Conversas sobre doutrina social católica evocam José Dias da Silva

| 19 Jan 19

Um ciclo de quatro Conversas sobre Doutrina Social da Igreja – lembrando José Dias da Silva tem início segunda-feira, 21 de Janeiro, às 21h30, em Coimbra. Neste primeiro debate, o tema será a dignidade da pessoa e serão intervenientes Teresa Toldy, professora universitária e autora de um livro sobre teologia feminista, e Lisa Matos, consultora do Gabinete Europeu sobre Migrações e Asilo.

Sempre à mesma hora e às segundas-feiras, uma vez por mês, sucedem-se debates sobre o bem comum (11 de Fevereiro, com o advogado Nuno Gonçalves e o escritor Jacinto Lucas Pires), o destino universal dos bens (11 de Março, com o padre e vice-reitor da Universidade Católica, José Manuel Pereira de Almeida e o antigo ministro da Justiça e também escritor Laborinho Lúcio) e a opção pelos pobres (15 de Abril, com Teresa Vasconcelos, da Comissão Nacional Justiça e Paz, e Sérgio Aires, do comité executivo da Rede Europeia Anti-Pobreza). Os debates decorrem no Instituto Universitário Justiça e Paz (Couraça de Lisboa, 30) e são promovidos pelo IUJP e a Comunidade de Acolhimento João XXIII.

 

Breves

Boas notícias

O renascer da Ordem Cisterciense em Portugal

No Mosteiro Trapista de Palaçoulo

O renascer da Ordem Cisterciense em Portugal

Filha de Trás-os-Montes e Alto Douro, acolhi com muita alegria a notícia da construção de um Mosteiro Cisterciense Trapista no planalto mirandês. Monjas italianas escolheram Portugal e estabeleceram-se aqui. Neste lugar aberto às montanhas azuis, ao longe; terra ressequida de xisto: urze, estevas, plantas rasteiras, juntamente com velhos carvalhos e sobreiros. Terra amarela do centeio. Cabras, ovelhas, vacas – o que resta. Nas aldeias, casas fechadas, tantas…

Outras margens

Cultura e artes

Pessoas

Sete Partidas

Acolher sem porquês

Eu e o meu namorado vivemos na Alemanha e decidimos desde o início da guerra na Ucrânia hospedar refugiados em nossa casa. Pensámos muito: nenhum de nós tem muito tempo disponível e sabíamos que hospedar refugiados não é só ceder um quarto, é ceder paciência, muita paciência, compreensão, ajuda com documentos…

Visto e Ouvido

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Entre margens

Na ressaca da abundância

Fruir é o verbo do presente e andamos pelo mundo atrás de abundâncias: de coisas, de experiências, de bem-estar e de divertimentos, cada vez mais sofisticados e inacessíveis. Vivemos como se a felicidade estivesse fora de nós, nas coisas que corremos para comprar, nas pessoas com quem estamos, nas experiências que vivemos.

Férias — a alegoria das formigas

Hoje, e por estarmos no querido mês de Agosto, dou comigo a refletir sobre este lugar-comum da alegoria das formigas, que é o tempo de férias. Até temos a sorte de viver num país cuja esperança média de vida ronda os 80 anos; desses 80, somos forçosamente influenciados a trabalhar 48. E destes apenas três são tempo de férias.

É possível sonhar na velhice e alcançar

Sonhar?! Sonhos! Uns realizam-se, outros não, mas um homem sem sonhos é um homem pobre, sem visão, sem propósitos. Muitas pessoas têm a ideia de que sonhar é algo somente para os jovens, talvez porque naturalmente têm ainda muito tempo para viver. Mas será isso verdade?! Será possível sonhar na velhice? Entrar na velhice é parar de sonhar, projetar e avançar? Ou o que o impede ou lhe diz que não pode sonhar?

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This