prático ou de infantilismo saltitante e emocional, agarrado a historietas mais ou menos piedosas em que, entretanto, é transformada a Palavra de Deus.

No fim de contas e resumidamente, na minha rotina de prática religiosa, não me terei esquecido demasiado rapidamente que a misericórdia e a caridade valem mais do que todos os holocaustos e sacrifícios e que não se está longe do Reino de Deus quando se ama a Deus e ao próximo, e a Deus no próximo, na vida intensa do dia-a-dia (Mc 12, 28-34)? É que é este o novo culto que Jesus veio estabelecer: «Eis que venho para fazer a tua vontade». Assim aboliu o primeiro culto para estabelecer o segundo. (Carta aos Hebreus 10,9). Com Ele, o «Eis-me aqui» torna-se, pois, a resposta profunda e verdadeiramente cultual que o rosto do outro, onde perpassa a presença do Transcendente, me chama a dar. (Cf. Emmanuel Lévinas). É este o culto dos novos tempos que Jesus veio inaugurar: os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade (João 4,23), espírito e verdade agindo em mim, espírito e verdade quando me dou em prol do outro e espírito e verdade na relação com Deus presente em mim e no outro.

IV Festival de música escuteira no Mosteiro de São Tomé, Al Hassaheh, Síria, em Setembro de 2022. Foto © ACN/AIS

 

No entanto, quantas vezes a prática pastoral aparece reduzida à folha-excel em que tudo anda à volta de números: quantas crianças na catequese, quantas primeiras comunhões, profissões de fé e crismas! E as reuniões a todas as horas! Pergunto inclusive: será o maior ou menor número de jovens que participarem na próxima Jornada Mundial da Juventude que ditará as promoções na hierarquia? E permitir-se-ão dormir tranquilamente alguns bispos ao continuarem a ver cheio o santuário de Fátima no 13 de Maio?

Atrevo-me mesmo a afirmar que é toda esta mentalidade burocrata e de funcionalismo cultual, em conjunto com as liturgias de autopromoção, as relações analogicamente endogâmicas, de nepotismo e subserviência, do controlo de consciências, que promove a mediocridade em alguns âmbitos da Igreja, alimenta a cultura do abuso de poder e do assédio moral e, no extremo, fabrica um húmus propício ao surgimento da figura obscura, obscena e criminosa do abusador sexual.

Se a liturgia – em português ou em latim, versus Deum ou versus populum, de Pio V ou Paulo VI – não servir para celebrar a ressurreição de Jesus a acontecer na vida de todos os dias, nas realidades quotidianas, no bem-querer, no sacrifício, no perdão, na tarefa desafiante da humanização, apesar da morte, do sofrimento e do egoísmo, não passará de um conjunto de cultos vazios, de espectáculos de muito baixa qualidade, de palavras ruminadas sem sentido, de rituais com pretensão mágica.

Estou serenamente convencido de que a Eucaristia e as diferentes práticas religiosas só servem ao louvor de Deus, quando, ao contrário do rico Epulão que não dava sequer pela existência de Lázaro… ou do sacerdote e do levita que não se aproximaram do caído na valeta para não se profanarem…, buscam responder à evangélica e tangível inquietação de quem existencialmente vê a carne do sofrimento, o rosto da humilhação, o olhar da paciência. E como pode aquele que viu estas coisas não te ver? E como poderei suportar o que vi se não te vir? (Sophia de Mello Breyner Andresen, “Os Três Reis do Oriente”, in Contos Exemplares).

 

Santos Tereso é licenciado em Filologia Clássica, Filosofia e Teologia e está a finalizar o Mestrado em Teologia na Universidade Católica Portuguesa. Neste momento, vive em Itália.

 

Santuário de São João Paulo II, nos EUA, vai tapar obras de arte de Rupnik

Para "dar prioridade às vítimas"

Santuário de São João Paulo II, nos EUA, vai tapar obras de arte de Rupnik novidade

Os Cavaleiros de Colombo, maior organização leiga católica do mundo, anunciaram esta quinta-feira,11 de julho, que irão cobrir os mosaicos da autoria do padre Marko Rupnik, acusado de abusos sexuais e de poder, que decoram as duas capelas do Santuário Nacional de São João Paulo II, em Washington, e a capela da sede da organização em New Haven, Connecticut (EUA). A decisão, inédita na Igreja, surge uma semana depois de o bispo de Lourdes ter admitido considerar que os mosaicos do padre e artista esloveno que decoram o santuário mariano francês acabarão por ter de ser retirados.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“E tu, falas com Jesus?”

“E tu, falas com Jesus?” novidade

Em matéria de teologia, tendo a sentir-me mais próxima do meu neto X, 6 anos, do que da minha neta F, de 4. Ambos vivem com os pais e uma irmã mais nova em Londres. Conto dois episódios, para perceberem onde quero chegar. Um dia, à hora de deitar, o X contou à mãe que estava “desapontado” com o seu dia. Porquê? Porque não encontrara o cromo do Viktor Gyokeres, jogador do Sporting, um dos seus ídolos do futebol; procurou por todo o lado, desaparecera. Até pedira “a Jesus” para o cromo aparecer, mas não resultou. [Texto de Ana Nunes de Almeida]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This