Abusos sexuais do clero 

Congregações religiosas de França nomeiam Comissão Independente

| 19 Nov 2021

Juiz Antoine Garapon preside Comissão Independente de Reconhecimento e Reparação. Foto: Direitos reservados.

 

O magistrado Antoine Garapon acaba de ser designado para presidir à comissão independente que vai estudar os abusos sexuais nas ordens religiosas que desenvolvem em França a sua atividade.

A revelação foi feita esta sexta-feira, 19 de novembro, pela teóloga dominicana Véronique Margron e resulta de votação unânime de cerca de 300 superioras e superiores da Corref – Conferência das Religiosas e Religiosos de França. O órgão, que esteve reunido desde segunda-feira em Lourdes, fez aquilo que fizeram os bispos do país, ao longo da semana anterior: analisar os resultados do estudo da CIASE (Comissão Independente sobre os Abusos Sexuais na Igreja) e tomar as medidas correspondentes.

A Comissão Independente de Reconhecimento e Reparação (CIRR) — é o nome que lhe foi dado — assume que há que dar continuidade à investigação subjacente ao estudo da CIASE. Fará, assim, um trabalho de complemento e desenvolvimento do da CIASE, também conhecido por Relatório Sauvé, do nome do seu presidente.

De resto o agora designado presidente da CIRR integrou a outra Comissão, na qual coordenou a equipa da escuta das vítimas e assegura, agora, a continuidade do trabalho. Garapon é um respeitado juiz que trabalhou, ao longo de boa parte da sua vida profissional, em tribunais que lidam com “menores”. Atualmente é secretário-geral do Instituto de Altos Estudos sobre a Justiça, co-diretor da revista Esprit, fundada por Emmanuel Mounier e diretor de uma coleção na editora Michalon. Tem também um programa semanal na estação France Culture.

Em entrevista à rádio France Inter, mal se soube da sua nomeação, o juiz e presidente da CIRR disse que a missão do grupo que vai coordenar “é oferecer um acolhimento às vítimas, uma garantia de contacto com as congregações, eventualmente substituir as congregações — com o seu acordo — em caso de bloqueio”. Visa ainda  “instalar um centro de recursos que permita compreender melhor as necessidades das congregações e das vítimas e as disfunções das comunidades religiosas, colocando-se à disposição de umas e de outras para que esses abusos não voltem a acontecer”.

Para além do reconhecimento e da indemnização das vítimas, o trabalho a desenvolver agora visa “encontrar a relação com o agressor ou o instituto incriminado, numa balança invertida de poder: uma posição de humildade do agressor que destruiu uma vida, e uma posição de requerente por parte da vítima”.

Bispos espanhóis não querem estudo sobre os abusos

Entretanto, no início de dezembro, o presidente da CIASE, Jean Marc Sauvé, irá ao Vaticano reunir-se com o Papa Francisco. O encontro irá permitir uma apresentação de viva voz ao Papa do estudo feito sobre a realidade dos abusos em França, em particular os aspetos das recomendações feitas pela Comissão Independente que são dirigidas a Roma.

Estudo é algo que não vai com os bispos espanhóis. Na conferência de imprensa no final da assembleia da Conferência Episcopal do país vizinho, o porta-voz, Luis Argüello, declarou que os bispos “não têm a função de conduzir pesquisas sociológicas ou estatísticas” sobre casos de abuso sexual de menores”, ocorridos no seio da Igreja Católica em Espanha.

“O caminho escolhido é o de atender às vítimas específicas. É o caminho pelo qual optamos: conhecimento personalizado, face a face”.- acrescentou o também bispo auxiliar de Valladolid.

 

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

Nos 77 anos do ataque atómico

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia novidade

“Apelo a todos os membros” do Parlamento japonês, “bem como aos membros dos conselhos municipais e provinciais” para que se “encontrem com os hibakusha (sobreviventes da bomba atómica), ouçam como eles sofreram, aprendam a verdade sobre o bombardeio atómico e transmitam o que aprenderem ao mundo”, escreve, numa carta lida nas cerimónias dos 77 anos do ataque atómico sobre Nagasaki, por um dos seus sobreviventes, Takashi Miyata.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Padres de Lisboa saem em defesa do patriarca

Abusos sexuais

Padres de Lisboa saem em defesa do patriarca

O Secretariado Permanente do Conselho Presbiteral do Patriarcado de Lisboa saiu em defesa do cardeal patriarca, D. Manuel Clemente, numa nota publicada esta terça-feira à noite no site da diocese. Nas últimas semanas, Clemente tem sido acusado de não ter dado seguimento a queixas que lhe foram transmitidas de abusos sexuais.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This