Preocupado com a Ucrânia

Conselho Mundial de Igrejas procura reconciliar igrejas ortodoxas

| 26 Jun 2023

Jerry Pillay, secretario geral do Conselho Mundial de Igrejas. Foto © CMI

“Tenho o prazer de informar que a Igreja Ortodoxa Ucraniana, a Igreja Ortodoxa da Ucrânia e a Igreja Ortodoxa Russa deram uma resposta positiva à sua participação na mesa redonda”, anunciou Jerry Pillay, secretário-geral do Conselho Mundial de Igrejas. Foto © CMI.

 

Perto de 200 participantes de todo o mundo estão presentes na reunião do Comité Central do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), que decorre até esta terça-feira, 27 de junho, para aprovar o plano estratégico da organização até 2030. O encontro tem sido palco de diversas iniciativas, formais e informais, que têm em vista organizar uma mesa-redonda entre as igrejas ortodoxas mais diretamente envolvidas no conflito desencadeado pela Rússia na Ucrânia. E, segundo foi revelado em Genebra, onde a reunião decorre, já há alguns resultados positivos.

Esta reunião do Comité Central, realizada sob o signo da “Peregrinação da justiça, da reconciliação e da unidade”, é a primeira desde a assembleia do CMI, que decorreu no verão de 2022, em Karlsruhe, na Alemanha. Inclui 150 membros do Conselho, oito presidentes setoriais eleitos e um certo número de conselheiros de parceiros ecuménicos e igrejas, que são membros do CMI.

Ainda que as situações no mundo que incentivam as igrejas a “agir em prol da justiça e da reconciliação” sejam diversificadas, o caso da guerra na Ucrânia merece uma atenção especial, não apenas pela gravidade do que tem acontecido e pelo impacto internacional que provoca, mas também porque igrejas cristãs ortodoxas, membros do CMI, estão envolvidas em posições que são também de afrontamento.

Como recordou o secretário geral, Jerry Pillay, no relatório que apresentou no Comité Central, o CMI fez “declarações muito claras” de condenação da guerra, considerando-a “ilegítima e imoral” e solicitando toda a ação possível ao secretariado. Uma delegação do CMI chefiada por Pillay visitou, entretanto, quer Kiev quer Moscovo, onde teve reuniões com as igrejas ortodoxas. “A intenção – sublinha o secretário geral – era abordar as questões da desunião” entre aquelas igrejas e ver como poderiam elas “ajudar na pacificação no contexto da Ucrânia”.

A proposta que está a ser negociada consiste em começar por juntar numa mesa redonda, em terreno neutro, uma pequena delegação (umas cinco pessoas) de cada igreja com dois objetivos. O primeiro é o de promover a coexistência pacífica entre as Igrejas ortodoxas maioritárias da Ucrânia. Tal desiderato passaria por negociar com o governo ucraniano “a criação de condições conducentes ao diálogo entre a Igreja Ortodoxa da Ucrânia (UOC, na sigla em inglês), que esteve até 2022 formalmente vinculada ao Patriarcado de Moscovo, e a Igreja Ortodoxa Ucraniana, de formação mais recente (a OCU), de pendor nacionalista, que é reconhecida pelo Patriarca de Constantinopla. O CMI considera que este entendimento seria “no interesse da consolidação e da unidade da sociedade ucraniana”.

Para aplanar o terreno, seriam, então, convocadas reuniões de diálogo confidenciais em Genebra, entre altos representantes da UOC, da OCU e da Igreja Ortodoxa Russa (ROC), para que todas as partes se pudessem ouvir, dialogar e rezar em conjunto em torno das atuais tensões e conflitos entre si. Procurariam igualmente definir medidas para reduzir as tensões e promover a coexistência pacífica, tendo o Evangelho como critério primeiro de fidelidade, como foi sublinhado na conferência de imprensa, no início da reunião, que reuniu Jerry Pillay e o moderador do Comité Central, o bispo Heinrich Bedford-Strohm.

O segundo objetivo alargaria o âmbito das questões, visando “contribuir para uma paz justa na Ucrânia” e para a “redução das tensões e dos confrontos no mundo em geral, devido a este conflito”. Isso seria feito “através do diálogo multilateral entre as Igrejas enquanto representantes de sectores sociais significativos a nível mundial”, bem como parceiros da Rússia, da Ucrânia e de todas as regiões do mundo. A finalidade seria “abordar questões éticas fundamentais”, que emergem do contexto de guerra, como sejam “o papel e a responsabilidade do cristão em relação ao conflito armado e às ameaças de força armada; o chamamento bíblico para sermos pacificadores; e as preocupações em relação ao uso indevido da linguagem religiosa e da autoridade para justificar ou apoiar a violência armada e a invasão”.

“O princípio da neutralidade humanitária e a responsabilidade e as respostas cristãs em relação às consequências humanitárias do conflito; a responsabilização moral e legal pelos crimes cometidos durante o conflito; e as consequências globais do conflito e as implicações para a humanidade e o ambiente”, seriam outros pontos possíveis, sendo que se deveria ter em conta as implicações para o atual conflito na Ucrânia”.

 

Esperança… e cautela

E foi neste contexto que Jerry Pillay pôde informar de alguns resultados positivos, decorrentes das diligências que discretamente têm decorrido, nos últimos meses.

“Tenho o prazer de informar – declarou ele – que a Igreja Ortodoxa Ucraniana [ligada a Constantinopla], a Igreja Ortodoxa da Ucrânia [historicamente próxima de Moscovo] e a Igreja Ortodoxa Russa deram uma resposta positiva à sua participação na mesa redonda”.

A Igreja Ortodoxa Russa, liderada pelo patriarca Cirilo, terá declarado ir consultar a UOC, enquanto o CMI trabalhou no aprofundamento do conceito de mesa redonda que propôs, aguardando uma resposta das três igrejas ortodoxas, a comprometer-se com o processo. “Todas as igrejas envolvidas afirmaram o papel de há muito [desempenhado pelo] CMI na pacificação em situações de conflito e veem o CMI como um fórum valioso e formidável para ajudar na situação da Ucrânia”, sublinhou o secretário geral, solicitando as orações de todos, para que a dinâmica lançada obtenha resultados.

Refira-se que os dias dos trabalhos do Comité Central foram aproveitados para encontros privados, de forma a viabilizar os passos que estão para ser dados, aproveitando a presença de todos os intervenientes.

Um observador atento e reconhecido do mundo da ortodoxia, Peter Anderson, manifestou-se, entretanto, sobre o significado que, a seu ver, este caminho reveste, manifestando esperança, ainda que cautelosa, num texto publicado por Il Sismografo:

“Na minha opinião, a iniciativa que envolve as três Igrejas é o único raio de esperança para estabelecer uma coexistência pacífica entre a UOC e a OCU [as duas igrejas ortodoxas da Ucrânia]. Embora as três Igrejas tenham dado uma ‘resposta positiva’ para participar na mesa redonda, parece que ainda não assumiram um compromisso definitivo nesse sentido”.

 

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix

Investigação suspensa

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix novidade

A Sala de Imprensa da Santa Sé anunciou esta terça-feira, 21 de maio, que a investigação canónica preliminar solicitada pelo Papa Francisco para averiguar as acusações de agressão sexual contra o cardeal canadiano Gérald Cyprien Lacroix não prosseguirá, visto que “não foi identificada qualquer ação como má conduta ou abuso” da parte do mesmo. O nome do prelado, que pertence ao Conselho dos Cardeais (C9), foi um dos apontados numa grande ação coletiva a decorrer no Canadá, listando supostas agressões sexuais que terão ocorrido na diocese do Quebeque, nos anos 1980.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda”

AAPSO denuncia

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda” novidade

Amina Bouayach, Presidente do Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) de Marrocos, recebeu esta terça-feira, 21 de maio, na Assembleia da República, em Lisboa, o Prémio de Direitos Humanos do Centro Norte-Sul do Conselho da Europa 2023. Mas a Associação de Amizade Portugal – Sahara Ocidental (AAPSO) considera, no mínimo, “estranha” a atribuição do galardão à marroquina.

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer?

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer? novidade

A exposição, intitulada «Mês de Maio. Mês de Maria», que tem por curador o Prof. José Abílio Coelho, historiador, da Universidade do Minho, conta com as principais ‘apresentações’ de Nossa Senhora do Rosário, sobretudo em escultura e pintura, que se encontram dispersas por igrejas e capelas do arciprestado de Póvoa de Lanhoso. Divulgamos o texto, da autoria do Padre Joaquim Félix, publicado no catálogo da exposição  «A Senhora do Rosário no Arciprestado Povoense».

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This