Confesso que morro…

| 18 Nov 2021

“Morri no abandono das crenças, nos desencantos e desenganos à procura de luz na superfície do breu.” Foto © Kat Smith / Pexels

 

Confesso que morro.
Morro em semblantes irresgatáveis,
gestos pardos em quedas sinistramente abruptas.
Morri nas entranhas da minha mãe
quando fui cuspida ao mundo
e hei de morrer no louco abismo desse voo.

Confesso que morro
para sobreviver às horas de tristeza.
Estilhaços meus jogados em campas esquecem-se de ser,
desmemoriando gotas volúveis em bocadinhos de resto dissipados.

Morri no abandono das crenças,
nos desencantos e desenganos à procura de luz na superfície do breu.
Lágrimas minhas urgem a inexistência como alicerce dos alívios
e, ao menos, eu morro.
Ao menos aprendi a morrer para silenciar a matéria egóica em porção humana,
para abraçar o divino e recair em tentações.
Na condição da morte,
morro porque sei que a abstração é o absoluto e se desprove de ilusões sólidas.

Confesso que morro sem medo nem angústia
porque o único desassossego é estar vivo.
Morro todos os dias a cada instante
e morrer, ao menos, alegra-me;
traz-me de volta o amor, as flores, o odor da divindade, a fraternidade e os mistérios celestiais.

Confesso que morro, confesso.

 

Ana Sofia Brito é performer e artista de rua por opção, embora também mantenha a arte de palco; frequentou o Chapitô e estudou teatro físico na Moveo, em Barcelona.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This