6 e 7 de novembro de 2023

Confirmado encontro de líderes religiosos em Abu Dhabi, nas vésperas da COP28

| 7 Set 2023

abertura do VII Congresso de Líderes de Religiões Mundiais e Tradicionais foto vatican media (1200 × 612 px)

Depois do VII Congresso de Líderes de Religiões Mundiais e Tradicionais, que decorreu no Cazaquistão em setembro de 2022 (imagem acima), os líderes religiosos voltarão a encontrar-se em novembro, agora em Abu Dhabi. Foto © Vatican Media.

 

Uma cimeira global com os líderes religiosos de todo o mundo terá lugar em Abu Dhabi (Emirados Árabes Unidos), de 6 a 7 de novembro, para discutir o papel crucial das comunidades religiosas face às alterações climáticas. A organização deste evento, que antecede a COP 28 no mesmo país, já havia sido avançada pelo Papa, durante uma entrevista no início de agosto, mas na altura Francisco referiu-se a ele como “um encontro para a paz”.

O anúncio oficial foi feito esta quarta-feira, 6 de setembro, pela agência de notícias dos Emirados Árabes Unidos, WAM, segundo a qual o evento será organizado pelo Conselho Muçulmano de Anciãos (MCE, na sigla inglesa) – presidido pelo Imã de Al-Azhar Ahmed Al-Tayeb -, em colaboração com a Presidência da COP28, o Programa das Nações Unidas para o Ambiente (PNUMA) e a Igreja Católica.

“Espera-se que os líderes religiosos que representam as principais religiões, académicos e especialistas ambientais do mundo participem no evento de dois dias com o objetivo de discutir as responsabilidades éticas dos líderes religiosos na abordagem à crise climática”, adianta a WAM.

O comunicado acrescenta que “a reunião também abordará a colaboração entre a fé e a ciência para colmatar a lacuna entre as evidências empíricas e os ensinamentos espirituais, discutir estratégias para amplificar as vozes dos líderes religiosos para melhorar a justiça climática e destacar formas de envolver as comunidades de base na consecução do desenvolvimento sustentável”.

Citado no comunicado, o Secretário-Geral do Conselho Muçulmano de Anciãos, Mohamed Abdelsalam, destaca que “a cimeira preliminar de líderes religiosos para a COP28 chega num momento crítico onde a intensificação da ação climática em todos os sectores da sociedade, a erradicação da ignorância sobre as alterações climáticas e a sensibilização para as questões ambientais se tornaram imperativas”.

O site italiano Il Sismografo, dedicado a assuntos religiosos, avança que, durante o evento, será apresentada e estudada pelos participantes a segunda parte da Encíclica Laudato si’, que o Papa Francisco publicará no dia 4 de outubro .

 

O primeiro Pavilhão da Fé numa COP

Durante a COP28, que decorrerá de 30 de novembro a 12 de dezembro, o MCE e o PNUMA, em colaboração com a Presidência da COP28, serão ainda co-anfitriões do Pavilhão da Fé, o primeiro pavilhão deste tipo num evento da COP.

“O nosso objetivo é proporcionar um palco global para promover o envolvimento religioso e o diálogo inter-religioso com o objetivo de inspirar objetivos ambiciosos e ações concretas para enfrentar a crise climática”, explica Majid Al Suwaidi, diretor-geral da COP28, também citado no comunicado. “As comunidades e organizações religiosas desempenham um papel crucial em ajudar o mundo a enfrentar as alterações climáticas”, acrescenta.

A COP28 terá lugar na Expo City Dubai e deverá reunir mais de 70 mil participantes, incluindo chefes de estado, funcionários governamentais, líderes da indústria internacional, representantes do setor privado, académicos, especialistas, jovens e atores não estatais.

Conforme determinado pelo Acordo Climático de Paris, a COP28 apresentará o primeiro balanço global de sempre – uma avaliação abrangente do progresso em relação aos objetivos climáticos. O objetivo é que todas as partes cheguem a acordo sobre um roteiro claro para acelerar o progresso através de uma transição energética global pragmática e de uma abordagem de “não deixar ninguém para trás” para uma ação climática inclusiva.

 

O alerta de António Guterres

António Guterres discursa na Cimeira do Clima de África, que decorreu em Nairobi (Quénia), 4 setembro 2023. Foto ONU.

“O nosso clima está a implodir mais depressa do que conseguimos aguentar”, afirmou António Guterres na Cimeira do Clima de África, que decorreu em Nairobi (Quénia). Foto © ONU.

 

Numa reação ao anúncio da parte da Organização Meteorológica Mundial (OMM) e do serviço climático europeu Copernicus de que o verão deste ano foi o mais quente jamais registado no Hemisfério Norte, o secretário-geral da ONU, António Guterres, alertou esta quarta-feira que “o colapso climático começou”.

“O nosso clima está a implodir mais depressa do que conseguimos aguentar, com fenómenos meteorológicos extremos a atingir todos os cantos do planeta”, lamentou Guterres.

Já no dia anterior, o secretário-geral das Nações Unidas havia exigido, na Cimeira do Clima de África, que decorreu em Nairobi (Quénia), que os países desenvolvidos cumpram as suas promessas no combate à crise climática, que atinge desproporcionalmente o continente.

O chefe da ONU afirmou que “ainda é possível evitar os piores efeitos” da crise climática, embora seja necessário um “salto qualitativo” na “ação climática” e mais “ambição”, especialmente por parte dos países desenvolvidos, que devem reduzir as suas “emissões líquidas para perto de zero” até 2040.

 

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74

“Para que a memória não se apague”

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74 novidade

A “Revolução dos Cravos”, apesar de pacífica, ceifou a vida a quatro jovens que, no dia 25 de abril de 1974, foram mortos pela PIDE/DGS, à porta da sede da polícia política do Estado Novo, em Lisboa, depois de cercada pela multidão. 50 anos passados, recordamos a mais jovem vítima da “revolução sem sangue”, de apenas 18 anos, que era natural de Trás-os-Montes.

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This