Contributos para o Sínodo (7)

Comunidade João XXIII: Antecipar a Igreja do futuro na prática eclesial de base

| 13 Jun 2022

Antecipar a Igreja do futuro é assumir uma prática de Comunidade Eclesial de Base, no apelo a uma igreja doméstica, na revisão de vida, na solidariedade com pobres e excluídos/as, na recusa do clericalismo e na prática igualitária entre homens e mulheres. Esta é a proposta do documento sinodal da Comunidade de Acolhimento João XXIII, de Coimbra, em resposta à maior auscultação alguma vez feita à escala planetária, lançada pelo Papa Francisco, para preparar a assembleia do Sínodo dos Bispos de 2023. Esse coro imenso de vozes não pode ser silenciado, reduzido, esquecido, maltratado. O Espírito sopra onde quer e os contributos dos grupos que se formaram para ouvir o que o Espírito lhes quis dizer são o fruto maduro da sinodalidade. O 7MARGENS publica alguns desses contributos, estando aberto a considerar a publicação de outros que queiram enviar-nos.

Celebração da Comunidade João XXIII: "Este apelo de Francisco vai inequivocamente no sentido de regressarmos à radicalidade da experiência da partilha fraterna de vida, posta em prática pelas comunidades cristãs dos primeiros dois séculos". Foto © Raimundo Mendes da Silva, cedida pelo autor

Celebração da Comunidade João XXIII: “Este apelo de Francisco vai inequivocamente no sentido de regressarmos à radicalidade da experiência da partilha fraterna de vida, posta em prática pelas comunidades cristãs dos primeiros dois séculos”. Foto © Raimundo Mendes da Silva, cedida pelo autor

 

  1. Chamados à ousadia de ser Igreja

Enquanto comunidade eclesial, sentimo-nos profundamente interpelados pela convocatória de Francisco para que pensemos a Igreja que queremos ser, capaz de corresponder aos anseios e aos desafios profundos do nosso tempo sob o impulso contínuo do Espírito.

Entendemos a sinodalidade como “o específico modus vivendi et operandi da Igreja” (Documento Preparatório, 10 – passará a citar-se como DP), ou seja, como “um processo eclesial participativo e inclusivo de cada um e particularmente dos que se encontram à margem” (DP, 2).

Conforta-nos a noção de que “[o] objetivo do Sínodo não consiste em produzir documentos, mas em ‘fazer germinar sonhos, suscitar profecias e visões, fazer florescer a esperança, estimular confiança, faixar feridas, entrançar relações, ressuscitar uma aurora de esperança, aprender uns dos outros e criar um imaginário positivo que ilumine as mentes, aqueça os corações, restitua força às mãos’” (DP, 32). Está o povo de Deus, no seu todo, chamado a encontrar não apenas “novas linguagens da fé e renovados percursos”, mas, mais que isso, a “voltar a fundar o caminho da vida cristã eclesial” (DP, 7) e a “imaginar um futuro diferente para a Igreja e para as suas instituições” (DP, 9).

Para nós, este apelo de Francisco vai inequivocamente no sentido de regressarmos à radicalidade da experiência da partilha fraterna de vida, posta em prática pelas comunidades cristãs dos primeiros dois séculos, e de assumirmos essa radicalidade como o alicerce do “futuro diferente para a Igreja”.

 

  1. Somos Igreja assim

A Comunidade de Acolhimento Cristão João XXIII nasceu da busca de gente com histórias pessoais muito diferenciadas por um espaço de vida cristã, incluindo a celebração da fé, cuja marca essencial fosse sempre a imitação da vida de Jesus para lá das arrumações administrativas ou dos códigos disciplinares. Alguns de nós cruzaram- se nos caminhos da antiga JEC [Juventude Escolar Católica], JUC [Juventude Universitária Católica] e MCE [Movimento Católico de Estudantes], outros/as não. Alguns ficaram ligados à Universidade, outros/as não. Alguns casaram e tiveram filhos que quiseram educar na Fé́ que é a sua, outros/as não. Alguns partiram entretanto para o regaço do Pai e a celebração das suas vidas estreitou a nossa vida de comunidade.

Uma comunidade como a nossa sai fora do âmbito da paróquia clássica e dos movimentos de apostolado. Enquanto comunidade de partilha de vida e de confronto dessa vida com o Evangelho, a nossa inspiração mais próxima é a das Comunidades Eclesiais de Base.

Aí encontramos características em que reconhecemos o que deve ser a forma de o povo crente se organizar: a) um grupo eclesial de crentes reduzido para facilitar as relações interpessoais profundas e uma comunicação dinâmica; b) que mantém uma atitude crítica e dialogante na Igreja e suas instituições; c) que celebra fraternalmente a fé, a esperança e o amor num clima festivo e participativo, dando o protagonismo à comunidade; d) que exerce corresponsavelmente os diferentes ministérios e carismas, livremente concedidos pelo Espírito, superando as rígidas oposições entre clero e leigos, Igreja docente e discente, hierarquia e povo; e) que faz uma opção incondicional pelos pobres; f) que está presente na sociedade, contribuindo para a sua transformação através de um compromisso sócio-politico plural, libertador de toda a comunidade mas também de cada um dos seus membros; f) que busca uma articulação teológica entre a utopia histórica de uma sociedade igualitária e a esperança escatológica.

Em tudo isto há afinal um retomar do espírito e vivência das primeiras comunidades de seguidores da vida de Jesus. Comunidades como as de Jerusalém, de Corinto, de Antioquia e todas as que se seguiram na história e que procuraram retornar ao espírito evangélico de pobreza e fraternidade da Igreja primitiva e praticar a denúncia evangélica da hierarquização das estruturas eclesiásticas, estimulando no seu seio a participação igualitária de todos/as.

Ao inscrever-se neste modo de ser Igreja, a Comunidade de Acolhimento Cristão João XXIII assume-se como uma experiência da eclesiologia de comunhão (comunitária, participativa e igualitária) que a [Constituição do Concílio Vaticano II sobre a Igreja] Lumen Gentium acolhe como desafio para o nosso tempo. Esta eclesiologia de comunhão foi concretizada no documento de Puebla da III Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano, na centralidade conferida às Comunidades Eclesiais de Base que “criam maior inter-relacionamento pessoal, aceitação da Palavra de Deus, revisão de vida e reflexão sobre a realidade à luz do Evangelho e acentuam o compromisso com a família, o trabalho, o bairro e a comunidade local” (Puebla, 629).

 

Comunidade João XXIII em escuta sinodal. Foto © Raimundo Mendes da Silva, cedida pelo autor

 

  1. Antecipar agora a Igreja do futuro

Mais do que reflexões conceptuais ou doutrinárias, o nosso contributo para o caminho sinodal da Igreja é a nossa prática de Comunidade Eclesial de Base. Na resposta às exigências e as dificuldades que o tempo presente coloca ao movimento cristão, a Comunidade de Acolhimento Cristão João XXIII procura trazer de volta o sentido profundo da partilha de vida que marcou as comunidades de imitação e seguimento de Jesus ao longo do tempo. Sublinhamos quatro elementos desta nossa experiência como fragmentos dessa imaginação da Igreja do futuro que Francisco coloca como objetivo deste sínodo:

  1. a) Assumimos por inteiro o chamamento a uma igreja doméstica ou igreja de casa. Celebramos a nossa fé e as nossas vidas nas casas dos membros da comunidade, de forma rotativa, cabendo a esses membros em concreto a preparação da celebração, designadamente nas pistas para a partilha dos ecos da palavra nas vidas de cada um/a. Essa escolha ganhou novos contornos com os constrangimentos de contacto social resultantes da pandemia: as nossas celebrações passaram a ser feitas em videoconferência. Não encaramos este recurso aos mecanismos de reunião à distância como definitivo, mas ele permitiu um outro alcance da comunidade, por passar a agregar pessoas residentes em diferentes locais do país, decorrendo a consagração e a comunhão na casa dos responsáveis pela preparação semanal.
  2. b) Assumimos como núcleo da nossa prática de comunidade eclesial a revisão de vida. Ver os sinais dos tempos que se manifestam no quotidiano de cada um/a de nós, julgar a nossa realidade de cada momento à luz dos critérios do Evangelho e do testemunho de vida de Jesus, agir individual e comunitariamente de forma plenamente fraterna e solidária com os/as pobres, discriminados/as e excluídos/as.
  3. c) Recusamos o clericalismo como expressão de uma cultura de poder totalmente contrária à liberdade e à responsabilidade de todos/as os/as filhos/as de Deus. Na partilha da vida e da fé, na prática da oração, na preparação das celebrações da eucaristia, membros leigos e membros ordenados somos todos um só em Cristo.
  4. d) A igualdade entre homens e mulheres nas responsabilidades e nos carismas da comunidade é, para nós, muito mais que um princípio, é uma prática basilar, que afasta construções teológicas ou eclesiais que naturalizam a discriminação das mulheres, perpetrada durante séculos na Igreja.

 

  1. Viver a igreja como fraternidade

Concluímos reafirmando a nossa vontade de concretizar cada vez mais a fraternidade e a sinodalidade que são a própria igreja em que todas e todos sejam “irmãs e irmãos iguais em dignidade, diferentes nas funções e solidariamente responsáveis”.

 

Coimbra, 26 de março de 2022
Comunidade de Acolhimento Cristão João XXIII

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa novidade

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

O que têm dito os papas sobre a paz

Debate e oração no Rato, em Lisboa

O que têm dito os papas sobre a paz novidade

As mensagens dos Papas para o Dia Mundial da Paz é o tema da intervenção do padre Peter Stilwell neste sábado, 3 de Dezembro (Capela do Rato, em Lisboa, 19h), numa iniciativa integrada nas celebrações dos 50 anos da vigília de oração pela paz que teve lugar naquela capela, quando um grupo de católicos quis permanecer em oração durante 48 horas, em reflexão sobre a paz e contra a guerra colonial.

Ministro russo repudia declarações do Papa

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa novidade

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This