Como vender a alma ao diabo

| 6 Out 21

A partir dos anos oitenta, o segmento evangélico norte-americano começou a fragmentar-se com a ascensão da direita religiosa, o envelhecimento de Billy Graham e a perda das missões como a grande prioridade que promovia a sua vitalidade e crescimento.

Trump. Bíblia

Apesar de a maioria dos evangélicos americanos de direita serem moderados e de se incomodarem com o défice de carácter de Trump, apreciavam o seu pensamento sobre temáticas como economia e aborto. Foto  © The White House/Wikimedia Commons.

 

Um antigo editor-chefe da revista cristã Christianity Today, fundada em 1956 por Billy Graham, publicou recentemente um livro em que expõe uma perplexidade. Porque será que o sector evangélico apresenta uma estranha atracção por figuras autoritárias e uma forma bruta de exercer o poder? E por que razão tendem a deixar-se fascinar e a apoiar líderes que não apenas não evidenciam características consonantes com a sua fé como ainda revelam práticas de assédio, misoginia, racismo e outros tipos de discriminação além dum discurso rasteiro e ordinário, como se pode verificar pelos casos de Donald Trump nos EUA e de Jair Bolsonaro no Brasil?

Normalmente, quem tende ao radicalismo é quem não sabe viver em democracia, tem dificuldades de escuta, pouca tolerância e aceitação para o que é diferente, por exacerbamento dos seus medos. Tal insegurança associada ao desconhecimento do outro ajuda a criar um caldo de cultura que prepara o terreno para o surgimento de figuras providenciais e o despoletar de acções extremadas.

Curiosamente, e apesar da atracção por esse abismo moral, estas pessoas tendem a resistir a quaisquer orientações governamentais que afectem a sua vida quotidiana (mesmo em nome de um elevado bem comum como a saúde pública), encarando-as sempre como um ataque à liberdade religiosa e aos seus direitos individuais. Mas se no quadro político um líder autoritário se declarar adepto da fé evangélica (mesmo que não o seja de facto) será sempre bem recebido.

Mark Galli, que lançou recentemente o livro “Quando foi que começámos a esquecer Deus?” sobre a crise das igrejas evangélicas nos Estados Unidos, questiona-se e conclui que “é da natureza humana colocar entre parênteses as falhas morais do seu político favorito. A disposição de tantos em deixar o carácter de lado mostra o triunfo da política sobre a fé.”

O autor tem a noção de que os observadores do fenómeno religioso têm dificuldade em entender, a partir de fora, como este segmento religioso é tão heterodoxo, multifacetado e plural. O americano comum julga que “os evangélicos são basicamente republicanos religiosos em vez de amantes de Jesus”, mas de facto não é assim. De resto, jornais prestigiados como The New York Times e The Atlantic chegaram a publicar matérias elogiosas sobre as igrejas evangélicas nos últimos anos, mas durante a administração Trump a postura mudou e voltaram o preconceito e a ignorância anteriores.

Não se pode afirmar que os evangélicos são anti-vacinas ou que os evangélicos brancos são todos racistas e reaccionários de extrema-direita como alguma imprensa classifica. Mas a verdade é que as placas com mensagens religiosas típicas deste segmento, como “Jesus salva”, na acção de assalto ao Capitólio podem dar a falsa impressão de que este campo religioso concordou em massa com o ataque. Apesar de a maioria dos evangélicos americanos de direita serem moderados e de se incomodarem com o défice de carácter de Trump, apreciavam o seu pensamento sobre temáticas como economia e aborto.

Segundo Mark Galli, “por razões complexas os evangélicos têm uma estranha atração pelo poder bruto e por figuras autoritárias, especialmente se elas se declararem cristãs. Eles gostam de líderes decisivos e que assumem o comando. Por exemplo, aconteceu na Guatemala, onde o brutal ditador Efraín Ríos Montt alcançou grande apoio nos anos oitenta por se dizer evangélico. A forte contradição entre fé e acções (incluindo genocídio) não intimidou a maioria dos evangélicos.” Com efeito, a sede pelo poder é grande e quanto mais poder os evangélicos têm maior é a probabilidade de comprometerem a sua fé.

Nos últimos oitenta anos, o segmento evangélico norte-americano afastou-se do fundamentalismo protestante a fim de se moderar e desde os anos setenta procurou dialogar com a cultura, mas essa abordagem parece ter trazido alguma insegurança sobre a identidade cristã. O facto é que o sector começou a fragmentar-se com a ascensão da direita religiosa, as migrações e a complexificação religiosa dos Estados Unidos, o envelhecimento de Billy Graham e a perda das missões como a grande prioridade promotora da sua vitalidade e crescimento.

Mark Galli parece ter razão na tese de que a direita religiosa americana perdeu o norte ao trocar a sua primogenitura por um prato de lentilhas, isto é, ao desprezar os fundamentos da sua fé em nome de ganhos políticos. Vendeu a alma ao diabo.

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona, coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo e director da revista teológica Ad Aeternum; texto publicado também na página digital da revista Visão.

 

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero

Pedro Strecht apresentou membros

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero novidade

Daqui a um ano haverá relatório, que pode ser o fim do trabalho ou o início de mais. A comissão para estudar os abusos sexuais do clero português está formada e quer que as vítimas percam o medo, a vergonha e a culpa. Ou seja, que dêem voz ao seu silêncio. Pedro Strecht apresentou razões, o presidente dos bispos disse que não quer mais preconceitos nem encobrimentos, mas “autêntica libertação, autenticidade e dignidade para todos”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Encontra um trabalho que não amas, não perderás um minuto da tua vida

Encontra um trabalho que não amas, não perderás um minuto da tua vida novidade

Ainda antes de acabar o curso fui à minha primeira entrevista de trabalho “a sério”, numa produtora de filmes num bairro trendy de Lisboa. Roubei um dia à escrita da tese de mestrado, apanhei o comboio e lá fui eu, tão nervosa quanto entusiasmada. O dono começou por me perguntar se fazer cinema era o meu sonho. Fiquei logo sem chão. Sofri, desde muito cedo, de um mal que me acompanha até hoje: sonhava demais e muitos sonhos diferentes.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This