Condenação católica das relações entre pessoas do mesmo sexo analisada (e contestada) à lupa

| 4 Mai 2021

Manifestação a favor do casamento homossexual. Foto @Ian Taylor | Unsplash

O Instituto Wijngaards divulgou nesta terça-feira, 4 de maio, um “novo estudo interdisciplinar e inovador que refuta as objeções cristãs às relações entre pessoas do mesmo sexo”, elaborado por uma vintena de teólogos e professores universitários de vários continentes. Outros 60 académicos assinam um documento em que sublinham a importância das conclusões e recomendações daquela investigação.

Intitulado Objeções cristãs às relações entre pessoas do mesmo sexo: uma avaliação académica, o estudo de 80 páginas discute, ponto por ponto, os principais argumentos teológicos, bíblicos, científicos e morais que sustentam a condenação por parte do magistério da Igreja Católica das relações entre pessoas do mesmo sexo.

Criado pelo então padre John Wijngaards como organização não-lucrativa em 1983, na arquidiocese católica de Westeminster (Inglaterra), o Instituto Wijngaards começou por produzir materiais de apoio à formação de adultos na fé cristã e desde o final dos anos 90 disponibiliza um vasto conjunto de obras sobre o tema da ordenação das mulheres, ética sexual cristã, autoridade e democracia na Igreja Católica e outros temas.

 

Os confins da fenomenologia

Emmanuel Falque na Universidade de Coimbra novidade

Reflectir sobre os confins da fenomenologia a partir do projecto filosófico de Emmanuel Falque é o propósito da Jornada Internacional de Estudos Filosóficos, “O im-pensável: Nos confins da fenomenalidade”, que decorrerá quinta-feira, dia 26 de Maio, na Universidade de Coimbra (FLUC – Sala Vítor Matos), das 14.00 às 19.00. O filósofo francês intervirá no encerramento da iniciativa.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição” novidade

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Humanizar não é isolar

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This