Uma responsabilidade de todos

Como promover a escuta sinodal ao nível da comunidade e da paróquia?

| 10 Nov 2021

“O caminho que o Papa desafia a percorrer envolve todos os cristãos e toda a gente de boa vontade. Diria mesmo que envolve mais ainda aqueles que se afastaram da vida da Igreja.”

 

O Sínodo da Igreja Católica, que se encontra em fase de gestação, começa pela base. Isto exige uma atenção particular, já que para muitas das paróquias e comunidades tudo é novidade.

A maioria dos cristãos vem do tempo em que a responsabilidade pela vida das comunidades era dos bispos e dos padres, e só em tarefas absolutamente secundárias de alguns leigos e sobretudo de leigas. “O sr. bispo é que vai dizer como é” ou “o sr. padre é que sabe o que é para fazer” – era assim e, em boa medida, continua a ser esta a ‘cultura’ dominante.

Ora o caminho que o Papa desafia a percorrer envolve todos os cristãos e toda a gente de boa vontade. Diria mesmo que envolve mais ainda aqueles que se afastaram da vida da Igreja, que gostavam que a Igreja fosse diferente, que têm mais que fazer ou em que pensar. Francisco gostaria de ouvir todos. Quer que os padres assumam o seu papel, mas não ocupem o lugar dos leigos ou decidam em seu nome. Eles, de resto, não são uma casta à parte. São membros do povo de Deus, ainda que com um ministério especial. Chegou a hora de assumirmos a responsabilidade que nos cabe.

É uma oportunidade como nunca tivemos, ainda que seja, afinal, o retomar do estilo de uma Igreja que já foi assim, como lemos nos Atos dos Apóstolos. Por isso, vale a pena tentar fazer esse esforço de escutar, perscrutar e tomar a palavra.

Enquanto as comissões diocesanas preparam certamente a formação de animadores e guiões que ajudem as paróquias e comunidades a avançar com o Sínodo nesta fase local, não será má ideia que as pessoas conversem e os grupos troquem opiniões sobre o que é mais adequado fazer.

Há já, na documentação do Secretariado Geral do Sínodo, várias indicações quanto aos objetivos e ao alcance da fase de escuta e diálogo. É sabido que se pretende:

  • “a mais  ampla  participação  possível”, incluindo quem está longe da Igreja, os mais pobres, as minorias…
  • que esta etapa possa dar origem, conforme as possibilidades, a reuniões a nível paroquial, encontros inter-paroquiais,  grupos  ligados  a  escolas,  associações  locais,  plataformas
  • sendo possível, “o ideal  é  que  haja  oportunidades  para  os  diversos  grupos  se  escutarem  uns  aos  outros”, refere o Vademecum
  • para além de reuniões, conversas e encontros presenciais, pode-se sempre recorrer também a inquéritos porta a porta ou a páginas abertas com esse fim nas redes sociais.

Tal como foram criadas comissões diocesanas, é vantajoso que haja também, sempre que possível, comissões paroquiais, comunitárias ou equivalentes.

Parece igualmente lógico que se defina um plano de ação local e que se preveja uma campanha de sensibilização e divulgação orientada não só para os que frequentam a Igreja, mas para toda a comunidade, pelos modos considerados mais eficazes. Faz todo o sentido que haja um período definido para a escuta e que ele seja aberto com uma celebração específica.

O sítio do Secretariado Geral do Sínodo disponibiliza diversos materiais de divulgação de iniciativas que podem facilmente ser descarregados e adaptados com a informação da paróquia, comunidade ou movimento.

Estas comissões devem dinamizar o processo sinodal e coordenar as diferentes iniciativas, mas não lhes cabe controlar o que se faz, nem iniciativas mais espontâneas que possam surgir.

É importante assegurar antecipadamente condições para o registo das sugestões e opiniões que surjam na fase da escuta e combinar responsáveis por essa tarefa.

Quanto às modalidades de escuta, elas terão de ser necessariamente adaptadas à realidade de cada comunidade. As condições e os recursos, inclusive humanos, são extraordinariamente diversos, mas em todos os contextos é possível e desejável criar condições para o diálogo e a escuta, mesmo que de formas muito simples.

A este propósito, a revista espanhola Vida Nueva publicou esta segunda-feira, 8, um contributo em que sugere seis formas de fazer a consulta, não necessariamente excludentes entre si. De uma forma sintética, aqui ficam:

  1. Cada semana uma pergunta – Eventualmente escolhida e adaptada de entre as que o documento do Sínodo sugere ou outra; cada fim-de-semana, no fim da celebração, cada paroquiano responde a uma.
  2. Um inquérito – Havendo recursos para equipas de inquiridores que vão de casa em casa a passar um conjunto breve de perguntas. Há cuidados especiais a ter, mas é uma oportunidade de ouvir os conterrâneos. Pode fazer-se o inquérito online, havendo aplicações digitais para isso, com a vantagem de tratarem os resultados.
  3. Grupos de conversa – Durante uma hora, um pequeno grupo de vizinhos, de amigos, desejavelmente com opiniões diversas sobre algumas questões previamente definidas (a modalidade pode dirigir-se a grupos de caraterísticas específicas: não crentes; idosos ou jovens; não praticantes; responsáveis de instituições locais, etc.).
  4. Assembleia paroquial – Aberta a todos os membros da comunidade paroquial, eventualmente repetida, se necessário, e a fazer em dia de maior disponibilidade. Poderia incluir uma etapa de trabalho em grupos mais pequenos, com animadores de grupo. Fazendo uma segunda, poderia centrar-se no discernimento sobre a síntese da primeira.
  5. Equipas, grupos e comunidades paroquiais – É uma modalidade análoga à anterior, com a vantagem de permitir uma gestão mais leve e dinâmicas mais focadas em problemáticas.
  6. Um conjunto amplo de vozes de grupos e equipas – O objetivo desta modalidade é possibilitar e potenciar o diálogo inter-grupos, numa comunidade, permitindo uma visão panorâmica da comunidade e uma reflexão mais aprofundada.

Estas sugestões remetem, pontualmente, para um conjunto de materiais de apoio ao processo sinodal da Diocese espanhola de Palência, nomeadamente com grupos de adultos, jovens, crianças e de outros coletivos.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This