Como uma casa pintada se pode confundir com o acto de pintar uma casa

| 9 Ago 2023

bispo Américo Aguiar, fotografado na sede da Fundação JMJ, 1.6.2023.. Foto © António Marujo

 Américo Aguiar, fotografado na sede da Fundação JMJ, 2023.06.01. Foto © António Marujo

 

Não conheço D. Américo Aguiar, nem sequer nunca privei com ele. A seu favor tenho dois argumentos: a minha plena crença na inteligência e no ministério do Papa Francisco, que agora o nomeou cardeal e a afirmação proferida pelo próprio de que a JMJ só teria sentido se depois tudo for diferente.

Neste tempo especial em que ocorreu a JMJ, surgiu uma pretensa polémica que nos quer desviar o olhar do essencial.

Afinal o que se pretende com a JMJ? Dar uma pintura na nossa casa ou habitar uma casa pintada?

Obviamente que dar uma pintadela provoca um imediato impacto visível e agradável; implica a aplicação de tinta com a superficialidade de um gesto, a manifestação pública de uma cor, a centralidade do epidérmico, o protagonismo evidente dos pintores…

Porém viver numa casa pintada é um desafio bem maior: consiste em construir um local que tendo, no mínimo, a mesma beleza exterior, seja o local onde se deseja e se quer viver. E nesta obra não há lugar para canalizações não renovadas, tolerância para fragilidades na impermeabilização, despreocupação com a excelência térmica, pavimentos menos sólidos, portas de abertura difícil (mesmo se robustas), omissão de garantias dinâmicas que preservem a construção – enfim, um processo de construção que conduza a uma casa em que nós e os outros desejamos habitar!

Aqui precisamos de estucadores, canalizadores, ladrilhadores, electricistas, engenheiros e arquitectos que assegurem a qualidade da obra. Estes até podem ser de outras empresas, desde que construam a casa idealizada pelo proprietário. E se a excelência for palpável talvez decidam mudar e habitar uma casa que nunca viram ou sonharam! Obviamente que a pintura só se faz sob orientação expressa ou implícita do pintor… e a qualidade das tintas e dos processos de construção já foram o factor decisivo para escolher o pintor.

Na complexidade da construção e para edificação do produto final contribuíram pessoas que não faziam parte da empresa de pintura, mas emprestaram ao proprietário os seus talentos.

O proprietário não se sentiu ameaçado: ele até sabia do ofício e poderia ter usado recursos próprios; mas ficou contente com a colaboração de outros que, usando métodos eficazes, contribuíram para o seu projecto.

Não precisa de advogados para defender a excelência da sua firma: ele já sabe que a muitos colaboradores a quem tem dado trabalho foram ineficazes. Facilmente se desculparam com a conjuntura, a fraca qualidade dos novos materiais, o desempenho medíocre dos colegas, num processo de transferência psíquica que facilmente recorre ao saudosismo do passado, mesmo se confrontados com o abandono sistemático da casa que realmente tem condições de habitabilidade mais precárias.

É que dar uma pintadela epidérmica ou fazê-la sem qualidade já não cativa…

Deixemo-nos então de remendos superficiais, empacotados em embrulhos vistosos que só deslumbram incautos!

A urgência da casa pintada implica que juntos, na diversidade, nos empenhemos na construção! Sob grave pena de aumentar o número, já imenso, dos sem abrigo!

Obrigado, cardeal Américo, por nos lembrar enfaticamente que é preciso criar condições para encontrar Cristo Vivo…e se construirmos a Sua Casa, é a Sua presença na Casa que a todos nós seduzirá!

 

Luís Parente Martins é médico cardiologista, membro do Departamento de relações ecuménicas e inter-religiosas do Patriarcado de Lisboa e co-responsável do diálogo ecuménico do Movimento dos Focolares.

 

Desfazendo três equívocos sobre Deus

Desfazendo três equívocos sobre Deus novidade

Existem três dificuldades ou equívocos religiosos sobre o carácter de Deus, e que revelam algum desconhecimento sobre Ele. Por isso convém reflectir no assunto. Esses três equívocos sobre os quais nos vamos debruçar de seguida são muito comuns, infelizmente. [Texto de José Brissos-Lino]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

sobre as águas

sobre as águas novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo XII do Tempo Comum B. ⁠Hospital de Santa Marta⁠, Lisboa, 22 de Junho de 2024.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This