Desaparecidos desde 2013

Conselho Mundial das Igrejas relembra arcebispos raptados na Síria

| 28 Fev 2022

O Arcebispo ortodoxo siríaco Yohanna Ibrahim e o Arcebispo ortodoxo grego Paul Yazigi, raptados na Síria em 2013. Foto © Conselho Mundial das Igrejas

O arcebispo ortodoxo sirío Yohanna Ibrahim e o arcebispo ortodoxo grego Paul Yazigi foram raptados na Síria em 2013 e não se conhece o seu paradeiro. Foto © Conselho Mundial das Igrejas

 

O Conselho Mundial das Igrejas (CMI), órgão que reúne 352 denominações cristãs em todo o mundo, assinalou o dia em que se completam 3.224 dias desde que o arcebispo ortodoxo sírio Yohanna Ibrahim e o arcebispo ortodoxo grego Paul Yazigi foram sequestrados quando regressavam da fronteira turca para a cidade de Aleppo”, disse Ioan Sauca, secretário-geral do CMI em exercício, a 28 de fevereiro.

Os apelos para a libertação dos arcebispos surgem no meio de uma grande preocupação com a situação alarmante e em rápida deterioração dos cristãos no Oriente Médio. “Dia após dia, rezamos e continuaremos a rezar pelo regresso seguro dos arcebispos às suas igrejas, às suas comunidades e suas famílias”, disse Sauca. “Somos solidários com todos os cristãos da Síria e da região.”

Os dois líderes religiosos foram sequestrados por homens armados em abril de 2013, quando voltavam da fronteira turca para a cidade de Aleppo. O relatório de 2016, que dava conta de que teriam sido mortos, apresentava algumas incoerências, pelo que não foi considerado credível.

O CMI continua a defender que “é necessário um novo pacto social em toda a região do Oriente Médio – uma narrativa comum que seja desenvolvida e compartilhada por todas as comunidades dos países da região com base em uma compreensão inclusiva de cidadania e direitos humanos, garantidos constitucionalmente, e sob a qual todas as igrejas e comunidades de fé, com suas diversas identidades étnicas, religiosas e culturais, podem viver e prosperar no amor e na graça dada a todos por Deus”.

 

“E tu, falas com Jesus?”

“E tu, falas com Jesus?” novidade

Em matéria de teologia, tendo a sentir-me mais próxima do meu neto X, 6 anos, do que da minha neta F, de 4. Ambos vivem com os pais e uma irmã mais nova em Londres. Conto dois episódios, para perceberem onde quero chegar. Um dia, à hora de deitar, o X contou à mãe que estava “desapontado” com o seu dia. Porquê? Porque não encontrara o cromo do Viktor Gyokeres, jogador do Sporting, um dos seus ídolos do futebol; procurou por todo o lado, desaparecera. Até pedira “a Jesus” para o cromo aparecer, mas não resultou. [Texto de Ana Nunes de Almeida]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga

Decreto de extinção a marcar passo?

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga novidade

A pouco mais de três meses de se completar um ano, prazo dado pelo Vaticano para extinguir a Comunidade Loyola, um instituto de religiosas fundado por Ivanka Hosta e pelo padre Marko Rupnik, aparentemente tudo continua como no início, com as casas a funcionar normalmente. No caso da comunidade de Braga, para onde Ivanka foi ‘desterrada’ em meados de 2023, por abusos de poder e espirituais, a “irmã” tem mesmo estado a desenvolver trabalho numa paróquia urbana, incluindo como ministra extraordinária da comunhão, com a aparente cobertura da diocese.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This