Comunhão Anglicana: os “Apelos” de Lambeth

| 26 Out 2023

Lambeth Conferencia

Os bispos/as reunidos na Conferência de Lambeth. Foto © LambethConference

 

A Conferência de Lambeth, de bispos anglicanos, convocada de dez em dez anos reuniu a última vez em julho de 2022, para analisar dez tópicos, contendo questões sobre a “igreja segura”, relações ecuménicas, ambiente e desenvolvimento sustentável, sob o lema “A Igreja de Deus para o Mundo de Deus – caminhar, ouvir e testemunhar juntos”. A Conferência foi programada em três fases: uma primeira, entre 2001 e 2002, destinada à “escuta” e preparação dos bispos anglicanos que incluiu conversas online dos bispos entre si sobre o que [o texto bíblico] da Primeira Carta de Pedro lhes dizia a propósito do tema da Conferência e na escuta do povo de cada diocese.

Uma segunda, foi um encontro presencial dos bispos, entre 26 de junho e 8 de agosto de 2022, que combinou oração diária e sessões plenárias, de onde saíram os “Apelos de Lambeth” e uma iniciativa ambiental “A Floresta da Comunhão”. Uma terceira fase, que durará três anos, até 2025, em que os anglicanos são encorajados a discernir sobre os “Apelos de Lambeth” e a colocá-los em prática. Os “Apelos de Lambeth” não são “resoluções” ou “ordens” a serem impostas, mas ligações a serem explorados por toda a Comunhão Anglicana que fortaleçam a vida, com a participação de todos os anglicanos em todo o mundo.

Baseados nas cinco marcas da Comunhão Anglicana (proclamar as boas novas do reino de Deus, ensinar, batizar e nutrir os novos crentes; responder às necessidades humanas com amor; procurar a transformação das estruturas injustas da sociedade; desafiar toda a espécie de violência e buscar a paz e a reconciliação; e lutar para salvaguardar a integridade da Criação, sustentar e renovar a vida da terra) os “Apelos de Lambeth” são dez, assim denominados: 1) Discipulado, 2) Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, 3) Identidade Anglicana 4) Igreja Segura (Safe Church), 5) Ciência e Fé, 6) Dignidade Humana, 7) Unidade Cristã, 8) Missão e Evangelismo, 9) Relações Inter-Religiosas e 10) Reconciliação. Agora fazem parte da reflexão de todo o povo anglicano. Propõe a Conferência de Lambeth que na sua reflexão e ação se sigam as seguintes etapas: “1) Uma declaração, resumindo o que a Igreja Cristã tem ensinado normalmente sobre o tema do “apelo”. 2)Uma afirmação, resumindo o que os bispos e bispas querem dizer sobre os assuntos no momento atual. 3) Apelos específicos a futuras testemunhas, compartilhando ações ou desafios que os bispos e bispas querem oferecer uns/as aos/às outros/as, a colegas cristãos/ãs e ao mundo.”

No momento as igrejas de tradição anglicana debruçam-se sobre o segundo tema, em Portugal também, divulgaram através de sessões várias opiniões e realiza-se nas diversas dioceses a discussão sobre o tema.

Duas razões importantes a reter do seguimento desta metodologia. A primeira é o interesse da Comunhão Anglicana em ampliar os seus apelos a toda(s) a(s) Igreja(s), chamando-a(s) a participar naquilo que os moveu na sua Conferência, e não se limitando a enviar decisões, o que está em linha com os esforços de outras tradições, nomeadamente a Igreja Católica Romana. A segunda, a verificação de uma unidade e diversidade de pensamentos, incluindo o respeito por cada diocese na atuação sobre os seus “apelos”.

 

Joaquim Armindo é diácono católico da diocese do Porto, doutorado em Ecologia e Saúde Ambiental.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro

Frade morreu aos 85 anos

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro novidade

O último alarme chegou-me no dia 10 de Fevereiro. No dia seguinte, pude vê-lo no IPO do Porto, em cuidados continuados. As memórias que tinha desse lugar não eram as melhores. Ali tinha assistido à morte de um meu irmão, a despedir-se da vida aos 50 anos… O padre Morgado, como o conheci, em Lisboa, há 47 anos, estava ali, preso a uma cama, incrivelmente curvado, cara de sofrimento, a dar sinais de conhecer-me. Foram 20 minutos de silêncios longos.

Mata-me, mãe

Mata-me, mãe novidade

Tiago adorava a adrenalina de ser atropelado pelas ondas espumosas dos mares de bandeira vermelha. Poucos entenderão isto, à excepção dos surfistas. Como explicar a alguém a sensação de ser totalmente abalroado para um lugar centrífugo e sem ar, no qual os segundos parecem anos onde os pontos cardeais se invalidam? Como explicar a alguém que o limiar da morte é o lugar mais vital dos amantes de adrenalina, essa droga que brota das entranhas? É ao espreitar a morte que se descobre a vida.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This