Contra todas as teocracias

| 2 Set 2020

Por princípio sou contra todas as formas de teocracia, incluindo as cristãs. Esses ideais estribam-se em equívocos teológicos, em erros de interpretação histórica ou, em muitos casos, em inconfessáveis aspirações de poder.

 

Demasiados líderes cristãos das Américas andam equivocadamente a viver em tempos anteriores ao séc. XVIII, quando ainda não se havia implantado o conceito de estado laico e a religião vivia amancebada com o poder político. A Modernidade trouxe esse separar de águas que se tornou inovador então em termos de dinâmica histórica.

Como tenho dito recorrentemente, o conceito procede do próprio Jesus Cristo quando afirmou: “Dai, pois, a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus” (Lucas 20:25). Isto não tem apenas que ver com os impostos cobrados na província da Judeia e devidos ou não a Roma. Tem que ver com uma visão do que é o reino de Deus, que não coincide com a sociedade em geral, em suma, com a distinção clara entre o religioso e o secular.

Em nenhum texto bíblico se defende a mais pálida ideia de que os religiosos devem dirigir os destinos de toda uma sociedade. Se olharmos para o Antigo Testamento verificamos que a teocracia hebraica constituiu um caso único na história da Revelação dada a natureza da aliança estabelecida entre Iavé e Abraão, extensível à sua descendência. Nunca foi nem é um modelo para as demais sociedades. Pelo contrário, trata-se da excepção que confirma a regra.

Por outro lado, se nos concentramos no Novo Testamento observamos como Jesus Cristo, os seus discípulos e apóstolos, nunca consideraram sequer por um momento qualquer forma teocrática de governo. Pelo contrário posicionaram-se sempre à parte dos poderes públicos, pedindo a Deus pelos agentes políticos e autoridade em geral.

De onde virá então essa quimera da teocracia cristã, quando toda a gente sabe o que aconteceu na Idade Média, quando o papa punha e depunha reis numa Europa de cruzadas, inquisições, abusos de toda a espécie e perseguições? Santo Agostinho idealizou a “Cidade de Deus”, em termos teóricos, mas Calvino tentou criar uma teocracia em Genebra e deu mau resultado.

A sede de poder – invocando embora pretextos morais – é que parece realmente animar as actuais lideranças, que se esforçam por criar partidos políticos ou por militarem neles, por se apresentarem a cargos políticos electivos, e a quererem impor agendas de inspiração religiosa. Faz lembrar os monarcas do mundo antigo que governavam em nome dum suposto direito divino, quando não se consideravam a si mesmos como divindades.

Vamos ser claros. Isto só acontece porque as igrejas estão a falhar a sua vocação.

Damares Alves – provavelmente o elemento mais alucinado do governo brasileiro – afirmou: “É o momento da igreja governar”. Pergunto: qual delas? Com que mandato? Com que legitimidade? Com que objectivo?

Os cristãos são chamados a outra tarefa, que é influenciar o mundo e nunca a governá-lo: “Vós sois o sal da terra; e se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta senão para se lançar fora, e ser pisado pelos homens. Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte. Nem se acende a candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas no velador, e dá luz a todos que estão na casa. Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus” (Mateus 5:13-16). Parece que já não lhes basta pregarem a Palavra, pastorearem o seu rebanho, ainda querem o poder e as benesses que normalmente lhe estão associadas, incluindo a notoriedade.

As preocupações dos cristãos conscientes da sua missão e que pretendem ser fiéis à sua vocação são outras, reflectir ao mundo a imagem de Jesus Cristo: “Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor (…)” (2 Coríntios 3:18). Este é o único “caminho do meio” de que fala o teólogo Tomás Halík: “Não existe nada mais importante no nosso mundo de hoje, do que encontrar um caminho entre o fundamentalismo religioso, por um lado, e o secularismo fanático, por outro.” Se o secularismo fanático ou laicismo é uma praga, o fundamentalismo religioso não o é menos.

O que se passa em boa parte das igrejas nos EUA, Brasil e América Latina é altamente preocupante. Em vez de serem o sal que tempera e preserva a sociedade estão a ser a malagueta que a afasta e desregula. Um pastor anglicano do Brasil afirma mesmo que o movimento evangélico é hoje um dos maiores perigos para a sociedade brasileira e o estado laico devido ao seu potencial fundamentalista: “Malafaia, Feliciano, Rodovalho, Macedo, R.R. Soares e outros nomes menores que estão despontando (e outros que ainda despontarão) são a pior espécie de fanatismo religioso possível. A única diferença entre esse grupo e o fundamentalismo islâmico está nos referenciais religiosos nos quais se apoiam.”

Que Deus nos livre!

 

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona e coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo; texto publicado também na página digital da revista Visão.

 

Andrea Riccardi: “O que mais me abalou foi o silêncio de Pio XII depois da Guerra”

Entrevista "A Lista do Padre Carreira"

Andrea Riccardi: “O que mais me abalou foi o silêncio de Pio XII depois da Guerra” novidade

O atraso na abertura dos arquivos do Vaticano relativos ao pontificado do Papa Pio XII e da Segunda Guerra Mundial “prejudicou o conhecimento da realidade”, diz o historiador Andrea Riccardi. Os silêncios de Pacelli foram uma escolha para evitar males maiores, diz, mas o que não compreende é o silêncio de Pio XII depois da Guerra, sobre o antissemitismo.

Crimes sexuais: indemnizações levam quatro dioceses à falência

Califórnia

Crimes sexuais: indemnizações levam quatro dioceses à falência novidade

Quatro das 12 dioceses católicas da Califórnia pediram falência, ou estão a considerar fazê-lo, por causa de mais de 3.000 pedidos de indemnização entregues nos tribunais do Estado por vítimas de abusos sexuais de menores que aproveitaram o facto da lei ter prolongado até dezembro do ano passado a admissibilidade de processos envolvendo pessoas tendo atualmente até 40 anos.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Terça, 30, às 18h

Legado de Alfredo Bruto da Costa debatido na Feira do Livro

O livro O Que Fizeste do Teu Irmão? – Um Olhar de Fé sobre a Pobreza no Mundo, de Alfredo Bruto da Costa, é o ponto de partida para o debate que, nesta terça-feira, reúne Nuno Alves, economista do Banco de Portugal e membro da direcção da Cáritas Portuguesa, com Margarida Bruto da Costa, filha do autor.

JMJ realizou em 2022 metade das receitas que tinha orçamentado

A Fundação Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023 obteve no ano passado rendimentos de 4,798 milhões de euros (menos de metade do previsto no seu orçamento) e gastos de 1,083 milhões, do que resultaram 3,714 milhões (que comparam com os 7,758 milhões de resultados orçamentados). A Fundação dispunha, assim, a 31 de dezembro de 2022, de 4,391 milhões de euros de resultados acumulados em três anos de existência.

Debate em Lisboa

Uma conversa JMJ “conectada à vida”

Com o objectivo de “incentivar a reflexão da juventude” sobre “várias problemáticas da actualidade, o Luiza Andaluz Centro de Conhecimento (LA-CC), de Lisboa, promove a terceira sessão das Conversas JMJ, intitulada “Apressadamente conectadas à vida”.

Milhares a dançar na procissão

Luxemburgo

Milhares a dançar na procissão novidade

Uma procissão dançante que dura cerca de três horas, em honra de São Willibrord, um santo dos séculos VII-VIII decorreu como é tradição desde há perto de mil anos, na última terça-feira, 30 de maio, na cidade luxemburguesa de Echternach.

Em seis anos Irlanda perde um em cada dez católicos

Censo 2022

Em seis anos Irlanda perde um em cada dez católicos novidade

Em apenas seis anos, a Irlanda, um dos países “mais católicos” da Europa, viu a taxa dos que se reconhecem como tal reduzir-se em 10 pontos percentuais entre 2016 (79%) e 2022 (96%). Os números são avançados pelo jornal The Irish Times de dia 30 de maio com base no censo de 2022, cujos resultados foram agora conhecidos.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This