Declaração conjunta

Conselho Mundial das Igrejas condena guerra na Ucrânia

| 19 Jun 2022

Um tanque destruído numa das ruas de Bucha, na Ucrânia. Foto © Presidência da Ucrânia

Um tanque destruído numa das ruas de Bucha, na Ucrânia. Foto © Presidência da Ucrânia

 

O Conselho Mundial das Igrejas (CMI) condenou de forma veemente a guerra na Ucrânia. “A guerra, com todas as mortes e as suas miseráveis consequências, é incompatível com a natureza de Deus e o Seu desejo para a humanidade, e vai contra todos os nossos princípios cristãos e ecumnénicos”, declara a organização, citada pelo Orthodox Times.

O comité central do CMI condenou a guerra injustificada que foi feita “ao povo soberano da Ucrânia”, e falou de um “contínuo aumento de mortes, destruição e deslocamento de pessoas, de relações que são destruídas e de um antagonismo crescente entre as pessoas da região, num conflito que é mundial, que provoca aumento do risco de fome, dificuldades económicas e instabilidade política e social” em muitas regiões do mundo.

A organização rejeita ainda “qualquer mau e injustificado uso de linguagem religiosa para autorizar ou legitimar uma agressão armada”.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Cruz Vermelha quer levar ajuda urgente às vítimas das cheias no Brasil

Apelo internacional

Cruz Vermelha quer levar ajuda urgente às vítimas das cheias no Brasil novidade

Com o objetivo de “aumentar a assistência humanitária às comunidades afetadas pelas devastadoras inundações no Rio Grande do Sul, no Brasil”, a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (FICV) lançou um “apelo de emergência de cerca de oito milhões de euros”, anunciou a Cruz Vermelha Portuguesa (CVP), na última quarta-feira, 22 de maio.

A Dignidade da pessoa humana como prioridade

A Dignidade da pessoa humana como prioridade novidade

Na semana depois de Pentecostes é oportuno recordar a publicação da declaração Dignitas Infinita sobre a Dignidade Humana, elaborada durante cinco anos e divulgada pelo Dicastério para a Doutrina da Fé, pondo a tónica na dimensão universal, filosófica e antropológica, do respeito pela pessoa humana enquanto fator de salvaguarda dos direitos humanos, do primado da justiça e do reconhecimento de que todos os seres humanos como livres e iguais em dignidade e direitos.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This