“Conferências de Maio” em vídeo debatem as crises e a esperança pós-pandemia

| 4 Mai 2021

António José Paulino, Bratislava, escultura

“A pandemia faz-nos também tomar consciência do valor e da importância das pessoas comuns que estão à nossa volta e de que sozinhos não somos nada.” Foto: Escultura em Bratislava. © António José Paulino


Debater as quatro crises identificadas pelo Papa Francisco no discurso do início deste ano ao Corpo Diplomático e os modos de “renovar a esperança para lá da pandemia” é o mote das Conferências de Maio, iniciativa habitual do Centro de Reflexão Cristã (CRC), de Lisboa, que neste ano decorre via digital.

Com sessões todas as quartas-feiras, a partir das 18h, o programa inicia-se já neste dia 5, com a conversa sobre como “construir um mundo mais solidário face à doença e à morte”, com a participação do padre António Pedro Monteiro (capelão hospitalar), a jornalista do Expresso Christiana Martins e a enfermeira e professora universitária Mara de Freitas.

No dia 12, o debate será sobre a crise ambiental, com a participação de Francisco Ferreira, presidente da Associação Zero, José Sá Fernandes, vereador da Câmara de Lisboa, e Sara Borges, técnica do Departamento de Cidadania Global e Desenvolvimento da Fundação Gonçalo da Silveira.

A 19, o tema é a crise económica e social e conta com o economista Carlos Farinha Rodrigues, a presidente da Cáritas Portuguesa, Rita Valadas, e Rita Sacramento Monteiro, uma das dinamizadoras da iniciativa A Economia de Francesco, em Portugal.

Finalmente, a 26 de Maio, “Renovar a política e a democracia” é o tema a debater por Isabel Capeloa Gil (reitora da Universidade Católica), Isabel Estrada Carvalhais (eurodeputada pelo Partido Socialista) e Sara Belo Luís (jornalista da Visão).

Os encontros decorrem através da plataforma Zoom, com o ID da reunião 814 2179 7207 e a senha de acesso 774423.

 

 

Igreja precisa mais dos média do que o contrário

Debate 7M: A Igreja e os média (1)

Igreja precisa mais dos média do que o contrário novidade

Quando se pergunta se em Portugal a relação da Igreja com os média e os jornalistas é boa, uma resposta simplista é sempre uma má resposta, principalmente porque estamos a falar de uma instituição, a Igreja Católica, que por si só é uma multiplicidade de realidades. Para ser honesto, prefiro responder que não há uma resposta, mas muitas respostas, tantas quanto as instituições ou os serviços que constituem a Igreja portuguesa.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

… E de novo tostões e milhões!

[Segunda Leitura]

… E de novo tostões e milhões! novidade

Para o sr. Berardo, pelos vistos, um milhão de euros deve ser uma ninharia. Porque ele deve cerca de 900 milhões. Ou seja: gente como nós precisava de viver novecentas vidas para acumular esse montão de notas. E como é que alguém, no espaço de meia dúzia de anos, consegue ficar a dever 900 milhões de euros?… Como?…

O melhor seria

O melhor seria novidade

Tive três filhos e perdi quatro. Por um deles, que não sobreviveu in utero, fui levada para uma ala da maternidade onde havia mulheres com os seus filhos, já nascidos ou prestes a nascer. Havia uma outra ala, a de quem estava para abortar.

A Igreja tem de aprender a prestar contas

Abusos sexuais

A Igreja tem de aprender a prestar contas

Gostaria de falar, em primeiro lugar, acerca da Igreja enquanto instituição de poder, porque essa é uma das maiores premissas que orientam o meu trabalho enquanto jornalista que se dedica à cobertura dos assuntos religiosos e, em especial, ao escrutínio da atividade da Igreja Católica. Que não haja dúvidas: a Igreja é uma instituição de poder.

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This