“Como se atrevem? Roubaram-me os sonhos. O crescimento económico eterno é um conto de fadas.”

| 24 Set 19 | Casa Comum, Destaques, Newsletter, Últimas

Greta Thunberg no seu discurso perante a Cimeira do Clima na ONU, numa foto captada da imagem vídeo.

 

“Como é que se atrevem? Vocês roubaram-me os sonhos e a infância com as vossas palavras vazias” e só se preocupam com o dinheiro e “os contos de fadas do crescimento económico eterno”, disse segunda-feira, 23 de setembro, uma emocionada Greta Thunberg, a jovem sueca que foi convidada pelo secretário-geral da ONU para falar no início da Cimeira de Ação Climática, em Nova Iorque.

Há um ano, Greta estava sentada sozinha diante do Parlamento sueco numa greve às aulas, em protesto contra a inação dos políticos e em defesa do clima e do ambiente. Um ano depois, ela falou na assembleia mundial, convida por António Guterres. No seu curto discurso de quatro minutos e meio, afirmou: “Eu não devia estar aqui, eu devia estar na escola, do outro lado do oceano.”

Socorrendo-se de alguns números e das provas científicas dos últimos 30 anos, Thunberg afirmou que teve sorte por ter tido a infância que teve, mas que o mesmo não poderia ser dito sobre todas as pessoas que sofrem e morrem todos os dias, cujos ecossistemas desaparecem. E o planeta inteiro está no início de uma extinção em massa, acrescentou, criticando os líderes políticos: “Vocês deixaram-nos cair. Mas os jovens começam a compreender a vossa traição”, disse Greta Thunberg. “Se vocês decidiram deixar-nos cair, eu digo-vos: nós nunca vos iremos perdoar. E não deixaremos que vocês se vão embora assim”, afirmou na sua intervenção, que pode ser vista e ouvida em vídeos disponíveis no YouTube e vários outros média e redes sociais:

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, estava ao lado de Greta a escutá-la atentamente. No final, referiu que “ainda não é demasiado tarde” para atender à emergência climática mundial, mas advertiu que o tempo está a esgotar-se. “A emergência climática é uma corrida que estamos a perder mas que ainda podemos ganhar. A crise climática é provocada por nós e as soluções devem vir de nós. Temos as ferramentas: a tecnologia está do nosso lado”, afirmou, citado pelo Diário de Notícias.

Antes de discursar, Greta ainda viu o Presidente dos EUA, Donald Trump, a chegar ao edifício da ONU. Mas Trump não foi participar na Cimeira do Clima, antes quis estar presente num encontro sobre liberdade religiosa, que decorria também no edifício. De acordo com a TVI, o Presidente dos EUA terá saído da Trump Tower, onde tem a sede das suas empresas, para o edifício da ONU e terá estado com Guterres no encontro sobre liberdade religiosa, tendo também visto o discurso de Greta.

Artigos relacionados

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

Sophia chegou cedo. Tinha dez ou onze anos quando li O Cavaleiro da Dinamarca, cuja primeira edição data de 1964. É difícil explicar o que nos ensina cada livro que lemos. Se fechar os olhos, passados mais de 30 anos, recordo ainda que ali aprendi a condição de pe-regrino, uma qualquer deriva que não só nos conduz de Jerusalém a Veneza, como – mais profundamente – nos possibilita uma iniciação ao testemunho mudo das pedras de uma e às águas trémulas dos canais da outra, onde se refletem as leves colunas dos palácios cor-de-rosa.

Apoie o 7 Margens

Breves

Um posto de saúde para os mais pobres na Praça de São Pedro

O Vaticano inaugurou um posto de saúde na Praça de São Pedro para ajudar os mais pobres e necessitados. O posto é composto por oito ambulatórios e, segundo um comunicado do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização, citado pelo Vatican News, serão disponibilizadas consultas médicas com especialistas, cuidados especiais, análises clínicas e outros exames específicos.

Papa Francisco anuncia viagem ao Sudão do Sul em 2020

“Com a memória ainda viva do retiro espiritual para as autoridades do país, realizado no Vaticano em abril passado, desejo renovar o meu convite a todos os atores do processo político nacional para que procurem o que une e superem o que divide, em espírito de verdadeira fraternidade”, declarou o Papa Francisco, anunciando deste modo uma viagem ao Sudão do Sul no próximo ano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

A morte não se pensa

Em recente investigação desenvolvida por cientistas israelitas descobriu-se que o cérebro humano evita pensar na morte devido a um mecanismo de defesa que se desconhecia.

O regresso da eutanásia: humanidade e legalidade

As Perguntas e Respostas sobre a Eutanásia, da Conferência Episcopal Portuguesa, foram resumidas num folheto sem data, distribuído há vários meses. Uma iniciativa muito positiva. Dele fiz cuidadosa leitura, cujas anotações aqui são desenvolvidas. O grande motivo da minha reflexão é verificar como é difícil, nomeadamente ao clero católico, ser fiel ao rigor “filosófico” da linguagem, mas fugindo ao «estilo eclesiástico» para saber explorar “linguagem franca”. Sobretudo quando o tema é conflituoso…

Cultura e artes

Pedro Abrunhosa a olhar para dentro de nós

É um dos momentos altos do concerto: no ecrã do palco, passam imagens de João Manuel Serra – o “senhor do adeus” que estava diariamente na zona do Saldanha, em Lisboa, a acenar a quem passava – e a canção dá o tom à digressão de Espiritual, de Pedro Abrunhosa, com o músico a convidar cada espectador a olhar para dentro de si.

Trazer Sophia para o espanto da luz

Concretizar a possibilidade de uma perspectiva não necessariamente ortodoxa sobre os “lugares da interrogação de Deus” na poesia, na arte e na literatura é a ideia principal do colóquio internacional Trazida ao Espanto da Luz, que decorre esta sexta e sábado, 8 e 9 de Novembro, no polo do Porto da Universidade Católica Portuguesa (UCP).

As mulheres grávidas e o olhar feminino sobre a crise dos refugiados

Uma nova luz sobre a história dos refugiados que chegam à Europa, evitando retratá-los como “heróis ou invasores”. Francesca Trianni, realizadora do documentário Paradise Without People (Paraíso sem pessoas, em Inglês), diz que o propósito do seu filme, a exibir nesta quinta-feira, 31 de outubro, em Lisboa, era mostrar a crise dos refugiados do ponto de vista feminino.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Parceiros

Fale connosco