Comunicar na era do coronavírus

| 6 Abr 20

Nas margens da filosofia (XVIII)

Cada época tem as suas doenças paradigmáticas (…). Apesar do medo descomunal de uma pandemia gripal, não vivemos presentemente na época viral. Graças ao desenvolvimento da técnica imunológica, já a conseguimos ultrapassar.

(Byung-Chul Han, A Sociedade do Cansaço.[1])

O excerto que acima citamos pertence a uma obra publicada na Alemanha, em 2010, pelo filósofo sul coreano Byung-Chul Han. A fase que presentemente vivemos desmente esta constatação. Os efeitos devastadores do novo coronavírus eram desconhecidos e totalmente imprevisíveis e não podemos censurar o filósofo por não ter praticado futurologia. O optimismo revelado por Han quanto à nossa capacidade de combater os vírus revelou-se excessivo. Mas tal facto não põe em causa a análise por ele desenvolvida quanto às doenças neuronais típicas da nossa época, resultantes de um excesso de positividade, ou seja, de um excesso do idêntico: “A violência da positividade não pressupõe qualquer hostilidade. Pelo contrário, ela desenvolve-se numa sociedade permissiva e satisfeita.”[2] Trata-se de uma violência que não vem de fora, ela é inerente ao sistema e, como tal, é tanto mais perigosa quanto não é consciencializada.

Byung-Chul Han é um observador perspicaz da sociedade contemporânea, por ele designada de várias maneiras, como “a sociedade do cansaço” ou “a sociedade da transparência”. Professor universitário em Berlim, ele analisa criticamente aquilo que designa como “o inferno do igual”, ou seja, algo de inevitável naqueles que a todo o custo pretendem ser diferentes mas que, na realidade, se aproximam por esse desejo comum – aliás não conseguido – de originalidade.

É interessante o modo como justifica essa sua tese recorrendo aos meios de comunicação, considerando que estes substituíram as relações humanas por meras conexões. Certamente que, ao escrever estas obras, o filósofo estava longe de imaginar o que nos levou à situação que presentemente vivemos, onde o contacto real é abolido e as pessoas se limitam a comunicar virtualmente.  Os likes que constantemente enviamos a amigos e conhecidos via Facebook e WhatsApp são a melhor prova desse desejo de sintonia, de apreciar de igual modo o mesmo, de partilhar o riso e de lamentar o trágico. Basta-nos um clique para sintonizarmos com o mundo e fazemo-lo exaustivamente, o que provoca um cansaço e um esgotamento que, segundo ele, podem levar “a um enfarte de alma” (Sociedade do Cansaço, p. 52).

A actual situação que o surto do coronavírus nos impõe, obriga-nos a viver num mundo visual, por vezes acompanhado de audição. Mas impede o toque e o abraço, a presença física dos familiares e dos amigos, os encontros, as refeições em comum, os passeios. Limitamo-nos a trocar posts, relatos anedóticos, vagas saudações e perguntas, tudo misturado com as múltiplas parvoíces que abundam da net. É uma época trágica onde, no entanto, estamos permanentemente a rir com as graças que nos mandam, a maior parte das vezes construídas sobre situações insólitas fruto de conexões abusivas, deliberadamente feitas para nos porem bem-dispostos.

Byung-Chul Han lembra-nos que vivemos numa época de ludificação permanente, jogamos constantemente com centenas de amigos e de desconhecidos a quem mandamos as mesmas mensagens, o que mata a verdadeira comunicação que é pessoal e, consequentemente única. Transmitimos e retransmitimos, enviamos e reenviamos textos que nos mandaram e que, de seguida, encaminhamos para inúmeros destinatários, muitos deles quase desconhecidos. Neste excesso de oferta que nos transforma em auditório, esquecendo as irredutíveis diferenças que permitem a amizade e o amor, os nossos amigos transformam-se em público, gente que irmanamos no mesmo gesto de enviar mensagens.

Marco de correio.

Marco de correio: escrever uma carta implica um cerimonial e uma expectativa. Foto © Juliana Filipa Marques Lima/Wikimedia Commons

Quando penso nos meus netos que, nestas circunstâncias de exílio forçado, comunicam comigo e com os amigos através da net e do telemóvel, interrogo-me se algum deles alguma vez recebeu uma carta. Sem saudosismo lembro todo o cerimonial que era escrevê-la – ter papel, caneta, envelope, selo. Ir ao correio e esperar dias pela resposta. Dir-me-ão que era um cerimonial caduco, ultrapassado pela rapidación em que se transformou a nossa vida e pela exigência de resolução imediata de problemas prementes. Mas a espera é um elemento que amadurece, a expectativa faz parte integrante da vida, prepara-nos para ela e faz-nos crescer. A imediatez uniformiza e apequena.

Nas cartas, perpassam as inquietações de um viver diário, elas expõem-no, explicam-no e demonstram-no com um vagar incompatível com as mensagens telegráficas das SMS. Nelas se revela a personalidade concreta de quem as escreve, alguém que se situa num espaço e habita um corpo. As cartas são íntimas, subjectivas e frontais, obrigam a uma auto-revelação e manifestam cumplicidades, mostrando a verdade da afirmação de Mc Luhan, ao escrever “o meio é a mensagem”[3].

Os meios de comunicação que hoje dominam são rápidos, eficazes e objectivos. São fáceis de manusear e chegam, em avalanche, ao mundo inteiro, iludindo-nos, no entanto, quanto à compreensão do mesmo. Porque, como escreve Byung-Chul Han: “Um aumento de informação e de comunicação, por si só, não esclarece o mundo (…) Quanto maior é a informação que se mobiliza, mais intrincado se torna o mundo. A hiperinformação e a hipercomunicação não injectam luz na  obscuridade.”[4]

Maria Luísa Ribeiro Ferreira é professora Catedrática de Filosofia da Faculdade de Letras de Universidade de Lisboa. 

 

Notas

[1]Byung-Chul Han, A Sociedade do Cansaço, Lisboa, Relógio D’Água, 2014. Lembro outras das suas obras traduzidas para português pela mesma editora: A Agonia de Eros, 2014; A Sociedade da Transparência, 2014,; Psicopolítica, 2015.

[2] A Sociedade do Cansaço,p.16.

[3] “The media is the message”, Marshall McLuhan, Understanding Media: The Extensions of Man, MIT, Press, 1994.

[4] Byung-Chul Han, A Sociedade da Transparência, p. 62

Artigos relacionados

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Quem conhece o Enzo Bianchi, quem já se refletiu naqueles olhos terríveis de fogo, como são os olhos de um homem “que viu Deus”, sabe do seu caráter enérgico, por vezes tempestuoso, firme, de quem não tem tempo a perder e que por isso urge falar sempre com parresía, isto é, com franqueza, com verdade. Enzo habitou-nos a isso, habituou os monges e as monjas de Bose a isso. O exercício da autoridade, a gestão do governo e o clima fraterno da Comunidade sempre tiveram a sua marca, esta marca.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Igreja Católica contesta alteração da lei de biotecnologia na Noruega novidade

Um comité de especialistas da diocese de Oslo acusa a alteração à lei da biotecnologia, aprovada na semana passada pelo parlamento norueguês de “abolir os direitos das crianças” e “abrir caminho à eugenia”, dando a possibilidade de, mediante testes pré-natais precoces, fazer abortos nos casos em que o feto apresente patologias ou seja de um sexo diferente do desejado pelos futuros pais.

Vaticano transformado em colónia de férias no mês de julho

A pensar nos funcionários da Santa Sé que têm filhos pequenos, o Papa Francisco decidiu abrir aos portas do Vaticano para receber as crianças durante o mês de julho. A organização da colónia de férias ficou a cargo do Governatorato e será animada pela comunidade de Salesianos do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha novidade

Pode parecer estranho, mas é verdade: muitas pessoas na Alemanha, em particular as mais jovens, nunca conheceram judeus, a não ser pelos livros de História. Para aumentar a exposição e o contacto com esta comunidade, que atualmente corresponde a menos de 0,2% da população daquele país, o Conselho Central de Judeus lançou o projeto “Conhece um Judeu”, que vai apresentar judeus a não judeus e pô-los a conversar.

É notícia

Entre margens

Violência contra as Mulheres: origens novidade

Olhando para os dados neste contexto de pandemia, mais uma vez dei por mim a pensar de onde virá a persistência estrutural do fenómeno da violência doméstica e de género, esta violência que assenta num exercício de poder exacerbado, descontrolado, total, de alguns homens em relação às suas companheiras, em que elas não são mais do que um objeto de posse sobre o qual se pode tudo.

Credo novidade

O Deus em que acredito não é pertença de ninguém, não tem registo, é sem patente. É polifónico, é um entrecruzar de escolhas e de acasos, de verdades lidas nos sinais dos tempos, de vida feita de pedaços partilhados e também de sonhos.

Vem Espírito Santo e renova a face da Igreja

Em abril de 2013, nas Jornadas de Teologia da Caridade, subordinadas ao Tema “A força evangelizadora da caridade”, promovidas pela Cáritas Espanhola, em Salamanca, conheci, ao tempo, o arcebispo de Tânger, Santiago Agrelo Martínez. Fiquei fascinado pela profundidade do seu pensamento, pela simplicidade no trato e pela suas coragem e clarividência pastorais.

Cultura e artes

Diálogos com Paulo Freire

Trata-se de dois livros inspirados na filosofia de Pauloreire, a quem de há largos anos chamo meu “Mestre”: o primeiro, de Christopher Damien Auretta, Diz-me TU quem EU sou: Diálogo com Paulo Freire. O segundo, do mesmo autor com João Rodrigo Simões: Autobiografia de uma Sala de Aula: Entre Ítaca e Babel com Paulo Freire (Epistolografia).

“Travessia com Primavera”, um exercício criativo diário

O desafio partiu da Casa Velha, associação de Ourém que liga ecologia e espiritualidade: um exercício artístico e criativo diário, a partir da Bíblia. Sandra Bartolomeu, irmã das Servas de Nossa Senhora de Fátima, apaixonada pela pintura, aceitou: “Algo do género, entre a oração e o desenho – rezar desenhando, desenhar rezando ou fazer do desenho fruto maduro da oração – já emergia em mim como um apelo de Deus, convite a fazer do exercício do desenho e da criação plástica meio para contemplar Deus e dar concretude à sua Palavra em mim”, diz a irmã Sandra. O 7MARGENS publica dez aguarelas resultantes desse exercício.

A poesia é a verdade justa

“A coisa mais antiga de que me lembro é dum quarto em frente do mar dentro do qual estava, poisada em cima duma mesa, uma maçã enorme e vermelha”, escreve Sophia de Mello Breyner na sua Arte Poética III. Foi destas palavras que me lembrei ao ver o filme Poesia do sul coreano Lee Chang-dong, de 2010

Hinos e canções ortodoxas e balcânicas para a “Theotokos”

Este duplo disco, Hymns and Songs to the Mother of God reúne, como indicado no título, hinos bizantinos (o primeiro) e canções tradicionais (o segundo), dedicados à Mãe de Deus. O projecto levou três anos a concretizar, entre a recolha, estudo e gravação, como conta a própria Nektaria Karantzi na apresentação.

Sete Partidas

Retrospectiva

Regresso algures a meados de 2019, vivíamos em Copenhaga, e recupero a sensação de missão cumprida, de alguma forma o fechar de um ciclo ao completarmos 10 anos de vida na Dinamarca e nos encontrarmos em modo de balanço das nossas vidas pessoais, profissionais e também da nossa vida interior. Recordo uma conversa com uma querida amiga, onde expressei desta forma o meu sentimento: “a nossa vida aqui é boa, confortável, organizada, segura, previsível, mas não me sinto feliz.”

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco