Bispo de Kiev reconhece

Confiança dos ucranianos em Francisco está em baixa

| 19 Jun 2022

projeto papa ucrania, Foto Vatican News

 

A visita do Papa Francisco a Kiev é, por enquanto, impossível devido a questões de segurança e também pela desconfiança que muitos ucranianos sentem em relação ao Papa por causa de alguns dos seus atos e comentários públicos disse Vitaliy Krivitskiy, bispo de Kiev do rito latino (católico) em entrevista ao Avvenire de 17 de junho.

Sem especificar a que se referia, Krivitskiy foi muito claro na entrevista concedida ao jornalista Giacomo Gambassi, do jornal oficial do episcopado italiano: “(..) em comparação com o início do conflito, uma parte da população não acolheu algumas das palavras do Papa que considerou erradas. Portanto, também é necessário reconstruir um ‘consenso’ em torno da sua jornada [a Kiev]. Tudo isso me faz dizer que levará tempo [até tal visita ser possível]”.

Francisco tem criticado o comércio de armas por incentivar a guerra, o que alguns observadores tomaram como oposição ao fornecimento de armas à Ucrânia pelas democracias ocidentais. Por outro lado, também o gesto de solicitar a famílias de duas mulheres, uma russa e uma ucraniana, para transportarem a cruz de Cristo numa das estações da via-sacra da última Sexta-feira Santa foi muito mal recebida pelos ucranianos [ver 7MARGENS].

Na sua entrevista ao Avvenire, Vitaliy Krivitskiy classificou a intenção do papa de “estar no meio de um povo que sofre” como sendo “um motivo de grande esperança” que “daria mais coragem” ao povo ucraniano que “sente a sua proximidade” manifesta “nos seus repetidos pedidos de cessar-fogo” e nos “gestos concretos de múltiplos envios de ajuda humanitária”.

“A Santa Sé pode desempenhar um papel fundamental como mediadora entre nós e a Rússia. As negociações precisam de ‘conciliadores’ e o Papa é ‘super pares’, embora alguns aqui já não o considerem como tal” – considerou o bispo de Kiev, que se afirmou convicto de que “o Pontífice e toda a diplomacia vaticana estão a lançar as sementes para criar um ambiente de diálogo que é pré-requisito para a abertura das negociações”.

 

As reflexões de Francisco que magoaram os ucranianos

 

As declarações do Bispo Krivitskiy sobre a não oportunidade da visita de Francisco corroboram as críticas do arcebispo Sviatoslav Shevchuk, líder da Igreja Greco-Católica na Ucrânia, que num vídeo recente afirmou: “as causas desta guerra estão dentro da própria Rússia. (…) “A agressão da Rússia contra a Ucrânia é completamente voluntária. Qualquer pessoa que pense existir alguma causa externa que tenha provocado a agressão militar da Rússia ou está nas garras da propaganda russa ou está simples e deliberadamente a enganar o mundo.”

Shevchuk reagia à conversa de Francisco com os editores do jornal jesuíta La Civiltà Cattolica publicada nesta revista a 14 de junho e em que o Papa afirmou: “Alguns meses antes do início da guerra, conheci um chefe de Estado, um homem sábio, que fala muito pouco, muito sábio mesmo. (…) disse-me que estava muito preocupado com a forma como a NATO se estava a mover. Perguntei-lhe porquê, e ele respondeu: ‘Eles estão a ladrar às portas da Rússia. E não compreendem que os russos são imperiais e não permitem que nenhuma potência estrangeira se aproxime deles’. E concluiu: ‘Esta situação poderá levar à guerra’. Esta era a sua opinião. A 24 de fevereiro, a guerra começou. Aquele chefe de Estado foi capaz de ler os sinais do que estava para acontecer.”

Nessa mesma conversa, Francisco acrescentou: “Aquilo a que estamos a assistir são a brutalidade e a ferocidade com que esta guerra está a ser levada a cabo pelas tropas, geralmente mercenárias, utilizadas pelos russos. (…) Mas o perigo é que só vemos isto, o que é monstruoso, e não vemos todo o drama que se está a desenrolar por detrás desta guerra, que talvez tenha sido de alguma forma provocada ou não impedida. E registo ainda o interesse em testar e vender armas. É muito triste, mas, no fundo, é mesmo isto que está em jogo.”

Prevendo o que poderia ser comentado sobre estas suas provocações, o Papa adiantou: “Alguém poderia dizer neste momento: mas o Papa é pró-Putin! Não, não sou. Seria simplista e errado dizer uma coisa desse género. Sou simplesmente contra a redução da complexidade à distinção entre os bons e os maus sem raciocínio sobre as raízes e interesses, que são muito complexos. Enquanto assistimos à ferocidade, à crueldade das tropas russas, não devemos esquecer os problemas, a fim de tentar resolvê-los.”

Já em maio, o Papa recusou, em entrevista ao jornal italiano Corriere della Sera, opinar sobre se era apropriado que outras nações armassem a Ucrânia, dizendo: “Não posso responder; estou muito longe. (…) Claro é que as armas estão a ser testadas naquela terra. (…) As guerras são feitas para isso: testar as armas que produzimos. O comércio de armas é um escândalo; poucos lutam contra isso.”

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This