Comunhão na mão e reverência pelo divino

| 29 Jun 2020

Comunhão na mão e reverência pelo divino

| 29 Jun 20

Entre as múltiplas adaptações suscitadas dentro da Igreja Católica com a covid-19 está a forma de comungar, que passou a ser obrigatoriamente na mão e não na boca.

Em traços gerais, a comunhão na mão foi a regra nos primeiros nove séculos de cristianismo, situação que se alterou pelas profanações que se começaram a verificar com alguma regularidade. A comunhão na boca passou nessa altura a ser a regra, até ao Concílio Vaticano II, que veio abrir de novo a possibilidade da comunhão na mão.

Atualmente (fora da situação que estamos a viver), pode comungar-se das duas maneiras, na mão e na boca, com as devidas disposições: ter consciência de não estar em pecado mortal e perceber que se está a receber o Corpo de Cristo – o celebrante explicita isso mesmo e espera por um “ámen” antes de distribuir a sagrada comunhão.

Considerar que a nossa boca tem mais dignidade do que as nossas mãos para tocar Cristo nega a verdade essencial da redenção, de cada pessoa inteira, de toda a humanidade.

A comunhão na boca pode ter-se tornado, no tempo, um sinal exterior de maior respeito pela presença real de Jesus na Eucaristia, mas não é correto considerar que a comunhão na mão, permitida pela Igreja, seja uma degenerescência do verdadeiro cristão. Como começámos por dizer, essa foi a regra na Igreja nos primeiros nove séculos de cristianismo.

A atitude que assumimos na forma como comungamos deve traduzir sobretudo a total consciência da distância a que estamos d’Aquele que vem a nós, totalmente escondido nas espécies do pão e do vinho, mas nelas totalmente presente em corpo, sangue, alma e divindade.

Comungar obrigatoriamente na mão obrigar-nos-á a cuidar mais da reverência interior em relação ao sacramento, a termos mais atenção ao gesto, à própria limpeza das mãos. Levar-nos-á talvez a fazer mais atos de reparação e de louvor, por aqueles (às vezes nós) mais desatentos ou rotinizados. Mas não fará de nós mais ou menos pecadores do que éramos comungando na boca.

Os excessos de zelo em relação a este tema retomam alguns velhos vícios de uma religiosidade enviesada, que já existiam antes de Cristo: colocar a forma antes do fundo, avaliar a maior dignidade de um membro sobre outro, julgar os outros pelo exterior e não pelo interior, e, pior do que isso, pensar que receber Nosso Senhor é um prémio para os bem-comportados, os “limpos”, os que merecem recebê-Lo.

O ser mais santo à face da Terra não recebe Cristo por o merecer, mas porque Deus é imensamente bom para vir a ele. Há mais distância entre o mais santo da Terra em relação a Deus, do que entre o mais santo da Terra e o mais empedernido pecador.

Porque, essencialmente, somos todos criaturas diante do seu Criador. A diferença está na natureza: Deus que se dá é divino e nós que O recebemos somos humanos, criaturas. Resgatados, feitos filhos no Filho, mas criaturas. E a graça da fé que levamos não nos pertence, é dele integralmente.

O que se nos dá é isso mesmo, Dom Total. Por mais que façamos, a graça de Deus é sempre imerecida. Pensar que receber Deus na comunhão é um merecimento torna-nos soberbos como o fariseu que não saiu justificado do Templo (Evangelho de Lucas 18, 9-14).

A Comunhão é um dom maior. Comungar na boca ou na mão deve ser sempre um ato de extrema humildade na consciência de que tudo recebemos d’Aquele que se nos oferece assim, dessa forma tão despojada.

Na boca ou na mão, recebamos Jesus. Sem discussões vãs e apenas com sede dele, como ele tem de nós.

 

Dina Matos Ferreira é consultora e docente universitária

 

[related_posts_by_tax format=”thumbnails” image_size=”medium” posts_per_page=”3″ title=”Artigos relacionados” exclude_terms=”49,193,194″]

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Bairro é embaixador dos ODS

No Zambujal, vai nascer um mural para defender a gestão sustentável da água

O Bairro do Zambujal, localizado na freguesia de Alfragide (Amadora), está cada vez mais perto de se tornar “o primeiro bairro embaixador dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)”. Com cinco dos seus edifícios a servir já de tela para uma série de murais que ilustram esses mesmos objetivos, prepara-se agora para receber a próxima pintura, dedicada à defesa do “ODS 6 – Água Potável e Saneamento”. Os trabalhos iniciais foram revelados nesta sexta-feira, 22 de março, data em que se assinala o Dia Mundial da Água.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

É notícia

Entre margens

O exemplo de Maria João Sande Lemos

O exemplo de Maria João Sande Lemos

Se há exemplo de ativismo religioso e cívico enquanto impulso permanente em prol da solidariedade, da dignidade humana e das boas causas é o de Maria João Sande Lemos (1938-2024), que há pouco nos deixou. Conheci-a, por razões familiares, antes de nos encontrarmos no então PPD, sempre com o mesmo espírito de entrega total. [Texto de Guilherme d’Oliveira Martins]

Escravatura e racismo: faces da mesma moeda

Escravatura e racismo: faces da mesma moeda

Nos últimos tempos muito se tem falado e escrito sobre escravatura e racismo no nosso país. Temas que nos tocam e que fazem parte da nossa história os quais não podemos esconder. Não assumir esta dupla realidade, é esconder partes importantes da nossa identidade. Sim, praticámos a escravatura ao longo de muitos séculos, e continuamos a fechar os olhos a situações de exploração de pessoas imigradas, a lembrar tempos de servidão.[Texto de Florentino Beirão]

Deixar-se atrair pelo “piscar de olhos” literário

Deixar-se atrair pelo “piscar de olhos” literário

Um mar de gente passeava pelo meio de uma imensidão de livros. Aqui e ali viam-se famílias, amigos ou pessoas em solitude. Mais do que uma Feira do Livro, aquele espaço tornava-se numa experiência de encontro com a intemporalidade das palavras e ideias que alimentam a nossa mente. [Texto de Miguel Panão]

Cultura e artes

“Montesinho é um ambiente excecional para trabalhar a música”, diz Matilde Loureiro

Festival Música na Paisagem

“Montesinho é um ambiente excecional para trabalhar a música”, diz Matilde Loureiro

Debaixo de um enorme castanheiro, duas jovens músicas tocam uma peça de Mozart escutada por uma roda de oito dezenas de pessoas – é o Festival Música na Paisagem que desde 2019 acontece todos os anos na aldeia de Montesinho, no norte do conselho de Bragança. Em entrevista ao 7MONTES, Matilde Loureiro, diretora artística do festival, recorda como nasceu esta iniciativa que leva a música clássica aos lugares mais quotidianos da aldeia de Montesinho onde há “um ambiente excecional para trabalhar e aprender música”.

Beethoven no Música na Paisagem

Festival a 7 e 8 de setembro

Beethoven no Música na Paisagem

O Festival Música na Paisagem decorre este ano em Montesinho e na Espinhosela, nos dias 7 e 8 de setembro, e Beethoven é o compositor central de um programa que ainda está a ser ultimado, mas que o 7MONTES sabe incluirá ainda obras de outros compositores do período barroco e moderno.

Sete Partidas

“O 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba”

“O 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba”

O último dia de “Reflexos e Reflexões” prometia uma tarde bem preenchida: o debate sobre “o 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba”, e a peça de teatro “House”, de Amos Gitai, pelo teatro La Colline. Aqui deixo uma síntese do debate, que tentei fazer com a maior fidedignidade possível, a partir dos apontamentos que fui tomando (era proibido tirar fotografias ou fazer gravações, para garantir que todos se sentiam mais livres para falar). [Texto de Helena Araújo]

Aquele que habita os céus sorri

sobre as águas

sobre as águas novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo XII do Tempo Comum B. ⁠Hospital de Santa Marta⁠, Lisboa, 22 de Junho de 2024.

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

sobre as águas

sobre as águas novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo XII do Tempo Comum B. ⁠Hospital de Santa Marta⁠, Lisboa, 22 de Junho de 2024.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo”

Na Casa de Oração Santa Rafaela Maria

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo”

Estamos neste mundo, não há dúvida. Mas como nos relacionamos com ele? E qual o nosso papel nele? “Estou neste mundo como num grande templo”, disse Santa Rafaela Maria, fundadora das Escravas do Sagrado Coração de Jesus, em 1905. A frase continua a inspirar as religiosas da congregação e, neste ano em que assinalam o centenário da sua morte, “a mensagem não podia ser mais atual”, garante a irmã Irene Guia ao 7MARGENS. Por isso, foi escolhida para servir de mote a uma tarde de reflexão para a qual todos estão convidados. Será este sábado, às 15 horas, na Casa de Oração Santa Rafaela Maria, em Palmela, e as inscrições ainda estão abertas.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This